Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Análise Semanalanálise semanal Revue Starlightresenharesenha críticaShoujo Kageki Revue Starlight

Shoujo☆Kageki Revue Starlight #07 | Análise Semanal


Uma das coisas mais frustrantes sobre os períodos de transição na juventude, está diante de uma inevitável mudança; mais amplamente sobre o avançar da hora. Pode ser tão simples quanto mudar de casa para um dormitório da faculdade, ou mais complicado, como viajar para outro estado para um novo emprego. De fato, a ideia do tempo "passando" está profundamente arraigada em nossas vidas cognitivas e emocionais. Todos temos uma fatia de tempo que reluz como uma joia impecavelmente. E, ainda, sempre ecoa em nos o sentimento de não aproveitamento total.  

Para Nana, tal momento foi a primeira apresentação de sua classe. No crepúsculo do pós-festa, Nana se senta e então percebe o quão importante aquela performance, essa academia e esses colegas de classe foram para ela. A centelha da paixão acende um fogo dentro dela. Com isso nasce a ultimate Garota do Palco, e ela é uma banana.

Revue Starlight vem sofrendo de reclamações sobre como o seu o drama pessoal sentia-se um pouco demasiado fino, isso porque o show amplamente articulava a sentir-se pessoal, enquanto a natureza de ser uma top star ainda era frustrantemente vago. De fato não há como o telespectador se entregar para algo que ele não compreende. Starlight 7 percorre justamente melhor esse caminho do que é uma top star - de modo um pouco menos alegórico.

Muito do que faz este episódio funcionar é Tomohiro Furukawa e seus estupendos storyboards. Como diretor de série de um programa ambicioso, ele provavelmente tem estado mais ocupado do que eu posso imaginar, então ele dedicou um tempo para o storyboard; e esse episódio no meio da série enfatiza sua importância. Mesmo antes da reviravolta do episódio, o enquadramento e bloqueio repetidamente isolam os personagens, e Nana em particular. Seu telefone onipresente é uma ferramenta que tanto a envolve quanto a distancia, e muitas fotos são vistas através da tela de seu celular, enfatizando que estamos assistindo a este episódio através dos olhos dela. Um silencio melancólico toma conta do campus quando o segundo ano começa, e toda a staff faz um belo trabalho com iluminação e música para dar o tom. Quando Nana finalmente encontra a girafa, o teatro subterrâneo nunca pareceu tão brilhante, tão vazio e tão sinistro.   
Os shots sombrios e alienandos aqui fazem um trabalho fenomenal em reforçar o tom inquietante do capitulo. A luz amarela ofuscante lava tudo, exceto aquele desempenho perfeito de Starlight, então esse é o estágio que Banana escolhe.
"Banana" é alta. Ela é talentosa. A série faz questão de mostrar sua alta no duelo de Revue - terceira, atrás de Claudine Saijou e Maya Tendou. É uma mensagem clara de que ela deveria ser a top Star. Apenas mulheres altas têm a chance de se tornarem otokoyaku - as atrizes que interpretam homens; no caso é Maya a atual detentora da posição. Na rígida tradição do Takarazka Revue, apenas a otokoyaku pode se tornar a grande estrela.

Havia sempre algo um pouco fora quanto a Banana. Ela nunca foi mostrada participando dos duelos (fora da sequência de abertura), mas ainda assim ela ficou em terceira quando os rankings foram exibidos. A vantagem natural da altura de Banana por si só deveria fazer dela uma competidora direta de Maya, mas ela se junta à equipe de produção para esta última linha temporal do Starlight. Enquanto na equipe de produção, ela insiste firmemente em preservar a composição do ano passado, resistindo à sugestão de suas colegas de considerar Karen e Hikari como as duas lideranças. Ela também tenta se posicionar contra, como mostra no episódio 6, quando Kaoruko Hanayagi falha em sua primeira audição. Me pareceu por um tempo que Banana estava entrando na produção para permitir que Hikari ocupasse seu lugar no palco, especialmente dadas as facetas mais maternais de sua personalidade - ela parece só querer ver todos se dando bem.

Maya pergunta o que estamos nos perguntando a algum tempo: Por que Banana não se esforça mais para estar no topo? Episódio 7, "Daiba Nana", quebra essa ideia aberta. A primeiro questão é que, há a altura acima mencionada de Banana que, não pode ser enfatizada o suficiente, a coloca em vantagem natural acima de todos as outras na tradição Takarazuka. Aprendemos que ela está no topo da classificação, apesar de nunca termos visto sua luta. O episódio de Mahiru Tsuyuzaki, episodio 5, reforça isso, já que Banana está conspicuamente ausente nos duelos pelos quais Mahiru atravessa junto de Karen. Alem disso, Banana nunca recebe o filtro de "radiância" denotado por brilhos que somente Mahiru pode ver em torno de suas colegas. Banana parece feliz. Por que ela não está brilhando?
Quando esta junta de seus colegas de classe, Banana vê tudo através das lentes de seu celular. Ela usa isso para capturar tudo. Ambas as fotos sinceras e posadas compõem seu extenso rolo de câmera, que enquadra qualquer coisa, desde aulas de dança até o pós-festa do Starlight .

Imagens são importantes para a Banana. Já no primeiro episódio, vemos que sua mesa está cheia de fotografias da produção do Starlight do ano passado. Ela os usa para manter os sentimentos que teve durante esse Starlight. Ela não quer deixar isso passar. Uma das transições visuais mais pungentes foi Banana deitada de costas, olhando para o telefone que estava com essa imagem do Starlight, que ela também tem em sua mesa. Seu telefone é sua lente para o mundo e tudo o que ela pode ver é sua primeira iteração com o Starlight. Isto é o que ela vê na frente dela - um momento congelado a partir de sua primeira experiência na produção. Então a girafa pede a revista.

Onde era a "posição Maya", ou melhor, a posição zero, foi usado para estabelecer o status quo de Takarazuka, ninguém reforça o status quo da série mais do que Banana. Ela luta para manter tudo exatamente igual, revivendo o Starlight várias vezes para que ela possa experimentar exatamente a mesma onda de alegria que vem de ser apreciada e amada por suas colegas. Banana não pode, mesmo depois de incontáveis ​​iterações no mesmo palco do Starlight, imaginar um palco que brilha mais intensamente do que a luz das estrelas. Esses desejos de Banana podem até terem vindo da bondade de seu coração, mas eles também vieram com o desejo de serem dependentes e amados. O Sr. Girafa garante a sua participação nos duelos não porque ela quer a posição de Top Star - ela rejeita-a imediatamente - mas porque ela quer voltar ao mesmo estágio exato contra as vontades de seus colegas.
Isso também foi mostrado em episódios anteriores. Banana adora a ligação de comida com suas colegas. Ela se anima com a exclamação “Bananice!” de Karen, no episódio 4. Quando ela troca para o lado da produção, ela está muito feliz com a atenção que envolve sua caixa de subornos de doces que contem anotações de suas colegas. E, quando Hikari se fechada para as suas ofertas de comida, ela continua a perseguir ela em um esforço para fazer Hikari amá-la também.

Ao contrário de Maya, Banana não quer que suas colegas a temam como uma estrela ou a vejam a como um sonho ou se tornem fãs. Em vez disso, Banana quer que eles a amem, embora em uma dependência tóxica. Ela se convence de que está salvando-as do desgosto, da rejeição e da luta que vem com o avanço - até que Hikari chega, jogando uma chave (ou faca) em seus planos.
Ao longo do episódio titular de Banana, vemos Starlight pesando visualmente nela. Os cartazes que antes eram lembretes simples do Starlight como um dispositivo de enquadramento se tornam opressivos, aparecendo em várias cenas na escola.
Banana ganha o status de Top Star, mas ela está claramente triste. Ganhar a posição de top star faz com que ela queira voltar e não seguir em frente. Não há luta quando a história simplesmente se repete imutávelmente. Quando um otokoyaku do Takarazuka se torna a top star, não há nenhum outro lugar para ir.
O cenário da "luz das estrelas"(que vemos em toda abertura de episodio), inclui uma torre que leva até a estrela. A revue tower subterrânea da girafa que abriga a tiara da top star, cai atrás dela e lança sombras sobre o seu rosto. O status de Top Star pertence a Banana, e a torre ficou para trás, quase coroando-a visualmente como a estrela principal, mas Banana parece triste e infeliz - perceptível mesmo dentro de seu sorriso.














As ações de Banana são outra crítica à posição de isolamento que uma top star enfrenta, especialmente após um período de treinamento tão competitivo. É também uma crítica às preferências físicas automáticas que existem. Em Banana, recebemos alguém que, por todos os meios, deve ser uma das melhores estrelas depois que ela se graduar apenas por seus recursos visuais, mas ela escolheu fazer uma pausa forçada em sua vida para não enfrentar os desafios que vêm com a formatura. Apesar de todas as suas vantagens naturais, Banana não é capaz de ser uma grande estrela na tradição do Takarazuka, mesmo quando ela ganha a posição; e esta é a única maneira que ela sabe manter as coisas como está com seus amigos e colegas. Enquanto Karen procura uma solução fora do sistema para permitir que ela e Hikari permaneçam juntas, Banana usa o sistema existente para congelar o tempo.

Infelizmente para Banana, seu tempo acabou. A chegada de Hikari - como Banana viu  - é um prenúncio de mudanças. O tempo avança. Ela perturba o status quo de Banana e de todo o sistema. Agora existem nove jovens disputando oito posições e, a menos que Karen e Hikari realmente quebrem o sistema, uma delas será deixada de fora.

Lutando, Banana se junta à equipe de produção, provavelmente em um esforço para manter Starlight com as mesmas atrizes nos mesmos papéis do ano anterior. No entanto, aqui também ela recebe um empurrão de suas colegas. Todo mundo agora está se movendo para frente. Os episódios que levaram a este episódio foram de personagens, mas também fornecem um excelente pano de fundo para a forma como os pares de Banana - Futaba, Mahiru, Karen - estão todos avançando e melhorando para encontrar seu próprio lugar no palco.

Este episódio parece marcar uma mudança dramática em Revue Starlight. Um episodio feito de tom e de ambições, mas é construído sobre tudo o que veio antes dele. Isso me lembra de como o primeiro episódio foi construído; a cena do elevador que puxa o tapete foi claramente o destaque, mas todo o trabalho de personagem feito na primeira parte também foi inteligentemente construído. Revue Starlight resolve atipicamente jogar suas bases no meio de seu programa. Um loop temporal pode parecer ser bobo, se não fosse pelo tempo que passamos com o resto desse elenco e sobre o que aprendemos dele.
Nana está perturbadora nessa cena. Mesmo os episódios até então tendo se mostrados de personalidades visuais distintas, este se sentiu ainda mais focado e bonito do que o habitual.

Avaliação:      ★ (+++)
***


Bottom Ad [Post Page]