Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Para ser honesto, como um enigmático romance de colegiais, Kaguya-sama parecia totalmente ignorável para mim em sua premissa. A única razão pela qual eu estava de olho neste show é que seu diretor é Shinichi Omata, cuja série Rakugo foi um dos principais destaques dos últimos anos. Omata é uma força genuína, e todos os seus shows possuem um estilo visual distinto e evocativo. Se Omata sozinho poderia fazer Kaguya-sama ter sucesso era basicamente uma questão aberta.

Agora, enfrentando o material, posso dizer que isso é Omata até certo ponto. Talvez, exista mais ecos de outro diretor famoso do que o do próprio Shinichi Omata; existe mais SHAFT do que eu gostaria. E novamente, assim como comentei em meu artigo sobre o diretor  - ele é abençoado com colaboradores que brilhantemente colocam suas visões em prática. Um deles sendo Yujiro Abe, nome dentro do catálogo daqueles que passaram por Naruto. Algumas coisas sobre esta estreia me incomodaram, mas minha principal reação no final foi uma leve confusão sobre o por que essa série parecia ser um grande negócio. Certamente não é horrível, é difícil entender por que algumas pessoas se sentiriam fortemente nessa direção, mas também não me pareceu tão excepcional. Quero dizer, é uma premissa sábia, é estritamente recauchutar um twist; é a torção ao máximo de uma unica ideia (embora essa torção seja central para o enredo). Isso realmente significa que o sentimento forte que provoca se resume à execução, eu acho, e eu nem tenho certeza ainda se isto está no ponto.

Primeiro, vamos tirar os negativos do caminho, para que possamos nos concentrar nas partes boas. A narração - isso era muito pesado para levar tranquilamente. Eu certamente não tenho nada contra Aoyama Yutaka como voz do narrador, ou mesmo com sua performance aqui, e entendo que a narração é parte da construção. Mas isso foi muito para levar. Era uma montanha - quero dizer, era implacável. E isso criou uma espécie de implícito controle da narrativa para garantir que saberíamos quando deveríamos rir. Eu não preciso ou quero isso - eu vou rir quando algo é engraçado (e eu sempre fiz isso com esse episódio) e não vou se não for. Uma das regras mais antigas da comedia é nunca explicar a piada.
Essa qualidade implacável - que se estendeu também aos visuais - deu a todo o episódio uma espécie de qualidade SHAFT que pairava no ar como um cheiro levemente desligado em um elevador lotado. Não deve ser esquecido que Omata fez parte da escola SHAFT. Shouwa Genroku certamente é o trabalho dele que vem a mente quando citamos seu nome, mas Sankarea de 2012 foi muito mais próximo dessa vibe pós-SHAFT que Kaguya-sama está repetindo. Pensar em Monogatari era inevitável para mim. E eu vou dizer que essa execução funcionou bem para mim em Sankarea na maior parte, mas ainda não sei se será o mesmo com essa série. Certamente as composições eram interessantes na maior parte. Omata colocou aqui um foco em composições de cores extremamente minimalistas e paletas de cores muito estreitas, o que lembra muito mais, na verdade, os primeiros trabalhos de Shinbo do que algo da sua própria linha de produção. Ainda na arte, a animação é bastante limitada,  barata na verdade, mas o estilo de Omata simplesmente não requer muita animação; é um diretor mais de composição geral.

Havia três mini-histórias reunidas neste episódio, com cada diretor "ganhando" uma delas (não sei se isso acontecerá toda semana). O mais engraçado dos três foi o capítulo do bento,  e pode não ser uma coincidência que foi o que mais destacou Fujiwara Chika, a secretária do conselho estudantil alegremente tonta e um obstáculo/facilitadora de relacionamento geral. Curiosamente, isso ajuda quando Fujiwara está por perto, porque ela fala tanto que ela antecipa a narração, o que parece uma pausa bem-vinda. Houve algumas boas brincadeiras, visões e outras coisas (a erva daninha e o beijo indireto) e a insensatez juvenil geral das pistas foi exposta muito bem.

Minha preocupação aqui é manter o poder. O primeiro episódio foi exaustivo, sim - minha sensação é que isso é basicamente uma premissa de uma piada. Eu adoro uma boa piada, mas você realmente tem que estar no seu jogo, se você vai ordenhar o mesmo para uma série inteira dificilmente não vai ficar obsoleto em algum momento. Eu vejo o potencial cômico aqui, mas a menos que a execução seja tão espetacular que mude as regras do jogo, eu pensaria que seria necessário haver alguma variação tonal e diversificação de humor para conseguir levar Kaguya-sama por um cour inteiro. Quem sabe, minha leitura pode ser totalmente cancelada e ambas as coisas podem estar a caminho nas próximas semanas. Espero que sim, porque eu realmente quero que esse show funcione. Isso é um bom prato visual que quando bem colocado vai destruir tudo que estiver na frente. Certamente existe uma qualidade distinta Omata que perfura toda a escrita aqui. Kaguya-sama é convencional embora ainda seja bastante charmosa por si só.
Avaliação:      ★ 
***

Bottom Ad [Post Page]