Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Análise Planet WithAnálise de AnimesPlanet Withresenharesenha críticareview Planet With

Planet With (2018) - Como uma Flor no Deserto | Review

|Episódios: 12 | Estúdio: J.C.Staff | Fonte: Original | Diretor: Youhei Suzuki | Criador original: Satoshi Mizukami | Diretor de Arte: Moon Flower |
Sinopse
Kuroi Souya é um colegial que vive uma vida pacífica, apesar de não ter lembranças de seu passado. Um dia, porém, sua cidade é atacada por uma das misteriosas armas alienígenas. Juntamente com o seu "Sensei" gato e a uma garota chamada Ginko, Souya é arrastada para uma batalha contra sete super-heróis que protegem a cidade! Qual é o motivo de Souya para lutar? A resposta está em suas memórias.

Sem o nome de um Shingeki no Kyojin, sem a força de produção de um Boku no Hero, sem o entretenimento fácil de um gênero já estabelecido como Hanebado!,  sem o foco cômico de Asobi Asobase ou Grand Blue - Planet With está lá, no meio de tantos que tem muito mais. Não é estendida a mão da oferta de nomes ou poder de produção a Planet With. Na realidade, tudo é tomado do show - não existe um único gênero e a produção é fraca em quase toda a sua existência. Como uma bela flor entregue ao deserto. Um show que só pode tentar, no limite, se apoiar ao nome e habilidade de seu autor desconhecido dentro do meio anime. Essas paredes, e mais algumas outras que não cheguei a colocar na ponta da caneta,  sinto que fizeram o show não chegar ainda aos olhos do fandom. Assim sendo, ofereço minha recomendação final para o que eu sinto que pode ser um clássico genuíno, e absolutamente valioso.

Qualquer discussão sobre Planet With para min - quanto aos méritos de qualquer episódio ou desenvolvimento específico - partem do contexto que eu acho que esta série supera amplamente todos os shows desta temporada (e de muitas outras) em termos de alcance, visão e qualidade. É o anime mecha mais realizado, relevante e historicamente significativo em algum tempo. De muitas formas - talvez na maioria das formas - é um respiro, em um gênero que se tornou muito sério e auto-referencial nos últimos anos.

É quase assustador imaginar o que Mizukami Satoshi poderia ter feito com dois ou três anos, ele acumulou tanto conteúdo - intelectual, emocional, narrativo - nesta curta série. Na verdade, a serie ofereceu 3 "temporadas", - se olharmos para a estrutura narrativa de Planet With, os episódios 1-6, 7-10 e 11-12 são tratados como temporadas por si sós. É só que Mizukami é tão eficiente como escritor que ele é capaz de fazer isso, coisa que quase ninguém mais conseguiria.
Planet With abre com a terra sob ataque, com nosso herói Soya sendo forçado a fazer malabarismos recuperando suas memórias e lidando com os invasores. Ou melhor, colaborando com os invasores - como se constata, a facção de Soya não está exatamente alinhada com os terráqueos, e os terráqueos podem estar aproveitando um poder que nenhuma criatura viva deveria possuir. Enquanto facções e filosofias se cruzam, Soya é forçada a reavaliar consistentemente a moralidade de suas próprias escolhas, Planet With sobe a cada episodio em escala e galopa por meio de narrativas completas. 

Soya essencialmente "derrota" os primeiros antagonistas do programa na primeira meia dúzia de episódios, mas a natureza de Planet With é de que os conflitos significam que há sempre uma nova ameaça no horizonte. No final, todas as forças do universo são arrastadas para uma guerra que ecoa Gurren Lagann em escala e intensidade, tudo dentro de um pacote de doze episódios bem escrito. Eu tinha serias duvidas sobre o show conseguir ou não alcançar suas ambições; afinal, 12 episodio!?. Não parecia muito possível encenar uma série épica de ficção científica em 12 episódios, mas foi o que Mizukami Satoshi fez aqui. 

A moralidade aqui não é uma coisa simples. Claramente, há um poder latente na humanidade que lhes dá o potencial para se tornar uma espécie de guerreiros agressivos. As implicações do enredo para os personagens da história são bastante óbvias. Os personagens lutam pelo que acreditam, mas o que eles acreditam é frequentemente sujeito a mudanças. Os personagens principais ganham tremenda textura como pessoas ao longo de suas batalhas. Os relacionamentos de Soya com seus aliados florescem em um drama familiar acalorado, enquanto muitos dos guerreiros humanos da exposição demonstram falibilidade, empatia, coragem, desespero e muito mais durante o curso de suas jornadas. Da estranheza à compaixão, as estrelas de Planet With estão repletas de qualidades que diferenciam cada uma delas e fazem com que todas elas valham a pena. Todos personagens de multicamadas atraentes.
Em Planet, são os vilões quem estão determinados a parar a maior ameaça - um dragão - ou, se possível, impedir que ele retorne novamente. E somos nós humanos que nos aproveitamos do dragão para detê-los, ou pelo menos contê-lo por um tempo, antes que sua ira selvagem assuma o controle .

Em Planet With, a verdade e a justiça são coisas vagas e pessoais, com as crenças de cada facção definindo-as como heróis de sua própria história. O ponto crucial de sua discordância é a natureza do próprio dragão, que não é apenas uma besta literal, mas também uma força elementar que todos os seres apaixonados podem invocar. É o "fogo do dragão" queimando na humanidade que nos inspira a grandes obras de ambição e criatividade, a lutar pela excelência pessoal, a sonhar mais do que a nossa labuta diária. Uma espécie que pode se aproveitar desse fogo poderia forjar uma nova era de iluminação em suas chamas - ou eles poderiam aproveitá-lo para meios egoístas e de mente estreita, e destruir tudo em um último fogo apaixonado.
A comunidade intergaláctica está determinada a evitar esse fim, e empenhada em impedir a humanidade de libertar o dragão novamente. Mas mesmo entre os alienígenas, há um sério desacordo sobre como a paz deve ser mantida. O próprio Souya está alinhado com a facção pacifista, que acredita que simplesmente roubar a humanidade dos meios para conjurar o dragão é o suficiente, enquanto a humanidade como um todo deve continuar sua selvagem e perigosa evolução. A facção de lacradora é menos simpática; eles entendem que o fogo da humanidade é uma ameaça a si mesma e desejam lacrar a paixão que poderia nos levar à grandeza ou à catástrofe.

Nenhum desses lados está realmente errado. Todos eles têm suas próprias ambiguidade e disputas internas. Uma estrutura narrativa que pediria um repudio aos humanos, afinal, o enquadramento é da humanidade como um mal. Mas, Planet With sempre derruba sua própria mão, através do poder impressionante dos simples momentos humanos. Um espetáculo que é tão bom em captar tudo o que é pungente e nobre sobre o eterno esforço da humanidade, simplesmente não podia odiar as pessoas. O fogo da natureza humana é claro em nossa violência, mas também é claro em um pai estendendo a mão para seu filho distante, ou uma jovem garota arriscando tudo para salvar seu precioso amigo. Os vilões no verniz de  Planet With podem estar certos, mas eu permaneço com a humanidade acima de tudo. Afinal, se o nosso fogo nos queima, é um preço que vale a pena se pagar.
Planet With é, em uma última análise, uma história a volta do poder da empatia e do perdão para superar o ódio e a diferença, mas canaliza todo tipo de insights pensativos e pungentes a caminho de lá. A questão do que é ser humano, e se o brilho individual e o sucesso exigem uma espécie de egoísmo pessoal, está embutido no debate da série entre lacrar a humanidade ou deixá-la florescer. Como a ficção aspiracional pode nos inspirar a ser melhor que nós mesmos, a natureza da felicidade, o que os pais devem aos filhos, o que significa ser uma família ou comunidade - todas essas questões são tratadas com inteligência e empatia, resultando em uma história que oferece pelo menos uma declaração inspiradora e sincera por episódio. Planet With é tão inteligente quanto apaixonado, demonstrando que gigantescos mega-socos e debates filosóficos são obviamente feitos para ficarem juntos. 

Estou sinceramente feliz que Planet With exista. E não apenas porque foi uma ótima série, mas também porque foi um momento seminal na história dos animes para Mizukami Satoshi, finalmente sendo trazido para a tela. Os espectadores de anime agora têm uma noção de quem ele é e do que ele é capaz, e Planet With é um exemplo bastante representativo de seu trabalho em muitos aspectos. Ele nasceu para escrever animes, esse cara - seu amor pelo meio brilha em todos os quadros desta série, e seu ofício como escritor em um anime tônico sempre seria bem vindo, mas agora mais do que nunca.

Planet With é engraçado, ambicioso, quente, e principalmente uma carta de amor para animes de ficção científica e mecha. Que tipo de show é Planet With? Bem, ele é todos. No fim, Mizukami revitaliza um gênero às vezes cansado como em um plano de cortesia. Eu poderia, ainda, finalizar esta revisão com alguma metáfora para a flor no meio do deserto -um simbolismo mais do que apropriado para esta esquecida serie - mas o show em si já nos dá isso da maneira mais clara; ele não precisa de min. Ironicamente, Planet With chega sem nada, mas sai com absolutamente tudo.
Direção: 8 (Ótimo)
Roteiro: 10 (Obra-prima)
Produção visual: 7 (Bom)
Trilha Sonora: 7 (Bom)
Entretenimento: 9 (Excelente)

***

Bottom Ad [Post Page]