Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Análise Semanalanálise semanal Revue Starlightresenharesenha críticaShoujo Kageki Revue Starlight

Shoujo☆Kageki Revue Starlight #04 | Análise Semanal

Tivemos a primeira pausa a formula Revue Starligh. O episódio 4 não termina com outro duelo metafórico em seu estágio metafísico. Nessa semana, Karen está muito preocupada com o súbito desaparecimento de Hikari para se preocupar com a audição. Ela passa a maior parte do tempo correndo atrás da personagem. Enquanto isso, as colegas de classe de Karen aproveitam a quietude que foi deixado em sua ausência para refletir sobre seus próprios desejos e ambições.

Eu mencionei na semana passada que Karen e Hikari estavam distantes uma da outra, e felizmente a reconciliação é a peça central deste episódio. Antes de chegarmos a esse ponto, no entanto, Karen precisa encontrar Hikari. Ela olha para todos os lados (incluindo os quartos de seus colegas ainda dormindo) até que a sua amiga e amiga do grupo, Banana, gentilmente sugira que ela tente usar o telefone. Acontece que Hikari deixou o campus completamente, e Karen não pensa duas vezes antes de ir atrás dela, o que resulta em um jogo complicado de mensagens por celular. Removidas da pretensão de audições, competições e girafas falantes assustadoras, elas são agora capazes de reavivar lentamente mas seguramente a faísca que as uniu tantos anos atrás.

Eu gosto muito do jeito que essa cena progride. Representar a distância emocional de Hikari com a distância física é uma técnica muito usada, mas é usada de uma maneira bonita neste episódio. A perseguição desesperada de Karen, correndo de aquário para aquário, mas nunca para o aquário certo na hora certa, parece uma metáfora apta para os fracassos de comunicação, apesar das melhores intenções. Mas a determinação de Karen a impede de desistir, tanto por ela quanto por Hikari. Enquanto isso, Hikari está chateada, mas parece gostar de brincar com Karen dessa forma de baixo risco. No início, ela não envia nada além de selfies enigmáticas, que você pode ler como passiva agressiva, paqueradora ou ambos (acho que é totalmente ambos). Eventualmente, ela começa a enviar mensagens de texto para Karen, abordando o elefante/girafa na sala de Karen, que foi recentemente derrota. Esse momento trabalha através de ambos os seus sentimentos conflitantes. Dada a disposição tranquila de Hikari, você seria perdoado por pensar que ela tinha algum tipo de resposta sobre a verdadeira natureza das misteriosas audições. Até mesmo Karen pensou isso. Mas Hikari mal sabe mais do que se trata. Ela é apenas ambiciosa, zangada e preocupada consigo mesma e com sua amiga.
O destaque do episódio é a conversa telefônica de Karen e Hikari. É a primeira vez que vemos as duas conversando casualmente sobre seu tempo juntas, sobre seus gostos e desgostos, sobre o amor que sentem pelo teatro. A cena é editada de tal forma que corta entre diferentes pontos de sua ligação, e não ouvimos histórias completas ou os dois lados de cada conversa. Isso porque esse não é o ponto. Os detalhes da conversa não são para o público, apenas o seu impacto é, e o tom da risada de Karen e a visão do sorriso de Hikari dizem mais do que qualquer outra palavra extra. Somos tratados ao longo do caminho com muitas cenas das ruas movimentadas de Tóquio, com o céu a crescer de ouro à medida que o crepúsculo se aproxima. As duas finalmente se unem - a Torre de Tóquio, iluminada laranja brilhante contra o céu escuro da noite. 

Hikari ficou preso à natureza de soma zero das audições e à ideia de que tudo acabou quando você perde. Karen finalmente entende de onde ela vem, mas ela não pensa tão fatalisticamente. Karen pretende continuar praticando, continuar melhorando e continuar sonhando em compartilhar os holofotes com Hikari. Ela estende a mão e Hikari, que estava empacotada e pronta para a ir embora naquele dia, se junta a Karen em um palco compartilhado apenas pelas duas. Este não é o mundo surreal ditado pelas regras do teatro; este é o mundo delas, mostrado em silhueta contra o brilho da verdadeira Torre de Tóquio. 

Apesar de Karen e Hikari serem o foco deste episódio, as outras garotas ainda precisam passar por sua rotina diária na academia. Este é um material mais leve, mas ainda assim é divertido de assistir e nos dá mais contexto sobre seus próprios relacionamentos. Mahiru quase rouba o show com sua defesa dramática contra as intenções levemente nefastas de Kaoruko, e eu acho que é seguro assumir que ela é quem fez as outras garotas criarem um álibi para Karen e Hikari. 
Elas agora estão juntas na frente da torre dentro da posição zero, semelhante à torre que brilha com a coroa no final do episodio 1 - onde Karen venceu. Mas, dessa vez elas estão juntas; simbolizando a determinação de ambas em estarem nos mesmo palco.
Na vitoria de Karen.
“Starlight. Essa é a história das deusas atraídas pelo brilho dos céus. Elas podem brigar, discutir e discordar, mas existem laços que as unem..."
"Ainda separadas uma da outra, sem nunca mais se encontrar. É uma história triste. " 
"A canção dessas oito mulheres nos atrai e nos compele." 
Esse é o dialogo de abertura do episódio 1, que tem sido um texto reproduzido em todos os episodio até então. Os momentos de abertura de Revue Starlight desfocam sempre a linha entre uma performance teatral no universo e uma conversa entre a dupla Karen Aijou e Hikari Kagura; as personagens mudam dependendo do episodio. Nesse episodio, Karen toma as linhas que destacam as semelhanças entre as garotas. Hikari lembra que esta é uma história triste. Essas garotas estão destinadas a serem separadas. É uma introdução que encapsula a tradição do Takarazuka Revue de todos os ângulos.

A jovem Karen e a jovem Hikari assumem a posição de duas garotas na plateia inspiradas pela performance que eventualmente fez elas se inscreverem na Seisho Music Academy para se tornarem atrizes. Suas versões mais adolescentes preenchem os dois papéis principais no palco.  Elas estão se assistindo no palco. As linhas que elas falam são supostamente da peça Starlight, mas também refletem suas respectivas perspectivas, quebrando um pouco a quarta parede. Karen reconhece que seus desejos para o palco e para o centro das atenções as unem, enquanto Hikari tem medo de que esses mesmos desejos as separem irrevogavelmente.

O Starlight é um dispositivo de enquadramento para tudo o que acontece ou acontecerá no Revue Starlight . Como o domínio de Tendou Maya sobre a posição zero sendo a estrela principal. Starlight é outro lembrete do status quo de Takarazuka na Seisho Music Academy, apresentando o ciclo competitivo que Karen pretende quebrar. Ele também oferece um caminho a seguir que quebra o ciclo, especialmente no contexto.
O slogan de Revue Starlight, que podemos ver nas letras das musicas, é: "E será concedido a você, a estrela que você desejou". No entanto, quando essa estrela é reivindicada por uma das pontas, a outra é atingida por raios de luz vermelha e desaparece enquanto a outra assiste impotentemente. 
Se o seu ponto em ver Revue Starlight foi os duelos emocionantes e surreais, você pode estar decepcionado com este episódio. Essas são uma grande parte do apelo do programa para mim também, mas o programa também tem feito um excelente trabalho construindo esses personagens em suas vidas diárias. Os confrontos espetaculares vão acontecer no palco, mas esses conflitos menores são as sementes de onde eles podem crescer e ser apreciados. 


Este episódio também não é desprovido de intrigas teatrais misteriosa - o prólogo revela mais da história de Starlight. Karen fica cega pela forte luz vermelha da estrela, enquanto Hikari sente uma chuva de estrelas que cai através de seus dedos. Seja o que for que isso signifique, é uma imagem impressionante e um presságio sinistro. Misericordiosamente, não foi um prenúncio para o relacionamento delas neste episódio, que está completo novamente pelas primeiras horas da manhã. Masayuki Kojima (que dirigiu outra pequena produção da Kinema Citrus no ano passado, chamada Made in Abyss ) fez um maravilhoso trabalho de storyboard e no mais dirigiu este episódio. As garotas não eram tão espertas quanto achavam que eram, e todos vão se encrencar por ajudar suas amigas a passarem a noitada longe de casa, mas o calor com que Karen recebe Hikari faz tudo valer a pena. A ED que Hikari cantou sozinho na semana passada é agora um dueto entre ela e Karen.
Hikari observa como a areia/chuva das estrelas cai por entre os seus dedos enquanto Karen desaparece. Plataformas móveis e estágios de transformação, juntamente com o passeio de escadaria que atua como um final de desempenho/apresentação do Takarazuka Revue, são frequentemente projetados para mostrar a estrela principal, que transcende seu desempenho no palco com um apelo contínuo ao público. É um poderoso presságio. Talvez a areia simbolize o modo como a promessa de fama e estrelato escapam às mãos daqueles que desistem de tudo por isso.
Em lugar de um estágio de duelo, o episódio 4 nos dá a reconciliação entre Hikari e Karen. Quando as duas estão juntas, o “palco” do episódio está em um parque sob a Torre de Tóquio. Elas estão lado a lado como iguais. A torre se assemelha a torre em Starlight que as duas deusas estendem a mão, mas em vez de uma perspectiva que mostra quão longe está a estrela, Hikari e Karen são elevados ao lado da torre como um par unido. Ao contrário do palco Starlight , onde uma das deusas desaparece em uma plataforma móvel, esta cena reitera que Hikari e Karen estão na mesma plataforma no mesmo palco.

Agora que este primeiro grande conflito está resolvido, estou ansioso para ver como os dramas interpessoais das meninas evoluíram, e como Karen finalmente será capaz de ludibriar as regras das audições do Sr. Girafa. Este episódio não tem o estilo bombástico dos três primeiros, mas ainda está cheio do estilo confiante e sincero que faz com que até os pequenos momentos de personagem floresçam. No geral, este foi um episódio muito agradável.
Avaliação:      ★(+++)
***

Bottom Ad [Post Page]