Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Análise Semanalanálise semanal Revue Starlightresenharesenha críticaShoujo Kageki Revue Starlight

Shoujo☆Kageki Revue Starlight #05 - Inveja | Análise Semanal

Semana passada, Revue Starlight, se concentrou essencialmente em garantir que o público pudesse acreditar no vínculo estreito entre Karen e Hikari. E isso se provou frutífero nessa semana. O relacionalmente de Karen com Hikari é crível, e baseado nessa linha de relacionamento temos o Revue do orgulho. 

A direção abrangente de Revue Starlight, de Tomohiro Furukawa, é um interessante ciclo de influência. Furukawa trabalhou ao lado de Kunihiko Ikuhara em Mawaru Penguindrum e Yuri Kuma Arashi. O talento do diretor Ikuhara claramente inspirou muito em Revue Starlight, especialmente na sequência de transformação mecânica que transita Karen Aijou da Seisho Music Academy para um estágio de duelo subterrâneo surreal. 
No entanto, Ikuhara foi influenciado pela própria Takarazuka Revue: o assunto principal da Revue Starlight. Ele também se inspirou em animes e diretores influenciados por Takarazuka, como Rose of Versailles e Osamu Dezaki. Rose of Versailles é por si só um sinônimo do Takarazuka Revue e ajudou a consolidar o seu sistema de estrelas - o mesmo sistema que está sob escrutínio e críticas em Revue Starlight . Além disso, Revue Starlight não é apenas um projeto de anime, é um projeto multimídia que inclui uma peça de teatro dirigida por Kodama Akiko, uma ex-atriz. 

Nenhum outro episódio mostra este ciclo de influências melhor do que o Episódio 5, “Where Radiance Resides”.

“Where Radiance Resides” é o episódio da Mahiru Tsuyuzaki. Nele, ela continua a tradição da Nanami Kiryuu (uma excelente personagem de Utena) do Ikuhara, expressando seu extremo ciúme de maneiras cômicas e repetitivas que sempre se voltam contra ela. Esses teatros cômicos também podem ser atribuídos à influência do estágios em obras do Ikuhara.

A repetição começa com a Mahiru reprimida cheirando as coisas da Karen e depois sendo pega por sua rival romântica, Hikari Kagura, antes de jogar fora o objeto com raiva. Em seu dormitório, é um travesseiro que Mahiru cheira sem perceber que Hikari ainda está no quarto. Ela grita e joga o travesseiro na porta enquanto Hikari sai. Na aula, é uma toalha que Mahiru dá para Karen por seu suor. Mahiru encara a toalha com admiração sem saber que Hikari está atrás dela. Enquanto Hikari se afasta, Mahiru grita e joga a toalha no chão. Toda vez que Mahiru tenta, de forma indireta, se aproximar de Karen, Hikari "interfere", destacando ainda mais Hikari como o único obstáculo que Mahiru vê entre ela e Karen.
Outro dispositivo visual que chama a atenção ao longo do episódio é uma série de brilhos cintilantes que parecem fragmentos de vidro. Esse dispositivo é específico dos sentimentos da Mahiru, não apenas para com Karen, mas para si mesma. Os brilhos estão ligados ao ciúme e à atração da Mahiru. 

Tais brilhos irradiam primeiro de Karen enquanto as duas estão nos bastidores da performance do Starlight no ano anterior. Mahiru é atingida por eles quando Karen sorri. Mais tarde, Mahiru acorda apenas para descobrir que Karen já saiu com Hikari. Quando ela vê Karen no estúdio, ela é mais uma vez atingida pelos brilhos que irradiam de Karen e a cercam. Os brilhos aparecem não apenas em torno de Karen, mas em torno de Hikari quando as duas estão juntos. Em um ponto, Mahiru imagina Karen na posição do topo, no topo da Torre de Tóquio, derramando brilhos para Hikari abaixo dela. Hikari pega quase todos eles em uma rede, mantendo-os longe da Mahiru que está esperando por restos mais abaixo. Ela está com ciúmes que Karen está brilhando para Hikari e não exclusivamente para ela.

A cena mais reveladora é quando Mahiru não apenas imagina os brilhos ao redor de Karen, ela os vê enquanto olha para as colegas Futaba e Claudine que praticam cenas. Os brilhos de Mahiru não representam apenas o amor dela para com Karen, ou os ciúmes dela em relação a Hikari. Sim, ela está com ciúmes do tempo de Hikari com Karen e quer que Karen reconheça seus sentimentos. No entanto, Mahiru não expressou esses sentimentos, nem foi honesta consigo mesma sobre seu próprio ciúme. Mahiru também tem ciúmes de Karen e de suas outras colegas de classe pelo talento que tem. A conversa de Karen com Hikari na Torre de Tóquio renovou sua promessa e seu objetivo como uma garota do palco, e é por isso que Karen está brilhando tanto. Em contraste, Mahiru parece estar seguindo o rastro de Karen, incapaz de descobrir que tipo de garota do palco ela quer ser para si mesma,.
Também vemos a cabeça da Mahiru por meio de fantoches de papelão durante sua fase de duelo, apropriadamente intitulado “Revue of Jealousy”. Mahiru age ao lado das personagens de papelão, mudando de comportamento quando ela está agindo como ela mesma e quando está interpretando Karen . Sua representação de Karen como uma guia legal e calma confunde a própria Karen, que a certa altura pergunta: “Isso é. . . eu?". Os fantoches representam uma versão idealizada de eventos que não refletem a realidade com precisão, mas sim o que está acontecendo dentro da mente de Mahiru. Mahiru, em seguida, persegue Karen, continuamente em uma configuração de beisebol bizarro.

Os brilhos aparecem aqui também, mas são falsos. Eles vêm de uma cesta e são usados ​​como ferramenta para o desempenho de marionetes de Mahiru. Quando ela fala sobre si mesma encontrando radiância em Karen, ela os joga em Karen, mas visivelmente não está dando os a si mesma uma vez que ela ainda não havia aceitado seus próprios sentimentos.
O estágio de duelo de Mahiru também quebra as regras pré-estabelecidas dos duelos. Onde outros duelos foram isolados uns dos outros, mesmo quando eles ocorrem simultaneamente, Mahiru interrompe todos os outros duelos simultâneos enquanto ela persegue Karen ao lado de um gato. A configuração dessa luta é muito boba e cômica, especialmente quando comparada ao duelo contra Maya ou, ainda, aos toques pessoais de ruínas que tivemos no episodio 2 com Junna. A arma de Mahiru é uma varinha, que ela usa como um taco de beisebol, atacando as coisas diretamente criando um contraste com a forma como ela esconde seus próprios sentimentos. Isso sugere que Mahiru ainda não reconhece o que ela quer, e seu ciúme está nublando seu julgamento. Karen puxa-a para fora disso, dizendo a Mahiru que ela já está brilhando como uma garota do palco que é calorosa, gentil e entusiasmada.

Voltando aos brilhos, a primeira vez que Mahiru brilha neste episódio, é o passado dela quando ela é perguntada pela entrevistadora sobre o tipo de artista ela quer ser. Sua resposta, revelada depois que ela perde para Karen no duelo, ecoa nas palavras de Karen sobre que tipo de garota do palco Mahiru é: alguém que é gentil.

Isso leva Mahiru a finalmente brilhar para si mesma. Os brilhos envolvem Mahiru quando ela está cercada por suas amigas, comendo comidas de sua cidade natal. Como um toque final, um dos brilhos bate seu bastão em sua cama como um lembrete do caminho de Mahiru para se tornar uma garota do palco. 
Avaliação:      ★(+++)
***

Bottom Ad [Post Page]