Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Análise Semanalanálise semanal Mob Psycho 100 IIresenharesenha crítica

Mob Psycho 100 II #02 | Análise Semanal

Como todos os grandes diretores de anime, Tachikawa entende e respeita a importância da estimulação intra-episódica - cada episodio é uma jornada narrativa independente, uma construção estável. É a natureza do tipo de série que Mob Psycho 100 é que realmente não importa se um episódio é “autônomo” ou “sério” - eles são todos poderosos e estão todos conectados. É fácil ficar deslumbrado com o espetáculo deste show - em outras palavras, raramente se tem a chance de ver esse tipo de talento em exibição no anime para TV. Mas Tachikawa Yuzuru, o homem empoleirado em cima dessa pilha gigantesca de criadores brilhantes, é tanto um gênio para sua narrativa quanto suas imagens. E com Mob Psycho 100, você não pode separar os dois.
Este é um show cheio de paradoxos. Um protagonista que é o mais poderoso paranormal no mundo (provavelmente) está na pessoa de um menino sensível e gentil. Um vigarista absurdo que também passa a ser o personagem mais descolado em anime. Comédia física absurda, justaposta a uma exploração emocional profunda e sutil, e uma dose saudável de horror. É no encaixe desses elementos díspares que tanto o ONE quanto esta staff realmente exibem as alturas completas de sua habilidades, e em suas mãos até mesmo um episódio aparentemente rotineiro como esse torna-se verdadeiramente excepcional.

Como é tantas vezes, é Reigen quem é o condutor dos eventos aqui. Desesperado como de costume em despertar os negócios, ele arrasta Mob para Cuticle Town, um local para lendas urbanas - não porque ele acredite que alguma delas seja verdade, mas porque esses lugares são repletos de pessoas que acreditam no sobrenatural. Minúscula mesa pronta, ele monta uma loja em um cruzamento movimentado, mas a atenção que ele chama não é do tipo que ele estava esperando. Eventualmente, um membro da associação psíquica local, Shinra Banjoumaru, aparece para repreender Reigen por invadir seu território. Mas quando um cliente aparece pedindo ajuda, ele acaba ajudando Reigen com seu pedido aparentemente impossível - para livrar a cidade de suas lendas urbanas que ela está convencida de que estão contribuindo para suas assombrações pessoais.

Sendo este show Mob Psycho 100, nada é tão simples quanto parece inicialmente. O rotundo Shinra não é só um vigarista, mas ele é realmente um psíquico legítimo; além de sério quanto a isso. Reigen pode intimidá-lo a ajudar de graça (teoricamente Shinra vai ter um corte, mas ...). E apesar do que Reigen diz a Mob, a mais famosa dessas lendas urbanas - “A Arrastadora” - acaba sendo real (em certo sentido, embora as implicações filosóficas dessa afirmação não sejam de forma direta).
Tanta coisa acontece aqui que é difícil acreditar que foram apenas 22 minutos, especialmente porque as coisas nunca foram apressadas. Reigen e Mob partem para investigar a história do cão com cara de humano, e encontram um cão que tem seu rosto escrito com marcador. Reigen novamente mostra suas verdadeiras coisas aqui - a crueldade com os animais não é uma novidade para ele. Enquanto isso, o desafortunado Shinra quase é preso como um pervertido que interroga duas testemunhas crianças  no parque, e depois entra na frente dele um verdadeiro pervertido que também se tornou uma lenda urbana - Capa de Chuva Vermelha. Isso é ruim o suficiente quando o pervertido puxa uma arma de choque.

Se A Arrastadora não é uma lenda urbana real (e não consigo encontrar provas de que ela seja), ela deveria ser. Ela é incrivelmente assustadora e seu backstory soa  com certeza como uma história de fantasmas japonesas clássicas. Dimple entra (literalmente) apenas no momento certo, e a batalha entre Dimple+Shinra e A Arrastadora é absolutamente fantástica. Mas então toda a cena no bosque chuvoso é lindamente desenhada e dirigida - coisas como os respingos de lama no rosto e as árvores podem passar despercebidas se você não estiver prestando atenção. Dimple tem sido tão alterado pela bondade inerente de Mob que ele coloca tudo em risco para salvar Shinra por medo de deixar Mob pra baixo, mas o melhor que ele pode fazer com o corpulento quadro do psíquico é ganhar tempo até que seu pedido de socorro seja respondido.

O destaque de animação é a cena a seguir. A direção de animação de Kamedo faz muito bem para o paladar. Existe uma excelente animação de efeitos aqui, as lightnings de Kamedo estão todas amostra. Um corte jogando com os pontos fortes da animação, mantendo a grande escala da ação e consistência. O monstro cresce mas a presença de Mob nunca é negligenciada. Talvez colocaria na frente, ou ao lado, a batalha entre Dimple+Shinra e A Arrastadora - o traço áspero e esboçado, o movimento rápido e o grande uso de smears. A cena final da Dash Granny certamente não poderia ficar de fora desses destaques - é o poder de Mob em exibição - há uma falta de uniformidade geral na arteTudo parece sujo, mas muito polido. Seu sabor é total, apesar de muitos estilos coexistirem no episódio; muitos animadores idiossincráticos ajudaram, então o fato de que ele conseguiu impor alguma coesão fala muito sobre as proezas de Kameda como diretor de animação - assim como o principal animador, é claro.
Eu amo toda a ideia da A Arrastador - uma lenda falsa que ganha forma pelas crenças combinadas daqueles na selva urbana moderna que ouviram as histórias e foram amedrontados por elas. Como Dimple diz, ela realmente não é real ou falsa, mas em algum lugar no meio - mas isso significa que ela é basicamente impermeável àqueles que a temem, porque é o medo que a torna poderosa. Eu amo ainda mais que a salvação do momento é que Mob é um rolinho de canela tão preservado que ele nunca ouviu falar na A Arrastador ou qualquer outra lenda urbana para esse assunto. E a triste realidade de que a razão não é apenas que ele não se preocupa muito com coisas triviais, mas que ele nunca foi parte de um grupo de garotos perto o suficiente para trocar histórias de fantasmas.

Mob derrota e exorciza A Arrastador com bastante facilidade, mas há uma lenda urbana na cidade que é poderosa demais para ele - Dash Granny, que é como a cereja no topo da história desse episódio. Os poderes de Mob são inúteis contra ela - afinal, ela não é um espírito, apenas uma idosa que arruína a frágil auto-estima de Mob, fazendo com que todo o seu treinamento com Club de Fermento Corporal pareça infrutífero. Mas nem tudo está perdido - um novo aliado foi encontrado em Shinra, parece (espero que sim - ele é incrível) e Reigen finalmente entrou no século 21 e construiu um site para seu negócio. Infelizmente, a julgar pela página inicial, é do início do século XXI.

Como um fã de anime, eu passo meus dias esperando que aquele raro espetáculo clássico de geração apareça, algumas vezes por ano, se tivermos muita sorte - e estamos assistindo a um jogo desses na frente de nossos olhos em Mob Psycho 100 II.
Avaliação:       
***

Bottom Ad [Post Page]