Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Análise Shoujo☆Kageki Revue StarlightAnálise de Animesresenharesenha críticareview Revue StarlightShoujo☆Kageki Revue Starlight

Shoujo☆Kageki Revue Starlight (2018) - A Subscrita de seus Personagens | Review

|Episódios: 12 | Estúdio: Kinema Citrus | Fonte: Original | Diretor: Tomohiro Furukawa (Storyboard Penguindrum) | Diretores de Arte: Kenji Fukuda (Flowers of Evil) Kentaro Akiyama (Flowers of Evi, Penguindrum)|

Sinopse
Starlight é uma trupe de música e dança que é adorada em todo o mundo. Karen e Hikari prometem uma a outra quando jovens que um dia, elas estarão juntas no palco do Starlight. O tempo passa e agora as meninas têm 16 anos. Karen está muito entusiasmada com as lições que ela leva todos os dias, mantendo sua promessa perto de seu coração. Hikari transferiu-se de escola e agora está longe de Karen. Mas as engrenagens do destino se movimentam, e as duas estão destinados a se encontrar novamente. As duas meninas e outras garotas do palco competirão em um misterioso processo de audição para ganhar aceitação no Revue.

Todo mundo sabe que os cachorros Basset são tristes, mas ninguém acredita que eles realmente sintam o mesma que é mostrado em suas aparências. (E se um cão Basset estivesse realmente triste, ele não expressaria essa emoção facialmente.) A "tristeza" do cão é sim apresentada em sua aparência, mas não como a expressão externa de um estado interior que motiva ou "modela" essa expressão. Em vez disso, o perfil fisionômico do cão e os seus padrões de movimento do corpo, eles próprios, apresentam a aparência das emoções sem serem indicadores externos de perturbações internas. A música funciona da mesma maneira: ela se move, e o faz de maneiras que se encaixam na terminologia emocionalmente descritiva que usamos para a descrição da ação humana. 

A música, assim como o movimento humano, pode ser arrastada, enérgica, letárgica e assim por diante. Se as notas da música possam se sentir altas ou baixas, correndo para a frente ou para trás, tenso e agourento ou relaxado e sem peso, então - aqui está o importante passo para longe da imagem da expressão interior em direção à aparência emocional. Mas, teremos um problema se seu conteúdo não for condizente. A música pode ser feliz e triste independentemente de como o seu compositor e público se sentem. Essa concepção do conteúdo emotivo da música - autônomo tanto das emoções sentidas do compositor quanto das emoções sentidas do ouvinte - é algo que normalmente não está muito longe da superfície (e muitas vezes está na superfície).  O que quero dizer? O quanto é uma musica triste que te comove e o quanto é o conteúdo dela que lhe comove!? Stralight seria semelhante a um Basset onde suas musicas se movimentam de acordo com os seus sentimentos!? Veremos. 
Mas, antes de colocarmos as engrenagens para funcionar, o que é Revue Starlight?  Talvez algumas tags usadas por aí a fora possam ter algo de "show de idols" - o que alguns categorizam como um desserviço. Eu digo que é impreciso essa classificação, porque não é sobre ídols, e o show realmente não se apega aos tropos comuns ou estruturas narrativas comuns em shows de ídols, então é basicamente apenas um drama musical. 

No início, estamos em uma escola para aspirantes a talentos de entretenimento, a Seisho Music Academy. Nossa personagem de foco, Karen Aijou, é a primeira aluna no raking da classe, mas dificilmente parece ser a melhor estrela da classe, a 99ª turma de pós-graduação da Academia. Ela é enérgica, alegre e amigável, mas ela não parece, no início, ter o impulso absoluto ou o talento natural que os artistas de palco de maior sucesso têm. Uma clara hierarquia emerge na classe, com a elegante e refinada Tendou Maya sentada no topo da pirâmide de talentos e habilidades, seguida de perto por sua rival Saijou Claudine. As meninas (há muito mais ainda para apresentar) estão todas praticando, se preparando para a produção anual da peça teatral “Starlight". Essa é uma obra, como mencionei algumas vezes nas analises semanais, baseada no Takarazuka - uma companhia de teatro japonesa formada exclusivamente por mulheres. (Comentarei mais a frente o elemento Takarazuka dentro da estrutura temática.)

Nesse mundo aparentemente já estabelecido, chega uma inesperada estudante transferida: Hikari Kagura. Ela estava estudando na Royal Academy of Theatrical Actors, em Londres, e suas performances iniciais diárias de prática atraem temor (e inveja) das outras alunas. Ela também é uma velha conhecida de infância de Karen. Ao longo do resto do programa, aprendemos mais sobre o passado de Karen e Hikari, a razão pela qual Hikari voltou ao Japão e a natureza das audições até este ponto. 
Diferente do takarazuka, aqui as competições não são por audições normais competindo com sua atuação e talento musical, mas sim através de batalhas com armas na mão realizadas em um cenário subterrâneo orquestrada por uma girafa falante, cujo prêmio é ter um desejo realizando, ou melhor: encontrar o seu palco predestinado. Mulheres jovens irão testar não apenas suas habilidades e conhecimentos, mas também a sua resolução para alcançar suas ambições e objetivos, sendo forçadas a repassar os desejos de seus parceiros para alcançar os seus próprios, criando um paralelo com essa situação que acontece nesse tipo de ambiente no mundo real, onde todas competem para brilhar mais. 

Inicialmente, eu havia pensado no Sr.Girafa como um dos árbitros do sistema. No episodio final, a girafa parecia estar desta vez presidindo o sistema Top Star tóxico do Revue Takarazuka no Revue Starlight da Seisho Music Academy. É por isso que ele sempre animou ou comentou durante os duelos, acompanhando as classificações das principais estrelas do seu quarto, e foi uma assinatura importante nos documentos de transferência de Hikari Kagura. Porque a girafa é o próprio sistema, naturalmente ele teria uma mão em sua “transferência” da Seisho quando Hikari atingisse o Top Star.

No entanto, a verdadeira identidade da girafa é revelada no final de Revue Starlight. Esta revelação recontextualiza as ações da girafa ao longo da série. Embora não seja errado que ele seja um árbitro, ele também é algo concreto e muito familiar para quem já assistiu a uma produção de palco. A girafa é nós, o público.
O papel da girafa como um membro da audiência fornece um contexto maior para as suas aparições ao longo da série, particularmente no episódio 12, onde ele é mostrado assistindo de uma certa distância em todos os momentos. Enquanto assistia, muitos de nós pensávamos por que uma girafa especificamente foi escolhida, e agora pode ser tão simples quanto, por ele ter um longo pescoço para assistir ao palco com facilidade. Nós ouvimos sua voz não como um narrador, nem mesmo como um coro grego com mais discernimento do que um membro da audiência ou personagem da peça teria, mas como alguém assistindo e reagindo ao show colocado na frente dele.

Isso também significa que as reações, suposições e comentários da girafa são afetadas pelo sistema Top Star que ele conhece: uma escada hiper-competitiva onde apenas uma pode ficar na posição zero e reivindicar o título. Um dos primeiros aplausos entusiasmados da girafa no primeiro episódio de Revue Starlight incita as garotas do palco a lutarem e queimarem sua felicidade e prazer para perseguirem uma “estrela” ou aquele lugar indescritível no centro do palco .

Através de suas linhas de abertura, a girafa também revela um viés inerente em como ele vê o palco, novamente refletindo que uma audiência em qualquer apresentação vem com uma mentalidade específica (embora possa variar de pessoa para pessoa). Eles esperam se divertir. Eles esperam que os artistas apresentem seu melhor desempenho. Ao participar de um show de Takarazuka, eles esperam um certo tipo de atriz, especialmente quando se trata da posição de melhor estrela. Algumas das primeiras palavras da girafa para Karen é: “Aqueles que não conseguem acordar de manhã. Aqueles que estão contentes de pé nos bastidores. Essas pessoas nunca serão chamadas ”. Isso estabelece as suposições feitas pelo público de quem deve subir no palco, que tipo de pessoa deve subir no palco, quem é digno o suficiente para subir ao palco. É inegável como um comentário, uma critica, a um sistema especifico do Takarazuka (que pode ser facilmente aumentado para outros sistemas sociais) starlight é uma ponta de lança. 
Stalight fornece um comentário mais do que relevante. É forte como poucos conseguem ser tematicamente.  O sistema top star e o ciclo tóxico não são, por si só, culpa do público, mas o público é cúmplice em perpetuá-lo até certo ponto. É um sistema de troca entre o marketing e o sistema da empresa de produção que é diretamente afetado pelos costumes sociais. Uma das idéias do fundador Kobayashi Ichizou por trás do Revue era que o Revue ensinaria as mulheres a serem boas esposas e mães, de modo que, ao deixarem a etapa de revisão, os Takarasiennes se estabelecessem e teriam uma família. Isso nem sempre funcionou como planejado (da melhor maneira, com algumas incríveis mulheres talentosas escolhendo por ficarem no teatro - entrando na produção, atuando, etc), mas foi um dos princípios centrais do Revue que ainda afeta o sistema até hoje. 

Enquanto isso, outra parte do sistema está vendendo sonhos para o público, garantindo que as principais estrelas otokoyaku são o membro mais desejável do elenco (e estão fazendo propaganda de acordo com isso), muitas vezes à custa do resto do elenco. Isso é a vida não apenas no Revue, mas das estrelas no geral; essencialmente as do japão e coreia com sua muito exportada cultura de ídolos. Um sistema que vende sonhos para um público ansioso, que vai comer isso e pedir mais e mais, muitas vezes à custa de relacionamentos pessoais ou de saúde mental e física.
E, debaixo de todo esse verniz temático extremamente relevante mas irregularmente articulado, temos os personagens. Eu definitivamente não posso fechar os meus olhos para as duas vigas que seguram tudo - Hikari e Karen. Revue Starlight, infelizmente, é extremamente vazio. Karen e Hikari nunca floresceram completamente em personagens convincentes, apesar de sua proeminência na narrativa. Karen, especialmente, é a heroína corajosa, desajeitada e impetuosa que você esperaria de uma série como essa, mas infelizmente ela nunca recebe uma base suficiente para se tornar mais do que apenas o esboço de uma protagonista simpática. Ela teve alguma profundidade emocional para trabalhar no episodio 11, o que foi apreciável, mas isso por si só não é o suficiente - precisávamos de menos insinuações sobre promessas e mais desordem trivial. 

Revue, infelizmente, de forma dolorosa, termina em um monte de nada, e eu sinto muito em dizer. Depois de uma corrida inconsistente através de uma história mal construída e personagens variavelmente atraentes, voltamos no fim do show para Karen e Hikari - e foi aí que os problemas começaram. Hikari recebeu, ao menos, alguma textura através de seu desespero no estilo Homura, todavia Karen e Hikari nunca foram realmente seres humanos neste show. Elas têm sido veículos para a narrativa e avatares para os refrões verbais consistentes do programa, mas nunca pareceram reais, e seus objetivos nunca ganharam mais textura ou humanidade do que “cumprir a promessa que fizemos naquele dia” ou “brilharmos juntas!" Dado que as personagens principais são símbolos, não pessoas, foi exatamente o mesmo problema que eu tive com o anime "Yurikuma Arashi". Quais são os efeitos de emular sem entender, especialmente quando exercido sobre o estilo de um mestre como Ikuhara? Revue materializa a resposta. Qualquer semelhança com Ikuhara não passa de acidentais manchas de café. 

E, ainda, o episodio final dobrou tudo o que fez Karen e Hikari frustrantes como personagens, já que as duas repetiram as mesmas frases e as mesmas ações que elas repetiram durante toda a temporada por uns bons dez minutos ou mais. Hikari parece remeter muito ao mito de Sísifo - ser mitológico grego, que na terra dos mortos foi castigado a empurrar uma pedra até o lugar mais alto da montanha pela eternidade. A tarefa de Sísifo de Hikari, portanto, parecia apropriada por todas as razões erradas - ela se esforçando em círculos, labutando em círculos, se tornou nossa própria labuta em círculos, enquanto as batidas dramáticas que pareciam exageradas oito episódios atrás eram repetidas pela enésima vez. E quando os fogos de artifício realmente começaram, o choque resultante não era nem um pouco esteticamente impressionante, e era basicamente sem sentido em termos narrativos. Enquanto a girafa redefinia constantemente as regras já vagas que estruturam esse conflito, Karen basicamente criou uma solução para a questão central do programa, levou a Torre de Tóquio através de um grande cilindro. Um dos erros mais primários, e que absolutamente qualquer livro sobre roteiro cinematográfico explica pelo menos alguma duzia de vezes: "Uma vez que os parâmetros da realidade do filme estejam definidos, eles não devem ser violados."

Um punhado de melodias enlouquecedoramente cativantes triplicou e quadruplicou o dever, sugerindo emoções muitas vezes contraditórias. Quando as palavras são colocadas de qualquer maneira, a música repetitiva, você não presta muita atenção a elas - isso pode ser uma bênção - e se você não está prestando atenção às palavras, então você não pode examinar o enredo e especialmente seus personagens. E o enredo desta adaptação é desengonçado e as suas duas estrelas são pó. Certamente as coadjuvantes estão anos a frente quando falamos de textura;intrigas, medos, incertezas - as coadjuvantes ficaram com tudo, enquanto Hikari e Karen ficaram com as sobras. Revue Starlight não é ruim; certamente não é. O show teve episódios estelares, alguns dos isoladamentes destaques da temporada, mas foi terrivelmente prejudicado por suas ligações fracas, além de nunca realmente reunir suas próprias idéias. Nós humanos somos uma espécie musical não menos que linguística. Nós integramos tudo e 'construímos' música em nossas mentes, usando muitas partes diferentes do cérebro. E a essa apreciação estrutural amplamente inconsciente da música é o que acrescentada uma reação emocional muitas vezes intensa e profunda à música. Infelizmente, Revue é muito menos requintado que o seu exterior. 
Direção: 8 (Ótimo)
Roteiro: 5 (Mediano)
Produção visual: 9  (Excelente)
Trilha Sonora: 8 (Ótimo) 
Entretenimento: 6 (Decente)

***

Bottom Ad [Post Page]