Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Análise Semanalanálise semanal Megalo boxMegalo Boxresenharesenha crítica

Megalo Box #12 | Análise Semanal

Megalo Box é muitas coisas - um anime de esportes, uma tragédia, uma homenagem a Ashita no Joe . Mas se fosse uma composição musical, definitivamente seria uma ópera. Não Mozart, necessariamente, mas sim uma ópera moderna - uma história das ruas com um estilo musical que combine. Este é um dos animes mais operísticos que vejo em muito tempo. Mas se você voltar alguns anos (bem, muito poucos), os anime de ópera eram muito mais comuns - e, nesse sentido, Megalo Box é muito mais um retrocesso.

Dada a intensidade com que a luta de Joe vs Burroughs terminou da última vez, eu diria que um período final de calmaria antes da tempestade é exatamente o que esta série precisa para garantir que ela saísse com uma nota alta, onde Joe e Yuri finalmente terão a revanche que o show vem construindo há meses.  Embora "calmo" seja relativo aqui; Joe, Sachio e o recém-cego Nanbu podem estar usando seu tempo para se reagruparem e se recarregarem em preparação para o Campeonato de Megalonia, mas Yuri tem algo muito mais perigoso planejado para si mesmo.
Não querendo me promover a partir desta parte, mas eu tenho dito a algum tempo que Yuri poderia, de fato, decidir remover seu gear para a luta final. Fazia tanto sentido narrativamente que era difícil de ignorar a possibilidade  - e não é como se Joe colocar um gear tivesse o mesmo efeito. Para que Megalo Box concluísse de uma maneira consistente com qualquer um de seus alicerces estruturais - tragédia, ópera, anime esportivo - Joe e Yuri teriam que lutar entre si em termos de nível. Eu não tinha certeza de como isso ia acontecer, mas eu estava bem convencido de que aconteceria.

Eu gosto do jeito que a série passou a fazer isso acontecer - mas eu gostei de praticamente tudo sobre essa semana como um episódio de preparação para o final. O orgulho de Yuri como lutador foi, em última instância, a força motriz - foi mais forte do que sua lealdade (e amor) por Yukiko e pela Shirato. Francamente, Yuri tem sido o substituto da Shirato durante toda a série - e parecia obvio que ele iria querer lutar como e para si mesmo no final. Não tenho dúvidas de que Yuri teria derrotado Joe se ele tivesse lutado com um gear, e ele ainda poderia vencê-lo mesmo sem ele. Mas o que isso teria provado, no final?

Megalo Box tem uma notável economia de caracterização - o show pega cifras virtuais como Aragaki ou Mikio e consegue moldá-las em figuras tridimensionais, no espaço de apenas um episódio ou dois. Mas não só isso, a serie tem uma manipulação magistral de batidas de histórias mais previsíveis. Esta semana é a vez de Yuri, e os resultados são impressionantes. Como os outros lutadores antes dele, Yuri representa o tipo de antagonista que vimos em muitas outras histórias antes, o elitista que lentamente muda de temor por causa da determinação do herói. Megalo Box nunca foi sobre a redefinição de clichês antigos, mas sobre tomar metáforas familiares e refiná-las até que elas se encaixem perfeitamente no projeto da série. 

Nós ainda não sabemos muito sobre Yuri além de suas armadilhas arquetípicas, mas temos tudo o que precisamos dele na cena em que ele se tranca em um quarto para que ele possa suportar a dor da remoção de seu gear sem anestesia. Yuri recebeu um desafio do universo para se livrar de seu equipamento tecnológico e se envolver em um boxe com atletismo puro, mesmo que isso signifique ficar quase insano com a dor. É quase tão melodramático quanto um drama esportivo, mas Megalo Box o usa como um distintivo de honra.
A poesia do momento virtualmente exigia, então, coube a Megalo Box descobrir como remover o gear integrado de Yuri dentro dos limites do realismo na mitologia. Mais uma vez, o show recebe notas altas de mim, porque a seriedade do que ele estava tentando fazer nunca foi descartada ou tomada de ânimo leve. Conseguir que o Mikio ajudasse foi uma reviravolta interessante, mas acho que ele teria tanto conhecimento sobre o processo quanto qualquer outra pessoa. Por que Mikio tinha um quarto de operações em um barraco no meio da floresta? Talvez essa seja uma pergunta que deva ser deixada sem ser feita...

Enquanto isso, Joe continua a treinar, mesmo enquanto a advogada de Yukiko examina a identidade que Sachio deixou para trás na arena. Outro velho amigo entra novamente em cena aqui - Nanbu chamou Aragaki para atuar como um parceiro de sparring para Joe, a fim de evitar que seu lutador se destrua implacavelmente socando o saco. Felizmente, inserido aqui temos um flashback para quando Nanbu encontrou Junk Dog pela primeira vez - certamente um momento fatídico em retrospectiva, além de agridoce para ambos. Ter Aragaki como parte do Time Sem-endereço definitivamente adiciona uma dose extra de pungência a esta sequência - foi uma boa escolha dramática.

As respectivas rotinas de Yuri e Joe oferecem mais oportunidades para os "personagens de canto" da série brilharem. Aragaki e seu treinador começam a atuar como os antigos rivais que retornam para apoiar Joe em sua hora de necessidade. É um jeito doce de trazer Aragaki de volta à história; Se fosse uma série mais longa, eu teria gostado de ver essa amizade crescer e se desenvolver ainda mais. E ao lado de Yuri temos o Mikio.
O palco, então, está literalmente definido.  Muitos elogios para a Yukiko por se sentar com a informação que ela descobriu - seus sonhos se transformaram em areia antes dela, com a escolha de Yuri tornando sua revolução uma causa perdida. Ela poderia e talvez deveria ter evitado a coisa toda, mas ela não evitou - a um risco não desprezível para si mesma e para a empresa, e ela ainda assim decide deixar a luta continuar e até devolve a identidade falsa do Joe. Foi por amor ao Yuri ou por simples integridade ética que ela fez o que fez? No final, suponho que isso não importa, mas reflete bem em seu caminho.  

Enquanto o arco dela, Yukiko, é também bastante previsível, nos dá um momento maravilhoso, onde ela informa a Joe que Yuri removeu seu equipamento para a luta pelo campeonato, fazendo com que Joe explodisse naquele sorriso de cachorro louco que tão perfeitamente comunica o que o que o torna um protagonista tão atraente. Sim, Joe não é o cara mais complexo de  Megalo Box, pensando bem ele funciona muito mais como uma ideia do que como um personagem, mas seria um erro confundir essa falta de complexidade com uma deficiência de personagem. Joe é o que acontece quando você toma a feroz força de vontade que define tantos heróis tradicionais e os destila em sua forma mais pura - o que funciona perfeitamente para essa história. 

Todas as contas serão chamadas na próxima semana, no que deve ser um episódio final emocionante e angustiante. Há um enorme peso de história disposta contra a ideia de um bom final aqui - a tradição de Ashita no Joe , com certeza, mas não apenas a isso.  O episódio dessa semana ainda nos ofereceu no fim outro número musical de rap - musical esse que entrega sua própria análise da série e ainda explica a dinâmica do confronto final. É difícil escrever uma análise sobre um show quando ele mesmo já entregou uma inalcançável. É uma batida esteticamente perfeita em uma série definida por seu compromisso de consumo excessivamente fresco, e neste momento, tenho poucas dúvidas na capacidade do Megalo Box.

Megalo Box nos levou a um caminho fascinante, mas é um caminho que tem sido amplamente previsível - e todo o DNA da série grita para uma conclusão que é agridoce, no melhor dos casos. Vai ser um final difícil de assistir, mas eu ainda quero muito ver isso. Assim como Joe de Ashita no Joe disse: "O homem mais forte do mundo está esperando por mim no ringue e, para isso, eu devo ir."
Avaliação:      
***


Bottom Ad [Post Page]