Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Análise SSSS.GridmanAnálise de Animesresenharesenha críticareview SSSS.Gridman

SSSS.Gridman (2018) - Negociação | Review

|Episódios: 12 | Estúdio: Trigger | Fonte: Original | Diretor: Akira Amemiya | Roteirista: Keiichi Hasegawa 
Sinopse 
SSSS.Gridman se passa nos dias atuais do Japão moderno, e gira em torno de adolescentes do colegial que vivem suas vidas diárias, até que, repentinamente, monstros gigantes (kaijus) atacam a cidade.
Analise
O gênero Tokusatsu é a descrição cultural do Leste Asiático para TV e cinema de ficção científica. Embora grande parte desta cultura, Tokusatsu, tenha permanecido razoavelmente regional, algumas exceções imensamente populares, incluindo mas não limitadas a Godzilla, Ultraman e Kamen Rider, tornaram-se um tanto icônicas em escala internacional, incluindo algumas produções ocidentais como King Kong e Pacific Rim. Se algum desses exemplos tocou alguma coisa em você, então você já sabe o que esperar de SSSS.Gridman. É uma boa e velha narrativa do estilo Monstro da Semana; kaijus combatendo mechas gigantes em sequências de ação bombasticamente destrutivas. Dito isto, SSSS.Gridman tem muito mais intriga e personagem do que a fórmula básica de Tokusatsu poderia ter até começar a oferecer e usa a simplicidade inerente do gênero como uma base sólida para criar sua própria obra de excelência.
Semana a pós semana na temporada de outono, continuei a me sentir fascinado pela estranha negociação dramática que ocorria durante cada novo episódio de SSSS.Gridman. Há uma crise de identidade no coração de Gridman, e não estou falando sobre as tentativas indiferentes de nosso protagonista Yuta para recuperar suas memórias. Em termos dramáticos, Gridman constantemente se sente como uma negociação entre dois modos muito diferentes: o drama melancólico e atmosférico transmitido durante o primeiro semestre de cada episódio, e o ensolarado e exuberante drama do robô gigante de seus clímaces. Essas duas metades não são apenas ingredientes separados em uma receita maior; cada um deles carrega seu próprio vocabulário estético, conflitos centrais e até mesmo protagonistas pessoais. Cada parte é uma receita em si. E nisso, eu começo com o que poderia ser a minha conclusão.

Essa negociação entre o 'drama bombástico de robôs' e o 'drama pessoal com foco em tom' também foi uma das principais características do mais claro antecessor estilístico de Gridman, o famoso Neon Genesis Evangelion. No entanto, Evangelion procurou consistentemente fundir genuinamente essas duas influências; as cicatrizes que seu herói Shinji sofreu no campo de batalha alimentaram diretamente seu drama psicológico, enquanto o estresse cotidiano de sua vida civil inspiraria sua dor em batalha. Em contraste, Gridman parece separar intencionalmente seus dois modos principais; os primeiros doze a quinze minutos de um determinado episódio serão discretos, um drama pessoal tonalmente opressivo, enquanto os últimos cinco minutos englobam um espetáculo tokusatsu emocionante e amplamente auto-suficiente. 

Essa divisão clara não é uma falha do trabalho - é uma separação intencional, uma divisão aprimorada pelo trabalho de cores, direção e design de som do programa. A primeira metade de cada episódio tende a ser dominada por roxos sombrios, sombras profundas e uma mistura de cenas que equilibram a intimidade desconfortável com a distância anônima. O foco é geralmente nos sentimentos profundamente conflituosos de Rikka, que o programa suporta com - uma atuação cuidadosa de personagem e muito foco em ambientes detalhados e um ritmo razoavelmente lento. Então, quando é hora de lutar, chega Gridman. Embutido em cores primárias brilhantes e ilustrado através de cortes baseados em poses crescentes, Gridman se sente como um personagem de uma escola de animação totalmente diferente. Enquanto Gridman se aproxima de monstros projetados deliberadamente para se parecerem com atores em trajes de borracha, a exuberante música de abertura do programa corta, criando uma sensação de energia e otimismo que é totalmente estranha ao primeiro semestre de cada episódio. 
Junto com essa divisão estética, os dois pólos de influência de Gridman também são claros em seus personagens. Enquanto Yuta permanece um cypher desde o início, seus dois melhores amigos Utsumi e Rikka, cada um essencialmente incorporam metade do apelo de Gridman. Utsumi se delicia em divagar sobre robôs gigantes e foi pessoalmente responsável pelo nome da equipe de “Gridman Alliance”. Em contraste, Rikka está muito disposta em ressaltar que apenas Utsumi se preocupa com essas coisas, e está muito mais interessada no custo humano de todo esse drama cataclísmico. A personalidade entusiasta e os interesses óbvios de Utsumi agem como um espelho humano da sensibilidade de seu gênero; pensamentos conflituosos em relação a Rikka e relações pessoais ambíguas refletem o gênero dela com a mesma clareza.

A divisão em suas prioridades aparece mais claramente nas relações muito diferentes dos personagens com a nossa antagonista Akane. Como um companheiro entusiasta de kaiju, Utsumi está ansioso para conversar com Akane, trocando informações sobre robôs gigantes pelo tempo que ela permitir. Quando Akane desafia diretamente Yuta e seus amigos na batalha, Utsumi se apressa em se concentrar nos aspectos táticos de como essa batalha pode se desenrolar. Porque seu mundo já venera kaiju, ele é rápido em aceitar o mundo de Akane como ela mesma o enquadra: um estágio fantástico que só pode ser verdadeiramente mudado pelas batalhas titânicas de monstros gigantes.

Em contraste, Rikka tem zero interesse em robôs gigantes, mas um profundo desejo de alcançar Akane como uma pessoa individual. Na falta de espadas de lasers ou mísseis gigantes, seus métodos de se envolver com seus oponentes envolvem comunicação direta com eles e são baseados em sentimentos de alienação, insegurança e afeição por velhos amigos. Mesmo que Akane seja realmente um monstro, a escala do gênero escolhido por Rikka significa que ela sempre tenta se envolver com ela como uma amiga perdida, e se conecta revivendo memórias antigas ou tentando criar novas .
Akane odeia isso. Tanto durante a sua estranha relação em grupo no Karaokê quanto no confronto posterior de Rikka no ônibus ou no episódio final, Akane trabalha duro para manter o foco na mecânica da ficção científica de seu mundo falso, e seu confronto destinado a Yuta. Isso faz sentido, considerando seus próprios interesses e poderes. Akane vive em um mundo onde você não precisa resolver problemas pessoais de maneira madura. Se algo ou alguém te desagradar, você pode simplesmente escolher uma fantasia mais feliz e colocar seu kaiju para trabalhar, destruindo tudo o que está no caminho de sua realidade preferida. Para Akane, é muito mais fácil resolver problemas pessoais através de batalhas com robôs gigantes do que através de envolvimento humano real. Ela é fraca e é covarde; como assumido e confirmado por Rikka.

Em vista disso, no fim Yuta e seus amigos não tiveram sucesso jogando com as regras de Akane. Assim como a presença de Rikka garantiu sua vitória tantas vezes no passado, a priorização do show é no drama pessoal e do genuíno sentimento humano que vence no fim do dia. 

Se você está pensando que alguns detalhes ainda são enigmáticos ou aparentemente ignorados: bem, você está certo. Mas não estou me afastando de GRIDMAN com a sensação de ter experimentado um trabalho incompleto de qualquer forma. Por este ponto, foi dado que o show iria cumprir seus objetivos estéticos. Ele ofereceu uma experiência nostálgica que clicou até mesmo com os espectadores que não tinham experimentado essa franquia no passado (muitos deles, considerando sua relativa obscuridade - eu incluso) porque os criadores entenderam o apelo do gênero em primeiro lugar; aliás, vale aqui muitos pontos ao escritor Keiichi Hasegawa por insistir na abertura original tocando como uma música de inserção, apesar dos pesadelos que isso causou com os direitos de episódios autorais. Posso dizer com segurança que recebemos peças o suficientes para tornar o show um sucesso narrativo e também, o mais importante, tematicamente único. SSSS.Gridman nos encoraja a encarar a vida, mas é uma espécie de programa para rejeitar o escapismo - afinal de contas, foi no mundo em que Akane criou onde ela encontrou seu caminho para seguir em frente. Muito parecido com ela, o diretor da série Akira Amemiya era um nerd tokusatsu que amava séries como Gridman, o Agente Hiper. Isso não significa que toda a série seja autobiográfica, mas acredito que sua tese possa ter sido a mesma conclusão a que chegou, por isso parece tão autêntica.
Dando uma breve olhada por de trás da produção, Yoshihiro Miyajima e o próprio Amemiya são indiscutivelmente os dois diretores mais importantes de todo o show. Nos últimos episódios eles expandiram o vocabulário visual existente, tomando composições existentes que capturaram os sentimentos opressivos de Akane e os trouxeram à sua forma mais extrema e impressionante. O poder do episodio final existiu por conta da base visual solida que haviam criado; a recompensa de um trabalho afiado. Mesmo o vergonhosamente referenciados shots se mantiveram tão evocativos, alcançando aquele equilíbrio mágico de auto-indulgência e pungência divertidas. Até o final, os personagens habitaram uma configuração que parecia uma extensão natural de sua existência devido ao grande número de shots focando em pequenas partes dos cenários, dando uma sensação de autenticidade a um mundo que, embora tecnicamente falso, foi validado também pela mensagem do programa. Embora o último episódio, em especifico, certamente não tenha sido tão mágico quanto os melhores esforços da série.

Ao longo do show, Amemiya mostrou ser um diretor com ideias muito claras e, talvez mais importante, possuindo a capacidade de realizá-las corretamente. Isso por si só seria uma razão para se alegrar, mas estou especialmente feliz por ele ser capaz de canalizar seu amor sem fim por Hideaki Anno em um legado genuíno de seu trabalho. Da mesma forma que a animação dos mechas acenava sem parar para Masami Obari - uma história com um final feliz, apesar de algum atrito inesperado - a direção de Amemiya tomou inúmeras dicas de Anno, usando um conjunto de ferramentas similar para transmitir uma mensagem que todos os fãs de Evangelion estarão familiarizados.

Finalmente, SSSS.Gridman é o verdadeiro curinga da temporada, lidando com uma estranhamente irresistível e muitas vezes absurda fusão de drama de amadurecimento cuidadosamente observado e excesso de tokusatsu entusiasmado. É quase como se o show fosse dois shows; a jornada melancólica de Rikka para encontrar amigos e aproveitar a vida dela, contrastada com os confrontos mal caracterizados de Yuta com uma variedade de monstros gigantes de borracha. Você provavelmente pode adivinhar qual desses dois programas eu mais gosto. Vale colocar que a parte da Rikka (e Akane posteriormente) por si só é provavelmente um dos meus programas favoritos da temporada talvez - eu amo o quão bem Gridman ilustra o anonimato tedioso da sua cidade natal dela, e como ele capta todos os tons distintos de esperança, mal-estar e cinismo que envolvem a experiência adolescente. Infelizmente, Gridman nunca estende essa mesma meticulosidade de caracterização a Yuta que ele oferece consistentemente a Rikka e Akane. Ainda assim essa certamente se tornar uma produção genuinamente grande e duradoura. 
Gridman é uma mistura fascinante de elementos, e isso é sem dúvida um dos seus pontos fortes. Não é um show de tokusatsu, kaijuu ou mecha, não é Trigger (embora seja literalmente claro), não é Gainax - mas tem elementos de todas essas coisas. Realmente parece que esta pode ser a primeira série - Trigger ou não - a evoluir o modelo Gainax para uma nova forma, algo que se baseia nele, mas se estabelece como algo fresco e novo. Amemiya Akira não é alguém que estava proeminente no meu radar, mas ele está agora - ele é um formidável talento, e a equipe que ele montou para Gridman fez um trabalho verdadeiramente fantástico no lado da produção. 

Entretanto nem tudo são rosas. Em última análise, eu diria que enquanto eu gostava muito de Gridman, eu me sinto emocionalmente distante da produção por uma variedade de razões. A maior questão, que eu considero uma grande falha no programa, é que ele tendia a priorizar a santidade e o fascínio de seus mistérios sobre a solidez emocional de seus personagens. O próprio Yuta nunca foi uma pessoa, apenas um mistério à espera de ser resolvido - e apesar de Akane ter recebido muito mais caracterização, sua reconciliação final com Rikka me pareceu vazia porque as duas nunca realmente possuíram um relacionamento ativo. A situação de Akane acabou se tornando mais uma metáfora inteligente do que uma genuína luta humana, me deixando agarrada a algo para me agarrar emocionalmente.

Dar um passo para trás e tentar decidir onde Gridman se encaixa na grande foto dos animes de 2018 não é fácil. Para começar, é obviamente muito bom ainda com seus problemas e vou falar mais sobre isso novamente este ano (em artigos). É um milagre que uma série Trigger que é principalmente uma homenagem a um programa que eu nunca assisti em um gênero que eu conheço pouco me arrebatou tanto quanto ele. Isso é um testamento tanto do magnífico diretor de empregos Amemiya Akira e da equipe quanto do fato de que SSSS.Gridman é uma homenagem a muito mais do que apenas Ultraman ou tokusatsu. É também uma carta de amor para Evangelion especificamente, e para animes mecha e Gainax em geral. Ele celebra o que veio antes dele sem ser um escravo e evolui a obra Gainax (e Hideaki Anno) de uma maneira que eu realmente não acho que tenha sido feita antes.

SSSS.Gridman é a melhor série de trigger de todos os tempos? Para mim, essa é uma pergunta ridiculamente fácil de responder de maneira afirmativa - não é menos do que o show que eu esperava deles quando o estúdio começou a existir. O fato de ter sido tão diferente do modelo Trigger usual é um bom sinal para o futuro do estúdio. Acredito agora ser questão de tempo até a próxima série da franquia de anime SSSS.Gridman, como esta série com certeza será um blockbuster comercial dificilmente vai terminar aqui. Seja o que for eu estarei assistindo com antecipação - e posso dizer que sendo um show da Trigger é talvez o maior elogio que posso dar a Gridman. Enquanto sempre se sente como sua própria coisa, Gridman sentiu-se como um digno herdeiro do intangível espírito Gainax, uma ocorrência rara.
Nota Final: 8,5 (Excelente)
***

Bottom Ad [Post Page]