Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]


 |Episódios: 12 | Estúdio: C-Station Fonte: Manga Diretor: Yoshiaki Kyougoku Compositora: Takeshi Takadera Diretor de Arte: Yoshimi Umino
Sinopse
Rin gosta de ir acampar sozinha pelos lagos que proporcionam uma vista panorâmica do Monte Fuji. Nadeshiko adora fazer passeios de bicicleta sozinha para lugares onde ela pode ver o Monte Fuji. Depois de se encontrarem, Rin e Nadeshiko fazem viagens de acampamento, comem cup noodles juntas e aproveitam a paisagem.

Análise
“Confortável” parece ser o titulo mais propício  para esta temporada - uma temporada cheia de quentes cenas confortáveis ​​e discretas. Mas uma obra em particular encontrou conforto em um lugar que eu nunca esperei - o frio e aberto inverno ao ar livre. Então, hoje vamos explorar Yuru Camp, uma obra que encontra aconchego e beleza no acampamento

Yuru Camp silenciosamente se tornou um dos meus animes preferidos da temporada. Embora eu me considerasse um fã de slice of life, muitos dos espetáculos do gênero não me atraem - um resultado natural uma vez que slice of life é na verdade um mega-gênero que engloba vários gêneros; desde comédias escrachadas até o apelo mais tonal de um trabalho dedicado a iyashikei (obras de conteúdo simples e tranquilo. Onde o foco é mais em criar um forte senso de atmosfera pacífica e inquietante). Eu aprecio não apenas o material de iyashikei da personagem Rin, como também o modo como Yuru Camp trata esse material.

O objetivo final de muitas séries de slice of life é a integração completa de um personagem em um novo grupo social. Esse "objetivo" geralmente não é enquadrado como uma luta difícil com a qual eles lidam ao longo de uma temporada inteira. Normalmente, é apenas uma ansiedade inicial que desaparece quando eles encontram amigos durante os primeiros vinte minutos de um programa. Animes slice of life de “fofas atividades de clube” naturalmente valorizam essa ideia de que passar todo o tempo com amigos íntimos é a maneira mais gratificante de apreciar a sua juventude, o que faz sentido - se tornando um impulso natural do gênero.
Mas contrabalançar esse impulso natural do gênero é o material igualmente natural da Rin, e eu sinto que o respeito que Yuru Camp tem com os sentimentos e desejos dessa personagem é uma das melhores qualidades do show. Em vez de ser apresentada como uma garota solitária que simplesmente não consegue encontrar amigos íntimos, Rin é uma garota solitária e feliz, uma pessoa que gosta de fazer viagens de acampamento sozinha. Esse aspecto de seu personagem, sua disposição de curtir o tempo sozinha, é na verdade a qualidade que estimula seu encontro inicial com a Nadeshiko em primeira instância, e que guia boa parte do drama do seriado mesmo depois do elenco completo já ter sido apresentado. A validade da preferência da Rin pela solidão é, portanto, clara desde o início, e Yuru Camp trabalha duro para tornar a experiência das jornadas da Rin igualmente claras. 

Personagens isolados em shows de slice são frequentemente enquadrados como extrovertidos temporariamente empobrecidos - sozinhos agora, mas desesperados por companheirismo, e evoluindo imediatamente para borboletas sociais no momento em que seu ambiente muda. E aí que a obra mostra todo seu brilho. Yuru Camp não faz nada disso. Não apenas encontrar novos amigos não faz nada para mudar a personalidade fundamental da Rin ou o seu desejo por espaço, mas suas viagens individuais demonstram enfaticamente a alegria de passar o tempo sozinha. A paz da solidão, a satisfação de tomar decisões e resolver problemas através dos seus próprios meios, os pequenos relacionamentos que você desenvolve com objetos em seu ambiente, as conversas que você acaba tendo consigo mesmo - todos esses pequenos detalhes trazem a alegria do tempo sozinho vividamente a vida. 

Além de articular com clareza os prazeres do tempo gasto sozinho, Yuru Camp também cuida para nunca enquadrar a personalidade ou os sentimentos da Rin como algo a ser “consertado”, ou uma falha da qual ela deveria ser ativamente orientada. Os novos amigos da Rin querem passar algum tempo com ela, mas também respeitam sua necessidade de espaço. O curso da narrativa de Yuru Camp pode parecer tortuoso, dado o divagar da Rin entre suas viagens individuais e em grupo, mas isso é porque não é uma jornada de: "estou acampando sozinha" para "eu encontrei amigos para acampar". Na realidade é: Amigos ou não, Rin ainda planeja desfrutar de suas viagens solo, e seus amigos respeitam esse desejo. Às vezes, ela quer passar um tempo com os amigos e às vezes não, e os dois sentimentos estão perfeitamente bem juntos.
Outra das qualidades mais distintivas que Yuru Camp possui como um slice of life é o seu enquadramento aberto. O aconchego inerentemente associado à slice of lifes tende a florescer em espaços silenciosos e pessoais; mas em Yuru Camp muitas das cenas mais relaxantes ocorrem em vistas esmagadoramente abertas. Esta não é a maneira mais comum como as narrativas usam o espaço; na verdade, geralmente quando você colocar um personagem em um espaço esmagadoramente grande, o objetivo é enfatizar algo como o isolamento do personagem ou a sua falta de direção (um truque que Sora yori mo Tooi Basho usa com grande efeito). Então, como é que Yuru Camp usa seus enormes espaços ao ar livre para um efeito oposto?

Parte disso se resume à relação dos personagens com aquele espaço, com Rin em particular estabelecendo uma relação confortável e consciente com os grandes espaços abertos. Por exemplo, o primeiro episódio da série usa o silêncio e a atividade física metódica da Rin para nos colocar diretamente na posição da personagem, deixando seu próprio conforto no ato externo como nosso guia emocional. As longas sequências dedicadas à criação da Rin certamente não são um desperdício de tempo - elas são fundamentais para o que significa acampar em um sentido emocional, e fazem um ótimo trabalho ao nos fazer sentir em casa neste ambiente. 

O conforto do acampamento é parcialmente encontrado em passar por movimentos mecânicos específicos que você já realizou um milhão de vezes antes, tudo no seu caminho para a criação de uma "pequena casa pessoal" longe de sua casa. Yuru Camp priorizar a configuração da Rin simultaneamente criando uma sensação de calma geral e também enfatizando o próprio conforto da personagem neste ambiente, permitindo-nos sentir mais em casa ao lado dela.
Também ajuda o retrato da exposição ao ar livre, e em particular o seu trabalho de cor, seja tão consistentemente convidativo. Yuru Camp faz uma mistura de céus azuis brilhantes e de florestas outonais quentes que transmitem uma sensação de ambiente agradável; é claro que está frio, mas podemos dizer que o ar está refrescando, as florestas ao redor da Rin parecem muito mais amigáveis ​​do que imponentes. Florestas não são apresentadas como cheias de segredos, elas são transparentes e aconchegantes, alternadamente retratados como uma massa de cores suaves ou um quintal perfeitamente percorrido. “O ar livre é apenas um grande quintal amigável” é um efeito que Yuru Camp está sempre trabalhando para reforçar de várias maneiras.

Finalmente, um dos mais inteligentes truques de Yuru Camp é a escolha de tornar seus espaços internos menos aconchegantes. Shows de slice of life tendem a enquadrar as salas do clube da escola de seus protagonistas como lugares incrivelmente acolhedores e convidativos, o que faz sentido -  afinal de contas, esse é o local onde os personagens se sentem mais a vontade. Em contraste, Yuru Camp torna a sua sala do clube esmagadoramente pequena, usando sua geografia escolar para empurrar fisicamente as suas personagens para fora. Cenas que acontecem na sala do clube parecem tão apertadas que quando as personagens retornam ao ar livre parece um alívio imediato, enfatizando ainda mais a sensação de que mesmo esses espaços enormes podem ser um lar confortável. 

Yuru Camp usa de muitas outros artifícios para tornar o campismo acolhedor,  desde a sua trilha sonora diversificada e bem escolhida até sua comédia bem agitada. Tudo somado, o show faz um trabalho maravilhoso em fazer com que acampar se sinta charmoso e acessível.

Conclusão
Como provavelmente já ficou claro, eu particularmente adoro Yuru Camp, desde a forma como a série encontra aconchego no frio e aberto inverno, até o foco nos sentimentos da Rin, personagm essa que adorei cada segundo em tela - talvez por me sentir da mesma forma. 

O anime em sua maior parte se divide entre o núcleo da Nadeshiko e a viagem individual meditativa da Rin. Em contraste, as aventuras da Nadeshiko são muito mais próximas do clássico Slice of Life de clubes. As viagens da Nadeshiko são saídas em grupo cheias de risadas e erros, onde o próprio acampamento muitas vezes parece mais uma reflexão tardia entre outras atividades do clube. Há também mais comédia aberta, muitas vezes com muita dor de cabeça e uma mistura confusa de tons por toda parte. A imprecisão calorosa das viagens da Nadeshiko é muito diferente da beleza estimulante da Rin, e o apelo pretendido também é claramente diferente. As aventuras da Nadeshiko oferecem um slice of life mais tradicional: algum tempo passado com amigos encantadores em um ambiente aconchegante, um cochilo do meio-dia iluminado por rostos bobos e risos.

Yuru Camp elimina todos os inconvenientes de acampar, ao mesmo tempo em que capta com cuidado a experiência imediata de montar uma tenda, procurar por lenha, acomodando-se em seu assento e simplesmente apreciando a beleza ao seu redor. É essencialmente como sentar-se no interior, confortavelmente empacotado, enquanto observa uma nevasca revestir o mundo exterior em um branco profundo. 

Fiquei feliz em ver um show sobre a alegria da amizade que também celebra a satisfação do tempo gasto sozinho, e a validade de estabelecer um equilíbrio entre o grupo e o tempo livre solo. Foi um show sublime em tudo que fez.  
Direção: 9 (Excelente)
Roteiro: 8.5 (Bom/Ótimo)
Produção visual: 9 (Excelente)
Trilha Sonora: 9 (Excelente)
Entretenimento: 9 (Excelente)


***


Bottom Ad [Post Page]