Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

18ifanáliseAnálise de Animesresenharesenha críticareview 18if

18If (2017) Uma historia sobre aceitação pessoal | Review


Sinopse: Haruto Tsukihiro acorda em um mundo de sonhos e conhece uma garota misteriosa chamada Lily, que tem um papel importante em toda a historia. Após isso, ele encontra um homem chamado Kanzaki, que é um cientista em formato de gato, e aprende sobre a existência das bruxas. Apartir dai vamos acompanhar o protagonista enfrentando essas bruxas, e salvando elas, e descobrindo a onde ele está.

Análise
18if é uma obra com uma proposta bem interessante e com uma execução criativa.  Só o fato da série tentar inovar ou até mesmo mostrar uma nova faceta de um estilo já vigorado merece um maior destaque. Este tipo de destaque estimularia mais autores a fazerem obras mais distintas. Considero 18if um anime bem corajoso, e gosto muito disto nele. Por ano temos cerca de 100 animes novos, a quantidade de coisas parecidas e genéricas é absurda. 

Porem, infelizmente sinto que o anime foi grandemente injustiçado, já que ele recebeu um grande range da comunidade, isto é bem visível por sua nota no My Anime List de 6,39. E esta injustiça é o que me incentivou a fazer essa review. 

O diferencial de 18if já começa em sua direção de arte, que muda a cada episódio. Que irei cometar mais a frente. 


A premissa é bem simples, vamos acompanhar de forma episódica o protagonista ajudando varias garotas que estão com uma "doença" em que elas entram em coma, e se transformam em "bruxas" no mundo dos sonhos - lugar onde o protagonista está, por um motivo que só sera revelado no fim. Sendo bruxa no mundo dos sonhos elas podem ainda interagir com o mundo real, e até mesmo matar pessoas. A ideia do anime é que o protagonista vai fazer essas garotas enfrentarem seus traumas e saírem deste coma. 




18if é basicamente  uma obra sobre a aceitação pessoal. Sobre você aceitar quem você é, mesmo que os outros te julguem ou até mesmo tentem te obrigar a mudar. E quem é esta "ponte de aceitação pessoal" é o nosso protagonista, ele é aquele que questiona as heroínas sobre do que elas estão fugindo, fazendo elas enxergarem quem são. 

O Haruto algumas vezes confronta e dá a resposta, em outras ele faz a própria personagem enxergar a resposta. Respostas que muitas vezes estão em nossa frente, onde só precisamos ir mais a fundo e enfrentar a nos mesmo, e encontrar tal resposta; coisa que ele faz em um episódio, com uma heroína que estava cansada de ser uma patinadora famosa, porque ela queria ter uma vida escolar normal.

O protagonista fez a ela enfrentar de frente o fato imutável, que ela não pode ser outra coisa! Ela é quem é. Sakurabe encontrou a resposta sozinha, tudo que o protagonista fez foi fazê lá enfrentar a verdade, coisa que ela não fazia. Assim como todas as heroínas do anime, que só fogem. No fim Sakurabe percebeu quem ela é, uma patinadora, e que ela ama mais do que qualquer coisa patinar.




A obra (simplificando) nos mostra dois tipos de pessoas, aquelas que se culpam por serem diferentes e aquelas que culpam os outros. E no fim a obra da uma resposta que é simples, porém contendo seu nível de profundidade - Você é quem você é, não há culpados. Você não precisa fugir de nada, viva e aceite se. Muitas vezes fugimos de tudo e todos por acharmos que estamos errados, ou até mesmo fingimos ser outras pessoas, no fim é tudo sobre aceita e ser quem você é.



Tem outro episódio que é sobre uma garota que sofreu bullying de sua turma, e então quando ela se "transforma" em uma bruxa ela quer matar todos os garotos que fizeram aquilo com ela. É imaginado que o protagonista vai impedi la, todavia é totalmente o contrário, ele diz que não vê problema pois ela não é a culpada daquilo tudo. Isto consegue passar muito bem o sentimento de que você não é o culpado de tudo o que acontece na sua vida. Acho que a mensagem que consegui retirar desta parte foi: viver da maneira que te convém. 

Esta estória  em especifico e algumas outras, senti que fugiram um pouco do tema principal. Entretanto, essas estórias ainda tem suas próprias mensagens relevantes. Assim como é o episódio da menina que iria morrer, em que ela só queria um momento verdadeiro, mesmo que fosse por pouco tempo ela queria viver. Isto mantém a ideia da obra que é - vida! Porém o meu entendimento foi que o principal tema do anime é a aceitação pessoal.



A qualidade da animação é bem inconsistente na parte de manter os design dos personagens, tendo grandes variações nos design em cada episodio, mas é sempre uma boa animação, com alguns episódios sendo excepcionalmente bem animados. Os estilos de arte diferentes foi uma boa escolha para a obra - a ideia do anime são sonhos, e cada pessoa vê as coisas de uma forma diferente (uma interpretação minha, então posso estar viajando. O que é bem provável,  mas gostei de imaginar desta forma.) Alguns episódios a arte é bem incomoda, mas são nestes mesmos episódios que temos as melhores estorias. 

Para ter ideia do motivo da direção e animação ser tão boa, além de termos os diretores de episódio temos o co-diretor Morimoto, Kouji  - conhecido por animes como Majo no Takkyuubin (onde ele foi animador de quadro chave) e em Akira, onde ele foi assistente do diretor de animação. Essa combinação deixou o anime em geral, muito bem dirigido, apesar do fato de que os diretores de episodio são relativamente desconhecidos. 

A música da obra é em geral muito boa também; destacando se a canção da OP que eu considerei excelente, combinada com os recursos visuais da OP que ficaram bem legais, temos uma boa abertura.  


Conclusão

18if é uma boa obra sim! Tem alguns problemas, como estórias que são meio incongruentes, onde o anime pede do telespectador uma suspensão de descrença muito grande, o que atrapalha um pouco a experiencia. Porém em seu todo ela possui uma mensagem muito bonita, e verdadeira; no sentido de ser uma mensagem  concreta, em que você pode levar ela para a sua vida. A obra fala de temas como abraçar  quem você é, e principalmente sobre largar angústias e tudo aquilo que te corroê por dentro, pois segundo a obra isto é aquilo que te coloca pra baixo. 

O personagem principal não é tão desenvolvido, já que a ideia é justamente ele ser a ponte de desenvolvimento para as heroínas. Porem tem um episodio muitoo bom, com uma garota muda que consegue dar uma carga para o protagonista. E o episodio é muito bem dirigido, ele é praticamente todo em preto e braco, só dando cor a alguns elementos específicos dos cenário. Este é um episodio bem interpretativo, com vários diálogos subjetivos.   

Condecoro a obra por ela ter duas das coisas que eu mais valorizo, que são criatividade e mensagem relevante. 


Direção: 6
Roteiro: 5
Animação: 7
Soundtrack: 4 
Entretenimento: 5
Impacto Emocional: 6

Bottom Ad [Post Page]