Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Autor e ObraHGS TopicIndústriaMatériaNOTAS

NOTAS: Desconsiderando o Autor:

E lá vamos nos para mais um texto "semanal", e aqui eu abro uma sub-categoria - as "notas". E o que seriam? Textos bem menos carnudos que os artigos comuns. Acredito ter assuntos pequenos que merecem ser comentados e, para isso, serve essa categoria. Terminado os preâmbulos vamos lá. Recentemente eu recebi a seguinte pergunta (no curiouscat): Qual a sua opinião sobre a ideia do autor não ser mais avaliado como uma pessoa? Você acha que uma obra pode ser lida ignorando completamente o criador e seus pontos de vista, seja político/social? Deveria?

Eu diria que "ignorar o autor como pessoa" é basicamente apenas uma lente potencial para olhar para a ficção, e neste momento, é muito desatualizado. Não porque somos "obrigados" a olhar para trabalhos dentro de contextos maiores ou não, mas apenas porque e na verdade é como eles existem. Em outras palavras, não é preciso olhar para a configuração social do período em que uma obra foi concebida, ou a visão politica/social desse autor, porque essa obra já existe assim. Os trabalhos artísticos não podem ser simplesmente cortados das bordas da página - eles refletem seu criador, seu período de tempo e muito mais, e ao envolver-se ativamente com todas essas coisas (caso queira), você pode obter uma imagem muito mais rica e mergulhar muito mais profundamente no que um trabalho contém. Diria ser uma questão muito mais de escolher fazer isso ativamente ou passivamente.

Recentemente, assisti ao primeiro episódio de Penguindrum, onde esse tipo de descompactação é basicamente necessária pelo texto do show. Não só a visão de mundo específica de Ikuhara está profundamente enraizada na narrativa, mas também abertamente referências culturais como Ginga Tetsudou no Yoru e o ataque com gás sarin ao Metrô de Tóquio em 1995 -  e uma compreensão de como esses pontos refletem sobre o texto é quase literalmente necessário para se envolver com o que o show está tentando dizer. Mas mesmo quando as referências de um trabalho não são tão explícitas como essas, elas ainda estão lá - autores não são distribuidores sem rosto de obras perfeitamente concebidas, são indivíduos vivendo vidas individuais em períodos de tempo individuais e todas as coisas que eles viram, experimentaram e acreditaram acabaram por chegar à sua ficção.

As pessoas não podem existir fora das visões de mundo - elas são literalmente como concebemos o mundo e decidimos o que parece normal ou anormal não apenas em um sentido cultural, mas também dramático. Muitas cenas em obras antigas de ficção não terão o "efeito pretendido" em uma audiência moderna, porque as audiências modernas existem fora dos pressupostos culturalmente enraizados que fazem um ou outro evento parecer chocante ou mundano. É por meio do envolvimento com o autor e seu próprio mundo que tais histórias ainda podem ganhar vida para nós - e ao abraçar essa janela para dentro do mundo do autor, ganhamos um melhor senso da humanidade final da escrita.
***

Bottom Ad [Post Page]