Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Entrevista com Maasaki YuasaEntrevistas

Entrevista Maasaki Yuasa - Possibilidade de Devilman Crybaby 2, excesso de trabalho na indústria e mais

O ANN fez uma nova entrevista com o ilustríssimo diretor Masaaki Yuasa, sobre seu novo filme Kimi, Nami ni Noretara, excesso de trabalho na indústria de animes e sobre as expectativas do diretor para uma possível continuação de Devilman: Crybaby 2.

O mais novo projeto da Yuasa é o filme Kimi, Nami ni Noretara. Sua nova história original, Riding a relação entre uma surfista universitária e uma garoto do corpo de bombeiros. No entanto, quando foi perguntado ao diretor do que se tratava, sua resposta foi um pouco diferente: “É uma história de amor pura sobre um casal que realmente gosta um do outro.” No entanto, mesmo isso é apenas a ponta do iceberg.

Para saber do que se trata o filme, você precisa voltar ao seu início - quando Yuasa estava vendo seu trabalho cinematográfico anterior, Lu over the wall, após o seu lançamento. “Minha resposta ao assistir ao filme foi: 'Talvez fosse melhor se eu tivesse feito isso. Talvez tivesse sido melhor se eu tivesse feito aquilo'”. Essa falta de confiança em seu próprio trabalho formou o núcleo do que se tornaria uma Kimi, Nami ni Noretara. “Eu sinto que há muitas pessoas que não têm autoconfiança como eu”, continuou Yuasa. “E esta é a história de dois protagonistas que carecem de autoconfiança.”
Como em Lu over the wall, a água também é importante para a sua nova história - um protagonista é um surfista e o outro um bombeiro afinal. "Ela expressa - e serve muito - muitas coisas", disse Yuasa sobre a água. “Como o encontro casual dos personagens ou o cenário do filme.”

Yuasa gosta de água em um nível artístico: 
A água não tem forma definida. É divertido desenhar, mas parece que tem uma personalidade destrutiva, sabe? Mas mais do que apenas o visual, a água serve como a chave metafórica para todo o filme. É uma história sobre nossos instintos em relação à água. Enquanto é um filme sobre surf, o tema principal é realmente 'surfar as ondas' - as ondas da vida.
Há aqueles que dizem que não gostam de ondas, mas se você não tentar surfar as ondas, nunca entenderá. Algumas pessoas têm medo das ondas. Alguns se preocupam com o fracasso. Mas você nunca saberá se não tentar. Tudo bem se você falhar […] E é muito divertido andar bem nas ondas.
Passar esta mensagem para os espectadores é porquê de Yuasa estar fazendo seu novo filme: “Eu quero apoiar aqueles que tentam 'surfar as ondas'. Esse é o sentimento que construiu dentro de mim. E esse foi o tema que eu queria continuar seguindo depois de fazer Lu. ”

Depois de falar sobre seu novo projeto, a conversa mudou para a criação de anime em geral. Em sua entrevista oficial ao Festival Internacional de Cinema de Tóquio, Yuasa fez referência às notórias condições de trabalho dos tradicionais estúdios de anime no Japão. Como Yuasa trabalhou em estúdios de anime tradicionais e formou o seu próprio estúdio, Science SARU, perguntei-lhe se ele iria expor suas opiniões sobre o problema do excesso de trabalho na indústria de anime japonesa.
"Tornou-se um problema na indústria de anime - bem, também tem sido um problema há muito tempo". Embora agora seja fundador de seu próprio estúdio, Yuasa não se esqueceu de como era nas trincheiras: “Quanto ao que eu me lembro, você fazia o que podia pela sua empresa, tentando não exagerar e pensando sobre como fazer melhor o seu trabalho. […] Todos canalizaram seu poder e faziam o melhor que podiam como trabalhadores. [...] Na pior das hipóteses, era difícil e cansativo. ”

Yuasa coloca a culpa pelo excesso de trabalho na indústria aos pés da cultura de trabalho japonesa, em vez dos próprios estúdios. "Eu acho que os estúdios que forçam as horas de trabalho impossíveis são poucos", disse ele, dando sua visão sobre a mentalidade de um funcionário do estúdio. “Em vez disso, como trabalhador, você pensa 'mesmo que seja barato ou mal escrito, eu quero criar a melhor coisa possível'. Então você tenta o seu melhor. Eu entendo [o sentimento], mas provavelmente não é tão bom fazer isso. ”

Em seu próprio estúdio, Yuasa tentou seguir um modelo inspirado no Ocidente: “Nós descansamos regularmente. Dias de folga realmente são dias de folga. Não trabalhamos em todas as horas da noite ”. Ele acrescentou: “É uma regra da empresa ”.

Por enquanto, Yuasa acredita que a cultura de excesso de trabalho em estúdios de anime pode e deve ser reformada - para o bem da anime no mercado mundial, se nada mais. "Eu acho que há muita esperança [para a indústria de anime do Japão]", explicou Yuasa. “Mas mesmo dizendo isso, pois vender um anime de sucesso em todo o mundo é diferente de vender um no Japão. Para o trabalho em si vender no mundo todo, precisamos de um ambiente de trabalho melhor”.
Para encerrar, foi perguntado ao Yuasa se ele faria uma sequência para Devilman Crybaby, já que o mangá original tem várias sequências potenciais para escolher. "Se eu tivesse a chance, eu faria", ele respondeu rapidamente antes de expor um pouco. "Como há muitos cenários diferentes e formas de contar a história, se eu tivesse tempo - se tivesse a chance - gostaria de tentar."

Mas uma sequência de Devilman não é o único trabalho de Go Nagai que Yuasa gostaria de tentar. "Eu amo Mazinger Z e Cutie Honey - que tem um monte de pedaços lascivos", ele sorriu. "Eu entendo sua lascívia e vejo a diversão nele."

Bottom Ad [Post Page]