Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Análise de AnimesCowboy BebopcríticaN.A.N.I.resenhareview Cowboy Bebop

Cowboy Bebop (1998) - Review | N.A.N.I. #2

|Episódios: 26 | Estúdio: Sunrise Fonte: Original Diretor: Shinichiro Watanabe Compositora: Yoko  Kanno|

OBS - Esta análise possui spoilers sobre a série.

Sinopse
Situada no ano 2071, a humanidade se espalhou pelas estrelas graças à invenção da Astral Gate, com essa invenção a maioria do sistema solar foi colonizada em menos de um século. Mas, como no Antigo Oeste americano, a lei e a autoridade não conseguem acompanhar a rápida expansão de fronteiras. O crime é desenfreado, com isso renasce outro aspecto do Velho Oeste: os Cowboys. Vamos acompanhar o gangster reformado Spike Spiegal e o ex-policial Jet Black, ambos cowboys que tentam ganhar a vida neste futuro incerto. Em seu navio, o Bebop, eles cruzam o sistema solar lutando contra o crime, fugindo de seus passados e tentando encontrar uma refeição decente.

O anime faz parte da nossa lista de reviews da tag N.A.N.I. - Notáveis Animes na Indústria, contemplando as séries que foram importantes por várias questões.

Análise
É sempre valido uma contextualização histórica, posto que a arte não existe no vácuo, a critica deve englobar tais aspectos. Cowboy Bebop é uma série de anime para TV altamente popular dirigido por Shinichiro Watanabe, escrito por Keiko Nobumoto e produzido pela Sunrise, lançado em 1998. Fazendo parte do grande "trio" com Trigun e Berserk (excluindo o controverso Evangelion). Bebop é uma das primeiras séries que teve uma grande base de fãs no Ocidente na década de 90, sem ser um Battle Shounen como DBZ ou um Mahou Shoujo como Sailor Moon. E com o passar do tempo a série conseguiu manter-se mais forte. A obra tende a cair nos favoritos das pessoas de ambos os observadores, tanto pelos fãs de anime quanto pela crítica

Entretanto, recentemente a obra tem perdido muita força, sendo taxada como superestimada, com somente uma ost de boa qualidade e uma boa animação. Boa parte desta mudança de opinião, no meu ponto de vista, se deve a questão da "evolução" dos animes, que modificaram a visão do publico - deixando claro que não estou designando isso como algo ruim. O próprio Miyazaki já comentou sobre este fenômeno - que atualmente os animes não são feitos por pessoas para otakus, e sim de otakus para otakus. Sobre as criticas a Bebop: Acho que algumas dessas declarações têm pelo menos um grão de verdade nelas, mas são pequenas críticas que nunca realmente tocam no enorme poder que tem em ambos os temas principais do anime - exploração e seu uso engenhoso de uma narrativa episódica, sem tirar qualquer qualidade, mas sim esculpindo em pedra.   

Mesmo que muitas pessoas não estejam cavando corretamente cada obra do trio acima mencionado por razões totalmente legítimas, é quase impossível tirar o aspecto mais importante em cada uma delas, e que conseguiram um sucesso muito maior com uma audiência mais madura do que qualquer anime popular atual. Bem, estou prestes a mostrar-lhe a minha opinião sobre as qualidades desta série, enquanto tento fazer de forma a tocar as linhas de seu Jazz.
Sendo listado como uma das obras mais influentes no Ocidente até hoje, a configuração de Bebop tem potencial tanto para exceder as expectativas das pessoas como para decepcioná-las, principalmente quando se procura a coisa errada, ou seja, o anime sendo intitulado como uma opera espacial em um sentido clássico, inevitavelmente insinua a algo como o incrível Legend of the Galactic Heroes (Soneca já fez uma review, confira). À medida que a série prolonga, é mais uma mistura de múltiplos gêneros, o que evidentemente pode ter uma sensação bastante diversa para pessoas que esperavam um LoGH. 

A melhor forma de definir Cowboy Bebop seria um slice of life com episódios escuros, que estão sendo misturados com histórias episódicas claramente experimentais. Ao declarar este fato, é ainda mais notável que a série seja capaz de desencadear esses tipos de mudanças de tom com tanta facilidade e fluência, enquanto ainda fornece algo de valor para cada episódio individual - tal valor pode ser tanto na história do episodio, como na visão de determinado personagem ou até na direção extremamente criativa, um desafio que a maioria dos anime não só tem problemas para começar, mas nem se aproximam da qualidade. 

A falta de uma história progressiva em Bebop é claramente a justificada pela utilização do estilo episódico, implementando um fator altamente interessante para seus personagens entre muitos outros aspectos magistralmente executados, que serão abordados um pouco mais a frente nesta análise. 

Enquanto a série oferece uma espécie de argumento principal coerente (o passado do Spike), que obtém sua primeira grande revelação no episódio 5, a maioria dos outros episódios tendem a entrar em duas categorias: Ou como uma exploração e continuação de temas já introduzidos como é o caso do episodio 8, ou como um episódio refrescante de coração leve, e que presta uma "homenagem" como é o caso do episodio 22 "Cowboy Funk"

Embora o valor temático de cada história individual possa variar para cada espectador, esses episódios têm a capacidade de efetivamente bater forte no telespectador mais atento e se acumular em conflitos já introduzidos, tornando questionável se esses episódios realmente deveriam ser chamados de "histórias paralelas", uma vez que a sua coerência é absolutamente igualável à principal. São contos que não estão diretamente ligadas a historia que é tida como principal, mas no fim esses contos a completam de forma a serem totalmente essenciais. Claro que isso se deve a narrativa episódica, ao meu ver, executada com  muita competência.
A tripulação da Bebop visita diferentes planetas, se envolvem em diferentes batalhas, conhecem pessoas novas de diferentes crenças, e com isso conseguem homenagear tantos títulos diferentes da cultura pop ocidental que chega a ser loucura. Começando com os mais óbvios, como o estilo de luta incrivelmente similar do Spike para com o Bruce Lee, que se sente quase como um "fluxo de água". O episódio Le Fou teve como inspiração a icônica HQ de Alan Moore, V de Vingança. Temos também a referências a Blade Runner - episódio 7 tem um personagem chamado Decker. A obra é repleta de referência, honestamente não quero listar mais deles, pois as homenagens são tidas como um dos maiores pontos fortes da obra, enquanto na realidade é só o menor. 

Provavelmente a segunda coisa mais importante, ou até mesmo o aspecto mais importante do porquê Bebop se qualifica para todos os elogios que ele recebe, é o tratamento para com seu elenco, sendo de um extremo cuidado e competência. Combinado este tratamento com a engenhosa narrativa audiovisual da obra temos a identidade de Cowboy Bebop. Como assim? Se você romper a ideia geral por trás de quase todos os episódios - que não relacionados com a história principal - você tem uma fórmula de episódios bem interessantes: 1-A equipe da Bebop visualiza uma grande recompensa. 2-Eles fazem um plano sobre como conquistar a recompensa viva. 3-Algo da errado, e seu alvo é morto ou escapa. 

Mas claro que isso é uma premissa, e premissas nunca são relevantes no final. Além de ser uma versão fortemente diluída de como a narrativa episódica realmente funciona, e que é comumente usada como crítica ao anime, é bastante comum ouvir: "As histórias individuais são muito repetitivas". Pode ser um motivo legítimo para não curtir a obra, porém não funcionará bem como crítica em si, já que a simplicidade dos referidos episódios serviu como a configuração certa para se mergulhar no comportamento dos personagens, que está conectado profundamente na indiscutível temática principal de Bebop: todos os personagens da equipe sofrem com a incapacidade de avançar em seu próprio futuro, já que eles são atormentados pelo seu passado trazendo-os para baixo. 

Isso se torna mais claro quanto mais a série progride. Os personagens primeiro atuam como "intrusos apáticos" e de repente  eles são confrontados com histórias e emoções de pessoas estranhas, mas ao longo do episódio o elenco principal vêem esses estranhos como projeções de seus próprios problemas e acontecimentos do passado, finalmente fazendo eles sentirem empatia e agirem "fora do personagem". Dicas claras para isso estão espalhadas por toda a série, acontecendo muito em momentos que a equipe da Bebop deixa a raiva escapar. Por exemplo quando o Jet foi indulgente com Spike logo após sua grande disputa contra o Vicious, e em seguida nem mesmo trazendo a recompensa mesmo quando eles precisavam desesperadamente daquele dinheiro (episódio 5). Jet é um personagem que está sempre em busca do dinheiro, mas no momento que ele vê em Spike um pouco do seu passado ele automaticamente "sai desse personagem" ganancioso - e isso tudo é feito sem qualquer linha de dialogo, e é ai que está a execução competente  da obra.
Além disso, examinar e colocar personagens singulares em destaque é uma tarefa muito interessante nesta série, especialmente quando se fala da tripulação da Bebop. Ao começar com o protagonista, Spike Spiegel, já nos deparamos com uma verdadeira jóia para analisar, provavelmente até ultrapassando os demais incríveis membros da tripulação. Spike é um ex-membro do "Red Dragon Crime Syndicate" e agora um caçador de recompensas independente. Uma disputa dentro do sindicato, envolvendo um único triângulo  - o conflito entre Spike, Julia e Vicious - o principal antagonista - levou a confrontos violentos dentro do Syndicate, envolvendo principalmente Spike, Vicious e seus adeptos. Spike faz uma tentativa - em última instância, fútil - de fingir sua própria morte, Julia consegue fugir e Vicious permanece dentro do sindicato em uma posição de aspiração. 

O conflito central da obra de Spike é exemplar para os conflitos muito semelhantes de seus camaradas: a incapacidade de avançar ou mudar sua percepção da sua própria vida, pelo motivo de ser atado aos eventos cruciais de seu passado, tentando esquecer ou começando a negar esse fato.  

Provavelmente o passado mais trágico do grupo é o de Spike, passado esse que tem a mais alta e cruel habilidade de voltar para ele, quando o personagem finalmente conseguiu avançar é quando ele é atingindo pelo seu golpe fatal. Viciosamente sendo roubado de seu ente querido (Julia), a única luz em seu passado era um caixão pregado para que ele não consiga retornar mais a vida. O que faz ele se questionar a todo momento se está de fato vivo. 

Os corvos, são o símbolo de Vicious e símbolos para todas as dificuldades que o Spike passou no passado e ainda se apega a resolver, é interessante observar como os corvos são vistos várias vezes antes do Spike se envolver em batalhas contra o Vicious (cenário da igreja do episódio 5), ou um corvo é mostrado acordando Spike de seus sonhos depois que ele foi baleado, posteriormente revelado ser um tranquilizante 

Além disso, o anime não revela o passado do protagonista de imediato, recebemos durante o caminho pequenos pedaços da históriapedaços que recebemos do modo como ele está falando com os outros sobre seu passado, insinuando claramente os acontecimentos no sindicato ("Eu fui morto uma vez  ... por uma mulher" ), ou suas ações no fim inúteis para resistir a ser arrastado para a estagnação de sua história de fundo ("Parece que estou assistindo um sonho ruim da qual nunca vou acordar").
Jet Black, a aparentemente bastante reservada "cabeça" da tripulação. Ele também é explorada de forma bastante fantástica, principalmente se pensar sobre o pouco tempo de tela que seus conflitos tiveram em contraste com do Spike e da Faye. Jet é um ex-membro do ISSP (Inter Solar System Police), posicionado em Ganymede (uma lua de Júpiter). Ele se juntou a Bebop depois que deixou o ISSP devido a um incidente, que envolveu ele perdendo um braço e substituído por um mecânico. 

Jet atua como uma antítese adequada para Spike se comparado friamente o passado dos dois. Mas eles não só diferem realmente em sua história de fundo e viajam para o Bebop, eles também diferem muito em personalidade. Jet ainda manteve sua capacidade de cuidar de outros que não estavam envolvidos no seu passado (amigos, familiares...), como por exemplo Spike. Jet tem um cuidado reservado para seus companheiros de tripulação, porém ele mostra mais isso através de suas ações do que através de suas palavras. Embora ele com frequência avise a tripulação de não tomar qualquer ação imprudente, ele geralmente logo depois volta a uma fachada apática. 

Essa atitude geralmente se dissolve com o personagem fazendo um gesto de favor, tipo ao final de um episódio. A interação entre Spike e Jet no final do anime é um dos exemplos mais notáveis ​​de "boas obras não precisam falar claramente" - quando se fala sobre a atmosfera criada pelos audiovisuais (cinemas, séries, desenhos...), aquela cena é uma aula sobre como transmitir emoções através apenas de um diálogo simples com analogias, e complementado pela extravagante direção atmosférica, tanto artística quanto sonora. A música e a fotografia nesse momento ganham voz como nunca antes na obra, de certa forma tendo sua própria narrativa.  
Episódio 25 – The Real Folk Blues Parte 1
Muitas pessoas parecem preferir o estilo de vida da Faye sobre os outros membros da Bebop, e acho justo. Embora não sendo o meu membro favorito, já que acho o Spike ainda mais atraente em seu estilo e crises. Faye é a unica do elenco que passa pelo clássico desenvolvimento narrativo, fazendo isso durante sua conquista para recuperar suas memórias perdidas. Não acho ruim esse desenvolvimento clássico, em vista de já termos outros três membros com incríveis desenvolvimentos pouco convencionais.

Ao longo da série, aprendemos, que as lembranças da Faye foram completamente apagadas devido ao sono criogênico de 54 anos de duração que ela passou. Este tratamento criogênico foi realizado, a fim de salvar sua vida, esperando que a tecnologia médica fosse avançada o suficiente para tratar suas lesões fatais, o que teria causado a sua morte na época. Isso funciona como uma configuração muito interessante para ver o desenvolvimento real da Faye causado pela recuperação em pedaços de suas memórias, em contraste com o desenvolvimento de Spike e Jet, basicamente antes dela entrar no enredo da nave Bebop. 

Além disso, a busca de um lugar onde ela realmente pertence revela-se realmente difícil, já que seus parentes não são vistos em nenhum lugar e seu antigo planeta, a Terra, agora é inabitável devido à devastação de numerosos ataques de meteoros enquanto ela ainda estava dormindo. O anime consegue explorar o conflito central da personagem de forma esplendida, criando dois momentos difíceis (o final do episódio 24 com uma emocionante despedida de um membro) e ainda um clímax tremendamente emocional, que se envolve e entrelaça profundamente com o conflito de Spike nos episódios finais. 

No fim, o conflito da personagem é simples, porém isso também mostra mais uma vez que a simplicidade no conflito básico de uma obra pode muito bem levar a uma exploração temática soberbamente conectada (quando a personagem não deixa o protagonista ir embora); no caso de Cowboy Bebop é de uma maneira muito sútil, mas discernível. Eu aprecio muito a tentativa de Watanabe de não tentar parecer incrivelmente inteligente ou complexo em nenhum momento do seu tempo de execução, já que isso acabaria com boa parte da qualidade de Bebop, que se configurou através justamente de seu estilo elegante na superfície mas ao mesmo tempo que é sutil na profundidade temática das historias de fundo dos personagens. Sendo assim, se o diretor tentasse deixar a obra parecendo inteligente, muito provavelmente teríamos uma rachadura na beleza do anime, que consiste na sua sutileza. 
Há um argumento que escuto bastante sobre a personagem Ed, de que ela não é um personagem tão importante, por causa de sua falta de profundidade em relação ao resto do elenco, e isso é inteiramente verdadeiro quando só falamos dela como personagem e não sobre como sua eventual despedida do grupo influenciou, pessoalmente, tanto Spike quanto Jet. Além de tal cena ter sua própria mensagem (e mais uma vez dizendo sem de fato dizer) - como a vida e as pessoas se esvaecem e simplesmente vão embora em algum momento, cedo ou tarde. 

Embora eu possa definitivamente concordar com sua deficiência como uma personagem singular em comparação com os demais, simplesmente não consigo concordar com a crítica de que há uma falta de química da personagem para com o resto do elenco, uma vez que a intenção da obra é justamente fazer com que a relação de Spike e Faye com cada membro da tripulação seja tão frígida quanto impossível, pois eles estão presos em suas vidas passadas sendo assim não são capazes de se entregarem a novas e estreitas relações - e esse é basicamente o "tema protagonista" de Bebop

Indo agora para uma parte merecidamente elogiada de Cowboy bebop, que é a sua trilha sonora: Bebop não usa a sua ost apenas estilisticamente ou "apenas" para proporcionar atmosfera, como praticamente todos os outros meios audiovisuais fazem. Não, Cowboy Bebop incorpora a música diretamente em sua narrativa, deixando as faixas para contar uma história, deixando a música para transmitir uma mensagem.

A banda 'The Seatbelts' criou uma quantidade total de 6h de trilhas sonoras incrivelmente diversificadas e magníficas, tanto para se harmonizar com os visuais quanto para com vários conflitos diferentes da histórias individuais, criando o humor certo para os momentos certos, como por exemplo melancolia ("Adieu" tocando no final do episódio 8), inquietude (introdução do 'pierrot le fou' no episódio 20) ou momentos leves/descontraídos (a equipe descansando no navio depois de um trabalho feito e etc.) A ost não só tem um orçamento forte e músicos talentosos para criar uma grande diversidade de faixas em termos de sensações e tonalidades, como também tem uma identidade distinta não sendo apenas uma unica trilha que vai se reciclando ao decorrer da obra. 
Bebop conseguiu manter sua identidade distintiva, mantendo um foco proeminente no Jazz. Conhecidos por seu enorme talento para cobrir muitos gêneros diferentes, Yoko e sua equipe foram definitivamente a melhor escolha, especialmente para um anime que depende do uso efetivo de sua OST, exigindo trilhas singulares que correspondem muito solidamente durante as cenas de ação. Incorporando uma trilha sonora de forma eficaz em uma narrativa, seja com letras ou fundindo-se com os visuais para usar efetivamente uma comunicação não verbal para com o telespectador é uma tarefa bem difícil, que apenas alguns animes no meio tentaram ativamente, sendo uma raridade encontrar uma série que efetivamente executou isso de forma eficiente. 
Junto com os personagens, a trilha sonora definitivamente é o meu aspecto favorito sobre Cowboy Bebop, porque ele sabe puxar efetivamente o gatilho em momentos-chaves, usando durante os conflitos de personagens, criando uma base sólida em torno desses momentos. Os melhores momentos da obra é quando ela junta a trilha com os personagens. A série compreende as pessoas muito bem, conseguindo assim interceptar tanta atenção aos detalhes nos gestos e posturas e imitar para mostrar a condição de um personagem, e isso junto a ost fica magnifico. O momento mais notável ​​que eu lembro seria a cena da igreja tão famosa no episódio 5, quando Spike enfrenta o fantasma de seu passado, Vicious, pela primeira vez ao longo da história. A música tocada quando Spike se aproxima de seu futuro campo de batalha consegue ambos se estabelecerem no tom certo através de instrumentais e consegue contar uma história por conta própria, profundamente relacionada com o tema principal de estar preso no passado, já que é especificado na própria letra. Para aumentar ainda mais o ponto de quão bom os audiovisuais atuam juntos neste episódio sozinho, a sequência de queda de Spike, onde percebemos que pedaços do episódio 1 anunciaram os acontecimentos em torno dessa amarga disputa entre Vicious e Spike e da disputa sangrenta resultantes da crescente rivalidade no sindicato. 

Ed deixando a equipe do Bebop no episódio 24 também foi um bit melancólico e magistralmente executado, com a tristeza oprimida dos membros da equipe Bebop. Mais uma vez, isso é mais importante transmitido através do gesto e da música sozinho, pois vemos o Spike e o Jet processando superficialmente o choque tão simples quanto comer com força os ovos que Jet queria cozinhar para toda a equipe, já que eles estavam revoltantemente descendo a garganta . Infelizmente não teriam mais a equipe toda para comer aqueles ovos; mais uma cena sem diálogos que é carregada de sentimentos.

Como já mencionei várias vezes, acho o final do anime excelente, no entanto, eu ainda tenho que explicar o meu ponto. Contextualizando o capitulo: O episódio 25 começa com as tentativas de Vicious de derrubar a liderança estabelecida do sindicato, e por isso os anciãos prendem o Vicious, logo para serem mortos de qualquer maneira. Além disso, Spike e Jet são atacados por perseguidores do sindicato, ferindo Jet em uma das pernas. Faye, em sua própria jornada, encontra Julia no caminho, também sendo perseguida pelas tentativas desesperadas do sindicato de amarrar as pontas soltas. Faye consegue escapar com Julia viva, aprendendo que esta Julia é de fato a luz que Spike tanto procura desesperadamente. Faye recebe a missão de dizer para Spike que Julia estará esperando "lá". De volta ao navio, Faye chega em meio a um ataque a nave Bebop, com Spike aparentemente aceitando sua morte, mas quando Spike ouve que Faye achou a Julia e agora lhe entrega uma mensagem distintiva, ele acende seu instinto de sobrevivência novamente.
Como há muitos aspectos a serem focados neste episódio 25, minha preferência vai ser apenas como Spike e  Jet interagem uns com os outros, uma vez que este é provavelmente o fator mais revelador quando se fala sobre as condições emocionais que esses personagens enfrentam. Em primeiro lugar, a lesão grave de Jet e a provável incapacidade de avançar com a nave Bebop através das dificuldades vindouras que já começaram, levantam ainda mais dúvidas na mente de Spike para finalmente se entregar ao seu passado, principalmente implícito através da sua postura e do silêncio geralJet percebeu o estado de espírito do Spike durante toda a jornada, porque normalmente ele é involuntariamente implacável e neste momento esta agindo "fora do personagem" quando seus pedaços de sua história de fundo passam a se mostrar. Jet  e Spike tentam dar uma analogia em que tipo de situação Spike está preso (imagem está acima do episodio 25). 
"Homens só pensam no passado pouco antes da morte, como se eles estivessem procurando freneticamente por provas de que já estiveram vivos."

Enquanto a sua vontade de vida desapareceu tão lentamente, atingindo o máximo quando outro ataque do sindicato é lançado para eles, logo após Faye fazer seu retorno a tripulação. No entanto, Faye menciona Julia mais uma vez, falando para Spike que ela estaria esperando ele, isso dá mais uma vez a Spike a força para retornar a sua velha atitude de ir com tudo. O último empurrão que o Spike precisava para recuperar o seu regresso foi Jet, encorajando-o ainda mais quando viu a centelha da vida voltando para Spike com a única menção de sua amada ("Vá pegar o que perdeu"), enquanto isso Vicious consegue assumir o controle do sindicato por meio de um duplo golpe, configurando o palco perfeitamente para um dos mais memoráveis ​​finais da história dos animes. 

Juntamente com a morte de Julia no episódio 26 e o ​​confronto de Spike e Faye logo antes o confronto final, acrescentando seus progressos individuais, mas conclusões muito diferentes. Ambos os personagens fizeram tudo por si mesmos, e com isso o episódio final oferece uma conclusão que não decepciona de nenhuma maneira e atinge uma catarse que se sente tanto pessoal quanto incrivelmente edificante, considerando os eventos que levaram a isso.

Conclusão
Cowboy Bebop é uma peça de arte em movimento, influenciando e sendo influenciada por culturas em partes e períodos de tempo muito diferentes do mundo. Bebop é um filme noir, estilo Chinatown com Clint Eastwood, mas também é Star Wars. Bebop é um ponto culminante das influências culturais mais espinhosas do Extremo Oriente às margens do oeste, e é honestamente uma experiência em anime extremamente rica, dês de sua trilha até seu roteiro com personagens deliberado complexos que nunca dizem o que pensam. Profundamente e deliberadamente trágico do começo ao fim, sendo fiel as raízes do cinema noir: um gênero dominado pelo pessimismo e circunstâncias cruéis. Algumas pessoas têm duvidas em assistir ou gostar da obra por conta da natureza episódica da trama, mas não se importem com ela. Cada novo episódio é como uma ardósia em branco, desenvolvido individualmente e moldado em uma peça única; uma história em miniatura que exige um novo conjunto de inspirações para dar-lhe um sabor único. Os episódios podem ser diferentes, mas cada um tem sua mensagem ou discussão; que são únicas, e acima de tudo são humanas. Isso não quer dizer que todos os episódios são perfeitos, há alguns episódios que são sim mais fracos, mas nenhum é necessariamente ruim. Intrigante que cada fã parece ter um "Bebop diferente", e uma ideia diferente do que torna o anime excepcional. Por minha parte, a grandeza de Bebop reside na sua principal história conjuntiva: uma narrativa profundamente escura com um grande sorriso pateta no rosto. 

O enredo geral da obra é sutil mas existente; Ele se baseia em todos os tipos de temas e motivos como amor e a vingança, que é tecido discretamente ao longo da série até que ela finalmente tenha precedência no final. Apesar disso, a transição de episódios independentes para a história geral é muito natural. Ao olhar para o pacote completo de Cowboy Bebop, Watanabe deve ser considerado o maior responsável, conseguindo fazer uso efetivo do subtexto em diálogos, incluindo a OST em sua narrativa que com sua letra sempre diz muito. Portanto, encontrando o equilíbrio perfeito entre estilo e substância, Watanabe conseguiu encaixar de tudo. 

A ambientação do anime é simplesmente brilhante. O navio da tripulação é confortável, encantador e profundamente vivido, geralmente aceso pelo brilho de uma TV holográfica que precisa levar alguns socos para manter o sinal. Ao mesmo tempo, a Bebop está morrendo silenciosamente da negligência de seus tripulantes. A obra está cheia de espaços quentes e espancados na imensidão fria do espaço, expondo a fuga temporária da tripulação de muitos destinos cruéis e pacientes que se aproximam deles. As idéias visuais, auditivas e narrativas no anime são incontáveis, mas seu núcleo temático é inabalável em sua coesão.

Esse anime é uma das melhores experiências emocionais e com o final catártico mais excitante em um anime que já vi até o momento. Um jazz cinematográfico com histórias profundamente adultas e trágicas, que mostram que não importa quanto tempo passe e a tecnologia mude, o ser humano permanece o mesmo e com os mesmo dilemas, procurando sempre um lugar a onde pertencer. Perfeitamente elaborado e significativo no que se propôs a fazer e alcançar, Bebop certamente nunca morrerá como um dos maiores clássico de todos os tempos. Uma história de personagem pungente que quando dissecado torna-se uma mina de ouro.
See You Space Cowboy.

Direção: 10 (Perfeito)
Roteiro: 9 (Excelente)
Produção visual: 10 (Perfeito)
Trilha Sonora: 10 (Perfeito)
Entretenimento: 9 (Excelente)

Nota Final: 10 (Obra-prima)
(Para entender nosso sistema de notas clique aqui)

Extra: Deixando bem claro, que esta é apenas a minha análise, e absolutamente ninguém é obrigado a gostar de nada. Estamos lidando com arte, e é sempre interessante discutir sobre. A beleza da arte está em não ser unidimensional, indo de encontro com a ideia de que algo cult ou importante historicamente é intocável - acho tal ideia de obras Santas tola!  Além disso deixem nos comentários obras importantes da industria que merecem análises. 
***

Bottom Ad [Post Page]