Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Análise Semanalanálise semanal Mob Psycho 100 IIresenharesenha crítica

Mob Psycho 100 II #01 - Em Pedaços | Análise Semanal

Sim, eu vou cobrir semanalmente Mob! Você não pode me oferecer um banquete tão suculento e esperar que eu fique longe dele. Deve haver algumas estreias interessantes para eu cobrir no 'Primeiras impressões', mas é óbvio que estou morrendo de vontade de entrar é em Mob Psycho 100. Então, vamos lá. 

O que mais impressionou no primeiro episódio de Mob Psycho II, sendo o que impressiona e eleva a primeira temporada, é o seu amplo vocabulário visual - algo que Yuzuru Tachikawa surpreendentemente já disse em entrevista não estar se concentrando.  O show é uma corrida de revezamento de estilos e até técnicas de produção diferentes, mas não exatamente da mesma maneira que séries onde muitos artistas idiossincráticos coexistem; vozes pessoais se confundem sob o lápis estrito de Kameda como diretor de animação, e suas linhas ásperas se tornam o elemento unificador desse variado espetáculo (cliquem nas palavras em azul!).


Menos de 1 minuto de episodio e já damos de cara com o poder visual deste programa. Seus planos de fundo e efeitos visuais abrangem o visual vagamente rabiscado de seus personagens, mas ainda são tão bonitos por si sós. O estilo de arte de Mob é muito mais flexível e verdadeiro para os próprios rabiscos de ONE quando observamos, por exemplo, One Punch Man (do mesmo autor) com lentes de comparação. O estilo de arte de Mob permite grande fluidez e todo tipo de embelezamento visual, e a orientação cuidadosa de Yuzuru Tachikawa significa que o espetáculo pode mergulhar naturalmente em um drama psicológico, horror ou farsa total - e este episodio oferece de tudo.  



Existem algumas notórias preocupações quando falamos de continuações. E uma delas é como as produções muitas vezes podem sofrer mudanças significativas na equipe durante o intervalo entre as temporadas - ou às vezes durante a trajetória, mas felizmente Mob Psycho manteve basicamente todos os seus principais jogadores da primeira temporada. Os resultados falam por si mesmos ao longo desta estréia, enquanto nós percorremos primeiro um exorcismo clássico de Reigen e Mob, e depois uma pungente história pessoal no ensino médio de Mob. A direção de Tachikawa parece tão confiante como sempre, e o design geral de arte continua sendo uma maravilha estética. Abraçando a frouxa simplicidade da arte original de ONE, Mob Psycho nesta estreia encontra uma beleza profunda em seus fundos ondulantes, mas ricamente coloridos, e composições consistentemente evocativas.

Essa sensibilidade de design fundamentalmente vívida é ainda reforçada na abundante animação fluida do programa, bem como por seus deslocamentos regulares em estilos visuais totalmente diferentes. Os personagens não fazem apenas caras engraçadas de reação em Mob Psycho - seus rostos se contorcem em caretas pintadas, minimalismo estilizado, ou até mesmo riffs de jogos retrô de 16 bits, todos os quais se sentem estranhamente à vontade neste show esteticamente diversificado. 

É fácil identificar as cenas em que o diretor de animação, Kameda, canaliza suas influências: Imaishi com raízes na comédia de animes clássicos, bem como os momentos impactantes de ação que remetem aos seus trabalhos anteriores, mas não é como se essas duas coisas funcionassem em dois modos alternados - quase tudo pode acontecer a qualquer momento. O mais importante é que esse intervalo não forma uma enciclopédia estética estéril, mas se torna a principal arma do show; mais do que qualquer outro anime de TV recente, Mob cria excitação não apenas pelo que acontecerá, mas por como isso acontecerá. Como seu diretor disse, Mob Psycho é ideal como abrir uma caixinha de surpresas muita divertida.
Agora, abrindo a pasta dos destaques de animação: a sequência mais impressionante de todo o episódio foi trabalho do jovem animador Itsuki Tsuchigami, que, acredite ou não, ainda tem apenas 24 anos! Um jovem talento que já apareceu animando a luta de Mob e Dimple, no episódio 10. Aquela era uma cena em que Tsuchigami lidou com a maior porção, e agora ele está aqui lidando com uma sequência inteira sozinho. É uma cena muito impressionante que mostra um trabalho dinâmico de câmera, animação de fundo e efeitos. A sequencia é polida adequadamente - podemos colocar essa limpeza na conta de Kameda. Dizer que o storyboard do Tachikawa é excelente é tocar a velha fita que todos nos já conhecemos. Itsuki Tsuchigami realmente não recebe os elogios que merece. Outros destaques ficam para Mob em um pequeno serviço, lidando com alguns fantasmas e para o inicio do confronto na primeira parte do episodio. Momentos que enfatizam a sensibilidade de design do programa. 

E, claro, por fim, há a narrativa real. Este trecho, particularmente seu episódio de abertura, está sobrecarregado com a difícil tarefa de replicar a grande primeira impressão que o seu antecessor fez, e eu diria que é alcançado. Em algum nível, as coisas parecem um pouco seguras, mas esse é o efeito de como Mob parece incrível sem esforço. Bons criadores conseguem alcançar esse difícil terreno. Embora a primeira metade deste episódio seja um tanto limitada pela necessidade de reintroduzir todo o elenco, mesmo isso parece uma concessão necessária para o objetivo final de fazer com que isso de fato pareça uma segunda temporada, e não apenas o próximo episódio da primeira temporada. Mob mudou, e as pessoas ao seu redor mudaram também, todas as suas próprias escolhas aqui se sentem como consequências naturais de suas paixões anteriores. Assistir Mob tornar-se uma quantidade conhecida e respeitada neste mundo carrega uma emoção inerente, construindo naturalmente no primeiro relacionamento de Mob, neste episodio, com uma quase-namorada. Emi convida Mob para sair em um desafio de suas amigas. Mesmo isso ainda não é suficiente para transformar Mob contra ela, embora - Emi perceba que a piada é sobre ela, porque Mob chega mais perto de vê-la do que qualquer um de suas supostas amigas. Toda essa sequência com o romance rasgado é ao mesmo tempo angustiante e edificante (e, claro, maravilhosamente executada). O mundo simplesmente não merece o Mob.

A visão de Tachikawa para o show está em desacordo com a maioria das tendências de animes contemporâneas; os fãs hoje em dia preferem as coisas que seguem as linhas dos trabalhos recentes da Ufotable - visual muito limpo dominado pelo CG e pesado no pós-processamento. Mas, ainda assim, Mob existe e eu não poderia estar mais feliz com isso. O que posso dizer que não vai soar como jorrar? Não tem muito, porque isso era tudo, em uma palavra, perfeito. É um episódio perfeito. Mob Psycho é incrivelmente bom!!  

|Director/Storyboard: Yuzuru Tachikawa | Animation Director/KA: Yoshimichi Kameda|

Avaliação:       
***

Bottom Ad [Post Page]