Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Análise Semanalanálise semanal Mob Psycho 100 IIresenharesenha crítica

Mob Psycho 100 II #06 | Análise Semanal

Tem sido difícil resolver meus pensamentos gerais quanto a Mob Psycho desta semana, embora tenha sido certamente um episódio impressionante em muitos aspectos. A ilustração da crescente confiança social de Mob e do colapso de Reigen era bela, mas o ponto de virada do episódio pareceu terrivelmente fora do personagem de Reigen. Mas vamos com calma. Estava obvio que as coisas seriam consideravelmente mais discretas do que o blockbuster da semana passada (realmente só havia uma direção para seguir depois daquilo), ainda assim eu não estava pronto para tudo isso. 

Não funciona como algo novo, é fazer circular um ar já circulado, mas aquilo que realmente torna Reigen um personagem de destaque é a sua natureza paradoxal; é a espinha dorsal de seu charme e poder. Há duas facetas para ele (eu ia dizer “caras”, mas isso implica uma duplicidade que eu não acho que exista) em quase todos os sentidos. Quero dizer, enquanto ele é um cara incrivelmente legal e fodão (até agora pelo menos) ele sempre foi confiável na embreagem, mas ele também é um idiota. Na maioria das vezes ele é um babaca a serviço do bem, então não é um problema. Mas nós vimos um lado dele esta semana que nós realmente não tínhamos visto antes - ou pelo menos não que eu me lembre e não desta forma.
Se tem havido um tema recorrente na montanha-russa estilística dos primeiros seis episódios desta temporada, é a busca de Mob por respeito próprio. Isto é certamente apropriado, porque ele está na idade em que ele deveria estar se descobrindo - o fato de que ele é um paranormal incrivelmente poderoso tem pouco a ver com isso. Todas as armadilhas de ficção científica e fantasia são o brilho e o flash aqui, mas a história é, no fundo, uma visão relativamente simples da adolescência. E Mob - começando com o episodio de estréia com a afirmação de Mob de que ele estava tentando "ouvir seus próprios sentimentos mais" - está crescendo diante de nossos olhos. Excepcionalmente sortudo pelas pessoas que ele tem ao seu redor, sim, mas Mob tem amigos agora. Amigos que genuinamente gostam e se importam com ele. 

Aqui, então, há outro paradoxo com Reigen. Apesar de ser uma fraude, ele ainda é o protetor de Mob - e na maior parte do tempo, ele conduz Mob para a direção correta, especialmente onde seus poderes estão envolvidos. Mas ele também está se aproveitando de Mob, que faz o trabalho legítimo. É um testemunho de quanto Mob cresceu (todas aquelas flexões emocionais que ele vem fazendo) que ele está finalmente pronto para enfrentar Reigen quando ele deixa um passeio divertida com os membros do clube de Fomento Corporal/Telepatia (incluí a primeira experiência de karaokê de Mob), apenas para ser tratado de forma bastante miserável por seu mestre.

Primeiro, é 100% saudável que Mob tenha decidido que precisava de uma pausa em relação ao Reigen. Ele merece uma chance de ter uma infância normal, enquanto há um raro momento de paz. E segundo, Reigen foi de fato um idiota para com Mob lá - quero dizer, quase ao ponto em que parecia fora do personagem. Ele incansavelmente cutucou todos os pontos doloridos e inseguros de Mob - o que era uma coisa incrivelmente desagradável de se fazer e, se formos honestos, não há como alguém tão perspicaz quanto Reigen não saber exatamente o que estava fazendo. Nós vimos um lado feio de Reigen aqui - incluindo o fato de que ele é possessivo para com Mob e ciumento com a ideia de que Mob tem amigos fora ele. 
Indo para a parte B do episódio, que foi, para ser sincero, meio desagradável para mim. Eu entendo que era para ser, mas acima e além disso. Não é divertido ver um homem tão desmontado por ser rejeitado por um garoto de 14 anos que ele cai em um ciclo de desespero. O fato é que é Reigen, não Mob, que não tem amigos além do outro. E talvez o mais desagradável de tudo, nós vemos como a vida de Reigen - profissional e pessoal - é sem o Mob na mesma (sem mensagens em seu aniversário além da sua mãe). E é inquietante, não reconfortante, que ele possa ser tão bem sucedido financeiramente confiando 100% em falsidade e besteiras. Por tudo o que Reigen tem sido positivamente na vida de Mob (e ele o salvou mais de uma vez), este episódio não deixa dúvidas de que conhecer Mob também tem sido um fator extremamente positivo na vida de Reigen. Nós vimos esta semana como Mob traz a superfície o pior em Reigen, mas ele também traz o que há de melhor nele.

Por enquanto, parece bastante claro que Reigen surfou a onda da fanfarronice e agora está muito longe da praia, se metendo no fim em sérios apuros. A aparição na TV com um Kirin Shodo extremamente irritado tem desastre escrito por toda parte. Eu não tenho dúvidas de que Mob iria ao auxílio de Reigen se ele soubesse que ele estava com problemas, e ele provavelmente irá para cá. Há um genuíno carinho e até mesmo amor entre esses dois, apesar do lado disfuncional de sua parceria que estava em exibição esta semana, e que vai sair vitorioso no final. 

No fim, está claro que o temido isolamento pelo qual Reigen estava falando sobre Mob estava vindo de um lugar muito pessoal, mas Reigen tem apoiado tanto Mob por tanto tempo que tê-lo voltado a incomodar seu empregado me parecia uma traição ao seu crescimento... Naturalmente, um dos muitos subtemas de Mob Psycho é o reconhecimento de que o crescimento pessoal é um processo complexo e muitas vezes tortuoso, conforme ilustrado pelo caminho errante de Ritsu na primeira temporada. Reigen tem tentado o seu melhor para ser um mentor para Mob, mas ele ainda é um jovem excessivamente orgulhoso e controlador, que escreve sobre suas vastas falhas pessoais com explosões de bravata. À luz de tudo isso, eu posso pelo menos acreditar que Reigen poderia agir assim... mas ainda parecia mais muito mais uma invenção narrativa do que um drama orgânico, vindo tão abruptamente depois de tanto material de "Reigen está crescendo como mentor".
Avaliação:       (+++)
***



Bottom Ad [Post Page]