Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Carole & TuesdayKunihiko IkuharaMatériaprimavera 2019SarazanmaiShinichiro Watanabe

Os dois animes para ficar de olho em abril de 2019!

A temporada de inverno está realmente diminuindo neste momento, o que significa que eu já comecei a esperar pelo que podemos esperar da primavera. E, deixe-me lhe dizer, esta primavera vai ser muito interessante - com algumas adaptações e produções originais interessantes, claro, mas o seu brilho esta na volta de dois criadores talentosos em particular. Embora seja bastante fácil recomendar programas como Kimetsu no Yaiba com base em seu amado material fonte, além de seu estúdio, sinto que a recompensa da próxima temporada é mais aparente no fato de que dois dos diretores de animes mais venerados estão retornando para lidar com novas produções. Você não os conhece? Não se preocupe, eu cuidarei disso. Então, hoje, vamos destacar esses dois titãs e talvez nos concentrarmos naquilo que podemos esperar de seus próximos shows!
Sarazanmai (Kunihiko Ikuhara)
Começando pela sobremesa. Daqui a algumas semanas, o mais novo anime original do diretor Kunihiko Ikuhara, Sarazanmai, vai ao ar no Japão. E eu acredito que poucos animes são tão imersivos, ambiguamente tanto tímidos quanto diretos com seus simbolismos, e tão emocionalmente afetivos quanto os trabalhos originais de Ikuhara, como acontece em Shoujo Kakumei Utena, Mawaru Penguindrum e Yurikuma Arashi. Todos eles têm algo importante a dizer e recompensam a observação (e a re-observação) com um olhar atento. Dizer que estou ansioso por Sarazanmai é um eufemismo.

Eu raramente faço previews de séries, mas no meu interesse de cavar principalmente Sarazanmai o mais cedo possível, e organizar meus próprios pensamentos antes do primeiro episódio ir ao ar em 11 de abril, eu estou aqui.

Kunihiko Ikuhara tem uma voz sensacional em anime que é diferente de qualquer outra. Todos os animes do diretor são fundamentalmente sobre ele, para melhor ou para pior. Sua estética é única e sua influência criativa sobre suas séries é abrangente. E todos eles, bem sucedidos ou não, ao menos se destacam da multidão. Contendo uma visão de vanguarda no meio animado, Ikuhara está sempre encontrando maneiras socialmente conscientes de ultrapassar as fronteiras narrativas de anime. As ideias subversivas de Ikuhara e o estilo de direção não convencional foram fundamentais na redefinição do anime shoujo e garotas mágicas - e abriram caminho para uma nova escola de talentos em animes.
Ikuhara é tido como um dos diretores mais importantes que mantêm a escola Dezaki viva. Onde suas praticas se voltam a pensar não apenas na animação, mas em como apresentá-la. É o sentimento encenado que caracteriza a escola Dezaki. E sobre isso ele desenvolveu sua própria visão, que está ainda mais profundamente enraizada na tradição teatral e particularmente adequada para estudos sociais - e é por isso que, em alguns níveis, Revue Startlight se sentiu estranho, já que foi o conjunto de ferramentas de Ikuhara aplicado a uma narrativa menos ressonante. O diretor sempre teve essa efeito inspirador nos jovens que trabalham com ele

Falar de Ikuhara é falar de Sailor Moon. Assim como não só Sato foi, mas também Igarashi, Ikuhara foi uma das forças motrizes por trás do sucesso do fenômeno internacional, Bishoujo Senshi Sailor Moon. Desde o começo, Ikuhara tinha uma forte noção de como ele queria usar a estrutura folgada e episódica de Sailor Moon como uma câmara de testes para suas ideias futuras. Boa parte do seu tempo foi gasto como apenas um diretor de episódios ocasionais da primeira temporada, mas ele já estava ali gritando. Um exercício a ser feito, que eu recomendo, é encontrar o diretor ali no meio - você encontrou algo fora do comum? Bem, é isso, você achou. Seus episódios eram acima. Sua comédia desordenada, cenários oníricos e ocasionais acenos ao clássico cinema americano foram uma surpresa agradável em um anime que já concedia à sua equipe muita liberdade criativa.
Mas foi somente em Sailor Moon S onde Ikuhara obteve uma voz como diretor definitivo. O diretor ainda fez a sequencia, Sailor Moon Super S, mas após esta temporada ele deixou a Toei Animation para seguir seus próprios sonhos e criar sua maior obra, sim - Shoujo Kakumei Utena. A sua obra prima. 

Utena foi criada como se Ikuhara estivesse criando um trabalho que incorporasse todo o caos e conflito dos papéis de gênero do Japão, partindo para subverter todas as expectativas da audiência. A heroína, Tenjou Utena, é uma garota honesta e franca que ficou tão encantada com o príncipe de sua infância que cresceu querendo se tornar príncipe ela mesma. Embora Utena seja inicialmente descrita como virtuosa, seu personagem é jogado em tumulto quando ela é forçada a duelar pela posse da Noiva da Rosa, Himemiya Anthy. A direção visual de Ikuhara em Shoujo Kakumei Utena possui uma qualidade surrealista única que favorece a narrativa emocional de seu elenco. À medida que a série avança, objetos mundanos como beisebol, mesas e carros começam a aparecer em ambientes dos quais normalmente seriam afastados. A direção visual misteriosa e divertida de Ikuhara é repleta de simbolismo, pois fragmentos da psique do elenco se manifestam de maneiras estranhas e maravilhosas por ela.
Apesar de lidar com assuntos sensíveis em seus animes, como os ideais opressivos nascidos de uma estrutura patriarcal, Ikuhara nunca se esquivou de ser sincero sobre suas ideias e se opor a escolas convencionais de pensamento. Ikuhara sempre foi um idealista, às vezes deixando suas ambições obscurecerem a logística de uma produção menor. No entanto, como os seus trabalhos recentes pós anos 2000 provam, a voz de Ikuhara é incrivelmente valiosa para completar o anime como um meio diversificado de contar histórias.

Shoujo Kakumei Utena usou o Takarazuka Revue e outras armadilhas do teatro - as Kashira/Shadow Girls como um elemento de coro grego, por exemplo - juntamente com uma estrutura de conto de fadas para quebrar um ciclo tóxico. Mawaru Penguindrum usou iconografia e os livros do Haruki Murakami para aborda diretamente as conseqüências sociais do gás sarin no metrô de Tóquio pelo culto Aum Shinrikyo em 1995Yurikuma Arashi usou filmes de terror como Suspiria (1977) e Psicose (1960) junto com o incidente do urso pardo de Sankebetsu para denegrir aspectos tóxicos ou desatualizados de como a mídia vê relacionamentos lésbicos. De acordo com o próprio Ikuhara, Sarazanmai usará o folclore japonês do kappa aliado a tecnologia moderna para contar sua história. “Vivemos em uma época em que, com nossos smartphones e mídias sociais, conectar-se com as pessoas é uma atividade diária - então eu queria perguntar: o que isso tudo significa? O que queremos fazer com [essas conexões]? ”, Disse Ikuhara nesta mesma entrevista.

Enquanto Mawaru Penguindrum usava algumas armadilhas da mídia social e os “vilões” em Yurikuma Arashi fizeram suas chamadas por smartphones, Sarazanmai parece ainda mais conectado as tecnologias modernas e à sua onipresença em nossas vidas diárias - o mundo mudou muito no curto espaço de tempo desde Yurikuma Arashi (2015)Baseado em tudo o que vimos até agora, Sarazanmai parece ser um digno herdeiro do legado de Ikuhara, com suas anteriores visões, parecendo cair em algum lugar entre o drama do mundo real de Penguindrum e a fantástica sociedade segmentada de Yuri Kuma Arashi. E eu assumo que se juntar a um estúdio como o MAPPA significa que esse projeto não vá sofrer com a animação, como Yurikuma sofreu. Uma das figuras mais importantes da industria está voltando, e ela parece inspirada a trazer alimento fresco. Se eu estou empolgado? Eu estou no meu limite!  
Carole & Tuesday (Shinichiro Watanabe)
É sempre um grande negócio quando Shinichiro Watanabe volta para os animes de TV, um evento muito raro hoje em dia. E ele está de volta à Bones também, onde ele produziu alguns dos melhores trabalhos de sua carreira. Sendo assim, vamos alinhas as coisas. 

Depois de Hayao Miyazaki, Shinichiro Watanabe é provavelmente o nome mais reconhecido dos animes para muitas plateias ocidentais. E por uma boa razão - seu projeto Cowboy Bebop foi um trabalho seminal em trazer animes para um público estrangeiro mais amplo, e essencialmente incorporou a combinação de construção de mundo de fantasia, estética estilosa e ação de alto nível que levou muitos a se apaixonarem pelo meio. Mas Watanabe dirigiu muito mais do que Cowboy Bebop, e parece que sua mais nova criação será baseada em toda a extensão de seu cânone. Então, o que faz Shinichiro Watanabe funcionar?

As habilidades de Watanabe foram inicialmente aprimoradas na Sunrise, onde ele dirigiu Macross Plus OVA de quatro episódios. De lá, ele imediatamente pulou para Cowboy Bebop, que combinaria o combate aéreo e a estética de Macross com algumas de suas paixões pessoais. Ele trabalhou com muitas pessoas de peso em Macross Plus, então, naturalmente, ele os chamou para trabalhar em Cowboy Bebop quando a oferta chegou. Exceto por Shoji Kawamori, a quem ele não convidou, mas que ainda apareceu. Watanabe é claramente um estudioso do cinema ocidental, e seu amor por westerns, noir, dramas de crime e outros gêneros cinematográficos classicamente americanos se expressaria não apenas em suas narrativas abertas, mas também nos storyboards e no tom geral de suas produções. Esses toques estilísticos americanos em Bebop se misturariam naturalmente com um senso de impermanência mais japonês, resultando em um espetáculo cuja fusão de convenções de filmes clássicos, narrativa futurista e tom estranhamente contemplativo, no jargão da abertura de Bebop, criaria um gênero em si mesmo.
Embora o sucesso de Bebop tenha provocado muitos de seus principais criadores para formar o estúdio Bones, o próprio caminho de Watanabe já demonstrou toda a sua gama de paixões. Samurai Champloo se aproximou do modelo fornecido por Bebop ("armas errantes para contratar exploram um mundo rapidamente auto-civilizado contrastado com um contraponto musical inesperado"), mas Sakamichi no Apollon apresentou seus interesses através de um prisma inteiramente novo, enquanto ainda mantinha suas paixões centrais.

Embora "adolescentes se conectando através do jazz no Japão pós-Segunda Guerra Mundial" pareça muito longe de Bebop, o foco em vagabundos sociais, sobre um pano de fundo de um mundo instável e evoluindo, e o poder da música, e os resultados são impressionantes. Watanabe sempre teve uma paixão clara pela música, mas isso geralmente se expressava na trilha sonora e nos personagens secundários de seu mundo; em Sakamichi no Apollon, suas pistas reais eram músicos pela primeira vez, resultando em algumas das performances mais cativantes que eu vi em qualquer anime.

Ainda mais recentemente, Zankyou no Terror transpôs muitas das preocupações de Sakamichi no Apollon para o Japão moderno. Apesar de não ser um projeto plenamente realizado, seus esforços são validos. Mais uma vez, “adolescentes marginalizados lutando contra o governo por meio de atos de terrorismo” parece um pouco distante de seu trabalho anterior, mas como em Sakamichi no Apollon, os fundamentos são todos profundamente Watanabe. Vagabundos da sociedade, encontrando famílias entre os marginalizados, uma sociedade instável que ataca essas pessoas e um império imponente sobre tudo isso - esses fatores permaneceram constantes nas narrativas do mundo real de Watanabe e são claramente fundamentais para sua percepção do mundo. Embora a música se voltasse novamente dos personagens para a trilha sonora, todos os melhores momentos de Zankyou no Terror falam de seu amor por exilados e sonhadores, e sua capacidade de elevar suas histórias ao mito através da cor e do som.
O Carole & Tuesday da próxima temporada parece que vai aproveitar cada parte do legado de Watanabe para criar algo inteiramente novo. Watanabe deliberadamente reúne equipes de criadores com necessidades muito específicas em mente. Ele é uma das figuras patrulheiras do setor, não importa o campo, ele não tem medo de entrar em espaços não-animes para encontrar o talento que procura. Desta vez, o mestre se uniu ao escritor Watanabe Aya (nenhuma relação, até onde eu sei), que é bastante conhecido como roteirista de dramas, mas nunca trabalhou em animes antes. 

Carole & Tuesday é uma espécie de mistura de duas telas de assinatura de Shinichiro Watanabe, ficção científica e música. Voltamos para o futuro de marte de Bebop, mas nossas duas estrelas aqui, por sua vez, lembram os heróis mais recentes de Watanabe - duas jovens que encontram uma conexão através da música, apesar de viverem em uma sociedade onde a maioria da arte é projetada por computadores. A premissa contém tons de Bebop, Sakamichi no Apollon e Zankyou de uma só vez, e as prévias até agora demonstraram todo o estilo de direção e estilo fundamental que tornam todos os seus shows excelentes. Não importa se você acompanha Watanabe e Ikuhara desde o início ou não faz o check-in desde Bebop, espero que esteja animado para Carole & Tuesday e Sarazanmai, eu mal posso esperar para vivenciar isso.

Bottom Ad [Post Page]