Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]


 |Episódios: 12 | Estúdio: Wit Studio Fonte: Manga Diretor: Ayumu Watanabe Compositora: Ryo Yoshimata Character Design: Yuka Shibat

Sinopse
A história acompanha Akira Tachibana, que costumava ser membro do clube de atletismo, mas devido a uma contusão não foi mais capaz de correr tão rápido quanto conseguia no passado. Ela começa então a trabalhar em um restaurante durante a tarde, e acaba se apaixonando pelo dono, um homem divorciado de 45 anos com um filho.  Com o tempo os dois vão se acostumando com as estranhas manias um do outro, e começam a se entender.

Análise
Houve um bom número de dramas de personagens melancólicos na temporada de Janeiro de 2018, mas para min Koi wa Ameagari foi o vencedor no fim. Passei toda essa temporada me preocupando com esse anime. Sua premissa era claramente um campo minado temático, e apenas um passo na direção errada poderia ter descarrilado completamente o espetáculo. Mas, no fim, fui surpreendido com a honestidade e sensibilidade do show, que se provou genuinamente impressionante. 

Desde o início, a interpretação da série sobre o mal estar adolescente de Akira e da meia idade do Kondo foi incisiva, simpática e profundamente relacionável, e o show só ficou mais emocionalmente rico à medida que foi além da paixão de Akira para explorar as raízes de cada infelicidade. Os truques visuais que o Studio Wit aperfeiçoou se sentiram em casa no contexto das intensas fantasias de Akira, e embora o caráter sutil e os lindos planos de fundo do show tenham desaparecido um pouco ao longo da temporada, ainda era muito inteligente mesmo no final. 

Koi wa Ameagari não foi o primeiro show a adicionar floreios de cores e efeitos em cenas comuns, mas foi um dos poucos casos em que esse estilo visual não parecia um truque. Havia um senso de arte deliberado na forma como esses efeitos eram usados ​​e quase sempre ajudavam a chamar a atenção para o núcleo emocional ou temático de uma cena. A direção é a parte mais dessoante de todo o show, com uma arte que faz um trabalho fenomenal em integrar o espectador no tom de sua protagonista, além de ter uma abordagem pensativa e melancólica para ilustrar os sentimentos da Tachibana e do Kondou. 

A escrita foi inteligente e sutil, e foi necessária uma abordagem lenta, mas eficaz, para explorar os dilemas pessoais enfrentados pelos personagens. 
Esse anime foi a melhor versão de si mesmo que poderia ter sido. Abordou seu assunto controverso com honestidade e responsabilidade, calculando a média dessas duas qualidades para a situação do melhor dos dois mundos, onde a paixão de Akira não foi descartada com muita facilidade ou retratada com permissividade exploradora. Tematicamente, a coisa toda funciona em vários níveis interconectados. Primeiro, é uma história sobre a cura e os processos pelos quais as pessoas se recuperam de grandes quedas em suas vidas. Em segundo lugar, é sobre como pessoas diferentes moldam suas vidas em torno de paixões específicas, e os prazeres e fardos que vêm com se dedicar a uma atividade específica. 

Finalmente, é uma representação relacionável de um tipo de relacionamento que eu não tinha visto (pelo menos eu) na ficção até então - como em uma orientação quase-romântica entre uma jovem e um homem mais velho que não é explorando um "material de fetiche". 

A única falha significativa que se destacaria neste show (fora o ruir inventivo do visual)  é a importância que é levantada ao personagem Kase, que no fim não foi de fato usado, embora também seja muito fácil esquecer essa parte da história sem perder nada. (Ouvi dizer que ele tem mais presença no mangá, ao lado de outros personagens secundários. Minha impressão é que eles simplificaram essa história para à adaptação, então confira o mangá se você está curioso sobre essas pontas soltas).
Certamente os visuais luxuosos adicionam muito a esta história, especialmente quando se trata da caracterização da Akira, que é amplamente transmitida através dos detalhes de seu ambiente circundante. O contraste entre o modo como Akira e Kondo experimentam o mundo (Akira analisa suas experiências de uma forma imediata e avassaladora, reflexiva de ser uma adolescente, enquanto Kondo filtra sua auto-reflexão literária informada por suas décadas de experiência) acrescentou alguma ressonância extra ao mundo, e história. O último episódio também pareceu particularmente impressionante, com algumas das animações de personagens se aproximando da qualidade teatral.

A incrível sutileza e delicadeza com que o show apresenta emoções difíceis de se sentir separadas das paixões e sonhos que uma vez o definiram é incrivelmente catártica para qualquer um que tenha passado por uma experiência semelhante - especialmente se, como Akira ou Kondo, você se recuperou dessa perda, ou se agarrou em outras paixões para evitar lidar com a dor. 

A forma como a série ilustra os sentimentos de Akira muito mais de boca fechada através de todas as pequenas mudanças no cenário ao seu redor foi sublime. Significou muito para mim experimentar um anime como este, e espero que esse show fale com outras pessoas que passaram por dificuldades semelhantes e que essas pessoas voltem mais fortes. 
Conclusão
O show se concentra no perigo de perseguir os seus sonhos, e as maneiras como o improvável herói de meia-idade Kondo lida com esses perigos, dando uma perspectiva quase única dentro do anime, um raro e sincero olhar para a decepção adulta que você só ocasionalmente encontra em shows como Shirobako. 

Tudo somado, After the Rain foi facilmente o drama de destaque desta temporada para mim, e pode ser um dos fortes candidatos a brigar pelo melhor do ano. 

Koi wa Ameagari foi lindo, emocionalmente rico e tematicamente comovente. Uma intensa e sutil experiência emocional, After the Rain superou minhas reservas iniciais sobre sua premissa para se tornar um drama comovente que eu possa recomendar a qualquer um. Se você foi inicialmente afastado do show por sua premissa ostensiva, eu recomendo que você dê uma segunda chance à ele. 

Eu frequentemente descobri que não queria assistir a mais nada depois de terminar um episódio de Koi wa, pois havia algo especial sobre a sensação vaga de melancolia que persistia após os créditos finais. Esse é um efeito impressionante para uma série, especialmente uma que poderia ter sido facilmente o maior desastre da temporada.
Direção: 9 (Excelente)
Roteiro: 8.5 (Ótimo)
Produção visual: 9 (Excelente)
Trilha Sonora: 8 (Bom)
Entretenimento: 8.5 (/Ótimo)


***


Bottom Ad [Post Page]