Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Análise Semanalanálise semanal Revue Starlightresenharesenha críticaShoujo Kageki Revue Starlight

Shoujo☆Kageki Revue Starlight #09 | Análise Semanal

Revue Starlight encerra sua serie de episódios absolutamente impressionantes, oferecendo um episódio mais conservador tanto em termos de realização visual quanto de invenção narrativa. E nós não poderíamos terminar esta série com um host melhor do que Junna.

O primeiro script personalizado, ou esboço do Starlight, mostrado em Kageki Revue Starlight é o de Junna. O episódio de foco de Junna e a sua formidável presença nos Episódios 1 e 2 parecem uma lembrança distante neste momento - especialmente com a introdução do loop de apresentação de Banana - mas Junna é, em muitos aspectos, a primeira garota na fase de duelo de toda a série.

Junna nos apresenta as regras iniciais do duelo, e é Junna cuja psique é a primeira apresentada, com uma cena de fumaça figurativa e espelhos em forma de óculos e sentimentos expressos em manequins. Junna ajuda a estabelecer uma linha de base para os duelos, refletindo sua posição como presidente de classe tanto na série em si e de uma maneira mais meta como nosso guia pessoal. A nota que ela deixa se lê, "Eu vou te mostrar que eu posso aproveitar a minha própria estrela!" É uma afirmação e uma promessa de seguir em frente, mesmo após a derrota. Essa é a garota do palco que Junna é e suas anotações pessoais em Starlight refletem isso.
Scripts desempenham um papel crucial na sequência final, "Fly Me to the Star", reiterando sua importância. Cada garota do palco é cercada por itens pessoais que refletem seus amores e ambições individuais. Eles são como peças do quebra-cabeça de uma forma que formam uma imagem de suas personalidades únicas. Entre todos esses itens pessoais estão seus roteiros Starlight, mostrando a importância do show em si - Starlight é o maior dispositivo de enquadramento que Revue Starlight emprega, tornando-se uma peça conhecida para todas as garotas da 99ª turma. Esses roteiros têm anotações personalizadas, piadas internas, citações musicais importantes e instruções de atuação.

Quando uma peça é iniciada, todos participam, é uma atividade de comunidade, até mesmo grupos com menos desenvoltura teatral ajudam. Nesse episódio 9, vemos Kaoruko Hanayagi ajudando com as fantasias, e Futaba Isurugi ajudando no desenho das armas.
A primeira versão de “Fly Me to the Star” de Banana não apresenta palavras, apenas música, e seu precioso roteiro ocupa a posição zero no holofote final, indicando que seu tempo como garota do palco foi congelado.
Mesmo em um ambiente tão rigoroso e tradicional quanto o Takarazuka Revue, todo desempenho, cada estágio, será um pouco diferente. Há um tipo especial de vazio que segue o final da execução de uma performance. Tanto tempo, esforço, dedicação, paixão, ambição e inúmeras outras emoções chegam ao palco - durante esses poucos meses de preparação, pintura e horas intermináveis ​​de prática, você está cercado pelo que se torna uma família substituta; laços de amizade, lutas internas, drama e amor. Nada o prepara para o vácuo emocional que se segue e qualquer um que já esteve em um musical de palco pode se identificar com as ações de Banana, mesmo discordando, porque elas sentiram o mesmo desespero.

No entanto, um fator-chave que Banana não consegue perceber é que não é apenas a 99º apresentação do festival dela, Starlight, mas também o Starlight de Junna. É o Starlight de Karen. É o Starlight de Tendou Maya. É tudo resumido em seus Starlights, e Starlight significa algo diferente para cada uma delas, mesmo dentro do mesmo desempenho que elas compartilham no mesmo palco. Cada uma delas tem um script com notações únicas e um determinado ponto de vista. É aqui que Karen entra.

Banana tinha inicialmente pensado que Hikari, como a nova aluna, foi quem parou seu ciclo de tempo. Mas, essa semana, Banana percebe que é Karen, não Hikari, que mudou o Revue de oito para nove - Karen, uma das pessoas que Banana diz que estava tentando "proteger", fazendo ela entrar em estase. Revue Starlight tem uma expandida preocupação em nunca ser detentor da posição das peças que estão no tabuleiro. O programa permite que os seus personagens decidam mudar o rumo de tudo. Karen tem um objetivo já conhecido: uma garota do palco que fez uma promessa de ficar no palco com sua amiga de infância. Hikari foi o catalisador para o despertar de Karen, e é Karen quem muda o sistema a partir de dentro e quebra as regras, simplesmente entrando no duelo e assumindo o lugar de Hikari. Mesmo nesse estágio rígido, Karen transforma a configuração dessa apresentação e a faz dela. Isso é novamente refletido em sua vitória sobre Banana, onde ela caminha deliberadamente para fora das linhas desenhadas de Banana que se assemelham ao pôster e roteiro de Banana.

Aprendemos que Banana, no passado, estava um pouco assustada com o que parecia ser a saída em massa de seu grupo de teatro da escola. Ela foi tão afetada pelo seu primeiro ano na Academia de Música Seisho e pela atuação da turma 99ª que congelou todos a tempo, antes que eles pudessem sair. No entanto, a própria Banana admite a Junna que ela nunca realmente cresceu para conhecer nenhuma delas ao longo dos vários ciclos de tempo, como aconteceu mais recentemente em territórios inexplorados fora do loop. Banana também admite que adicionou suas próprias anotações dentro do loop, levando Junna a afirmar que Banana é uma legitima garota do palco. Banana finalmente desaba e chora, liberando seu desespero e perda na 99ª performance de Starlight; isso é mais do que apropriado para esse final de arco de personagem, afinal, ela é a deusa do desespero. E Junna ajuda ela a escapar desse seu ciclo de desespero.

Elas compartilham um momento que nunca aconteceu antes e nunca poderia ter acontecido sem a interferência de Hikari e Karen, e Nana finalmente percebe o valor disso. É da natureza humana tentar coisas novas e melhorar, mesmo que seja assustador. Banana e Junna só podem se unir se puderem crescer como pessoas, e isso é difícil, mas elas não precisam fazer isso sozinhas. Suas memórias não serão perdidas - elas são apenas adicionadas a elas. O abraço de Junna é mais forte que qualquer arma, e a tristeza de Nana revela, assim como sua felicidade, a Garota do Palco. No final, um amor como esse é um elo mais importante e digno do que qualquer performance.

Por outro lado, ainda, tudo me pareceu desgovernado por parte de Karen. Apressado. Depois de um numero tão grande de episódios, a vitoria de Karen aqui não se sentiu merecida. Parte da questão pode ser apenas que a própria Karen é uma das personagens menos interessantes de Revue Starlight; seu objetivo sempre foi bonito, e ela realmente não sofre com o peso da insegurança, da inferioridade e de todos os outros complexos que dão a suas colegas uma textura humana. A conversa ao ar livre entre Banana e Junna, por exemplo, só foi convincente porque as palavras consoladoras de Junna foram influenciadas por nosso conhecimento de suas próprias inseguranças. No geral, este episódio quase que parece perder o potencial dramático da antagonista Banana - uma figura à qual é possível  encontrei uma fonte de empatia e humanidade.
Avaliação:      ★ (++)
***

Bottom Ad [Post Page]