Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Análise Semanalanálise semanal Revue Starlightresenharesenha críticaShoujo Kageki Revue Starlight

Shoujo☆Kageki Revue Starlight #02 - Paixão e Radiância | Análise Semanal

Revue Starlight efetivamente brilha como a principal estrela da temporada de verão, quando lança as suas pretensões no solo da realidade. O segundo episódio parece ter o objetivo de dar um passo para trás e permitir que os espectadores processem o que está acontecendo, enquanto também oferece uma boa caracterização para Junna. Ao fazê-lo, este episódio até mesmo se parece ainda mais com Utena do que o primeiro. Enquanto no primeiro os elementos surreais foram completamente separados do início normal como uma maneira de surpreendê-lo com eles, já no segundo episódio a estranheza surreal é sentida lentamente penetrando no segmento da vida escolar (ex: o segmento de dança na escola), que é uma coisa extremamente Utena a se fazer.

A segunda metade do episódio, com a luta, destaca ainda mais semelhanças - recebemos a confirmação de que cada Revue será tematizado e com os visuais da arena ficando ainda mais ridículos e surreais para caber esses personagens lutando. E o final realmente me deixa ainda mais intrigado sobre as duas rivais e suas personalidades - essa pequena cena no final certamente pinta suas interações na escola de maneira um pouco diferente.

Uma comum e compreensível impressão inicial com a estréia de Revue Starlight é que é apenas mais um show de ídols. Há um elenco de oito garotas, cada uma com suas próprias peculiaridades de personalidade e penteados. Nossa heroína Karen é valente, com uma forte paixão pelas artes do espetáculo. O anime injeta algum drama quando chega uma misteriosa estudante transferida da Inglaterra, que também é a melhor amiga de infância de Karen. Os tropos continuam nessa tendência porque Revue Starlight ainda é um show de ídols de várias maneiras. É um braço de uma franquia multimídia que inclui música, mangá e musicais ao vivo executadas pelas respectivas atrizes das vozes das garotas. Aplicar a conhecida e comprovada familiaridade de estrutura idol com o conjunto de "reino de teatro" é um conceito interessante para um anime que eu provavelmente estaria interessado. Mas então Karen toma um elevador secreto para o Desconhecido Teatro, onde suas colegas de turma vestem mantos e participam de audições literalmente lutando por suas vidas no palco, tudo pela glória e prestígio de se tornar uma Top Star. Ah, também acha-se uma girafa falante no comando;isso é bizarramente bom.
Os óculos desempenham um grande papel no cenário de Junna. As armadilhas acrobáticas e as grandes estrelas coloridas da primeira fase da audição são substituídas por arcos e colunas dóricas arruinadas. Esses frontões desses "acessórios de cenário" têm dois orifícios redondos lembrando óculos que refratam a luz, distraindo o oponente de duelo de Junna - neste caso, Karen - enquanto Junna atira flechas secretamente.
Há um cabo de guerra bizarro entre essas garotas bonitas, enquanto Karen enlouquece com a conspiração da girafa na fundação da escola, mas dessa vez o episódio se baseia em seguir Junna. Na sequência da sua derrota, temos várias fotos enfatizando seu isolamento e determinação. Ela não se deixa chafurdar em desespero, mas seu complexo de inferioridade está claramente trabalhando enquanto ela ataca seus colegas de classe. Ela não pode se dar ao luxo de apenas assistir do lado de fora; ela não tem o pedigree ou o talento inato para se destacar, então ela não tem nenhum recurso a não ser trabalhar mais do que todo mundo para se destacar. E Karen, sem querer, mas cruelmente, anda por todo o seu sonho vencendo uma batalha pela qual ela nem foi escolhida. Este tema do talento bruto versus trabalho duro não é um tema estranho para shows de ídols ou seus shows de esportes próximos, mas esse conflito ajuda a humanizar tanto Karen quanto Junna antes de se vestirem para uma revanche no Teatro Subterrâneo.

Quando a audição subterrânea começa, o teatro se torna uma projeção surreal do estado psicológico de Junna, cheio de espelhos e manequins que ela usa para confundir Karen. O simbolismo é soletrado para a platéia - Junna não quer se perder na multidão, então ela faz tudo o que pode para se destacar; se esforçando para afirmar sua individualidade como a única integrante da Starlight com óculos. E, no entanto, ela também ataca Karen das sombras, escondida entre os manequins, paradoxalmente utilizando a mesma coisa que a frustra. Junna acredita que essas audições são sua última chance de ser uma estrela, então ela não deixara nada atrapalhá-la. Sua paixão vem em sua canção de duelo, e a direção é afiada e bombástica, explorando o palco inteiro enquanto as flechas chicoteadas a centímetros de Karen. O rosto e o vidro se quebram espetacularmente de cima. A busca incansável de Karen por Junna eventualmente a leva a destruir sua próprio cena, que é a mesma tendência autodestrutiva que a fez se sentir doente no início do episódio. Emoldurada entre o vidro quebrado, sua capa é cortada por Karen e, novamente, ela perde. Desta vez, no entanto, ela aceita a derrota graciosamente.
Para Junna, os manequins além de uma distração também representam como, mesmo com todo o seu esforço e ambição, ela ainda se sente como uma das muitas.
O desejo de Karen de ter todo mundo brilhando coletivamente como astros parece ter se espalhado por Junna, e a determinação de Junna é ao mesmo tempo temperada e renovada. Ela pode subir ao palco quantas vezes precisar. Não há pressa. É uma conclusão compassiva de mais para mim, mas posso perdoar um pouco disso, dada a natureza metafísica desses duelos. Enquanto se permanecer tão emocionantes de assistir, Revue Starlight continuará a me encantar.

Na primeira parte do episodio, Junna se irrita com as outras alunas na aula de dança que estão impressionadas com Maya e Claudine. Junna certamente os admira, e está tomando notas copiosas, mas também se torna inflamada quando a classe também se torna seu palco. Sua bronca de toda a turma também é um lembrete para si mesma, e seu desgosto inicial por Karen entrando na Audição Especial sem saber é compreensível. Todo esse esforço de Karen a derrota em uma estreia em que Karen nem foi escolhida para participar. No entanto, no final, duas luzes brilham sobre Karen e Junna dos frontais dos óculos - é radiante. De transições radicais a pequenos gestos como Junna pontuando suas frases com um gole dramático de uma caixa de suco, quase todas as cenas exalam estilo e confiança, enriquecendo tanto o mundo quanto seus jogadores.Talvez, a minha maior apreensão é que espero que o show não evite de ser mais corajoso, mais confuso e mais estranho, para manter-se palatável e comercializável. Mas claro, eu não quero ver ele transbordando Ikuhara onde não cabe. No fim, onde quer que Revue Starlight eventualmente acabou no primeiro, o segundo episódio, pelo menos, dissipa qualquer receio de que a estréia foi apenas um acaso.
Avaliação:      
***

Bottom Ad [Post Page]