Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

|Episódios: 23 | Estúdio: Production I.G | Fonte: Original | Diretor: Kazuya Nomura | Criador Original: Shion Miura 

Run with the Wind é a mais recente série a sair que eu acho que realmente exemplifica como os animes de esportes tem uma área de atuação de poder tão grande. Sem adoçar em nada, - eu sinto que Run with the Wind é legitimamente um dos melhores animes de esportes em anos. 
Em primeiro lugar, talvez seja útil saber um pouco sobre o pedigree desta série. Run with the Wind marca o retorno da mais forte equipe de produção para TV da Production I.G., liderada pela produtora de animação Keiko Matsushita; o pessoal que nos trouxe Haikyuu!! e Ballroom - então você sabe que a equipe tem uma compreensão clara do drama esportivo. Após lidar com estes dois materiais, sua especialização em retratar esportes onde o movimento e as posturas dos corpos dos atletas são fundamentais é nítida. 

Ainda se faz relevante ressaltar outro nome - o character designer Takahiro Chiba, um membro regular da equipe de Keiko Matsushita. Sua contribuição para ambos Haikyuu!! e Ballroom e Youkoso como um dos principais diretores de animação foi fantástico e aqui visualizamos a qualidade de seu trabalho melhorando; frutos de estar trabalhando com seu próprio conjunto de designs extravagantes. 

Sim, estamos com uma equipe de gabarito que fez dois afiados projetos. No entanto, em vez de sua típica série de um mangá shonen em andamento, desta vez eles estão lidando com uma história contida pela aclamada romancista Shion Miura (Fune wo Amu); que em vez de se concentrar apenas na rota tradicional de um protagonista adolescente assombroso que tem um “sonho” á ser conquistado, “Run with the Wind” é o que você chamaria de um programa esportivo. A história nos apresenta Kakeru e Haiji, dois estudantes universitários com sentimentos fortes e confusos em relação à corrida. Ao longo de um ano, Haiji levará Kakeru e seus outros oito companheiros de dormitório a treinar e competir na Hakone Ekidden, uma punitiva maratona de revezamento de dez partes em todo o Japão. É claro, isso é só se eles conseguirem se classificar para a maratona... e também individualmente se qualificar pelo tempo... e também conseguirem ser convencidos a correr em uma maldita maratona em primeiro lugar.
O processo de Haiji de convencer nove estudantes universitários mal-humorados a treinar para uma maratona consome a primeira parte da narrativa de Run with the Wind e demonstra um dos seus maiores e mais inesperados pontos fortes: sua incrível capacidade de transmitir o ritmo e o tom da vida em um dormitório universitário. Apesar de todas as estrelas de Run With the Wind terem suas próprias histórias para contar, grande parte da caracterização desse show acontece em momentos incidentais brilhantemente observados, enquanto Haiji e o resto brigam por classes, dividem tarefas e geralmente vivem suas vidas universitárias. Apesar de eu não chamar Run with the Wind de um slice of life, ele é capaz de capturar uma experiência vivida e um senso de amizade mútua com uma graça característica dos melhores. 

Na primeira leva de episódios, o anime apoia-se na comédia e no apelo à slice of life para nos assegurar que determinados personagens não estão realmente condenados, e que o compromisso com o plano de Haiji é realmente trabalhando e é precisar dar o devido tempo.
Essas cenas diárias de forma convincente levam naturalmente a outra das grandes forças de Run with the Wind: seu incrível dom para esculpir personagens simpáticos e relacionamentos ricos e amargos. Com uma equipe de dez pessoas, seria fácil para metade do elenco da série se perder na multidão, mas a cada um deles é dado bastante tempo para se expressar, encontrar seu próprio relacionamento com a corrida e, finalmente, contribuir para uma maior e amorosa equipe. Quer se trate de King tentando conciliar práticas de maratona e entrevistas de emprego, Kakeru envolvido com o trauma do passado, ou o Prince simplesmente tentando correr três milhas sem morrer, cada membro da Run with the Wind traz algo único e vale a pena para a equipe, insistindo que a corrida é um esforço de equipe totalmente convincente.
E depois, claro, existem as corridas. Centrando-se em um evento tão complexo e intrincado como a Hakone Ekidden, o anime é capaz de incutir todos os seus conflitos atléticos com uma sensação de urgência e intriga tática. Nossos heróis competem em um jogo de adequação, todos eles buscando desesperadamente um tempo digno de qualificação como sua janela para entrar prestes a fechar. E quando se trata de ilustrar essas corridas, a animação formidável e a direção de Run with the Wind assumem a liderança, apresentando competições frenéticas e sempre mutáveis ​​com graça incrível. Desde as tensões únicas de seu ritmo até seu tumulto mental, a série ilustra tanto o terror quanto a alegria de correr a cada novo episódio. Linhas de escrita que são perfeitamente direcionadas pelas carruagens visuais. 

Sequências habilmente executadas como a corrida em febre de Shindo,  são impulsionada nada mais do que pela força mais confiável de Run with the Wind - a riqueza de seus personagens e a clareza de sua preocupação mútua. Embora Shindo tenha sido inicialmente designado para esta seção porque está acostumado a viver nas montanhas, sua jornada através dessa doença demonstrou exatamente o que descobrimos sobre ele - que ele realmente ama esse time, descobriu uma genuína paixão por correr e sente-se exclusivamente responsável dentre seus colegas de equipe por garantir que todos tenham sucesso. Shindo não teve que ser enganado para se juntar a este time - ele adorou desde o começo, e não poderia desistir no meio do caminho. Embora sequências como essa sempre corram o risco de glamorizar o esforço excessivo, as escolhas deste programa parecem sempre perfeitas para os personagens e bonitas em sua execução. 

E eu preciso estar a aqui com a coisa final. Embora sigamos a maior parte da jornada de Kakeru ao longo desta série, o episodio final pertenceu em grande parte a Haiji, e isso me soa outra das escolhas muito apropriadas do anime. Haiji foi essencialmente a encarnação viva de correr como uma atividade comunal - sua lesão significava que ele nunca teria uma chance de competir sozinho, então ele foi forçado a encontrar outras maneiras de abraçar seu amor pela corrida. Sua carga final, assim, tornou-se uma validação de tudo que Run with the Wind enfatizou o tempo todo, enquanto pensava em tudo o que acontecia, e só podia concluir que ele era incrivelmente abençoado. Como sempre, a escrita excepcionalmente nítida dessa obra realmente ajudou a trazer essa resolução para casa no final, com pensamentos como “se eu corro ou não, dói da mesma forma. Mesmo se eu fracassar, quero fazer o que meu coração deseja”, ecoando os sentimentos de animes esportivos comuns o suficiente, mas com um lirismo para eles que os fazia se sentirem pessoais do mesmo jeito. E a produção desses sentimentos foi mais forte do que nunca, desde a terrível e rangente dobradiça da lesão de Haiji até a sutil tensão da mão de seu pai ao redor do cronômetro.  Há mais para se aprofundar sobre seu fenomenal soundtrack e produção, mas essas são basicamente apenas mais expressões da escrita fundamentalmente estelar e da maestria de tom do programa.
Nos episódios finais, todas as forças se juntam em harmonia, como as relações de Run with the Wind se constroem de forma tão bem expressam-se como força coletiva. Tendo treinado todos os seus companheiros de dormitório em máquinas de corrida, Haiji os direciona com a firmeza e respeito de um capitão amado, seus pontos fortes combinados com suas seções na Hakone Ekidden, com aliados de confiança ao seu lado. E como uma seção após a outra se espalha, as jornadas que cada um desses garotos tomou são validadas na íntegra, tanto suas forças pessoais quanto seus compromisso com essa equipe estão claros em cada seção da Hakone Ekidden. Foi maravilhoso ver esse elenco se transformar em um verdadeiro time. O final foi uma resolução perfeita para um dos melhores animes esportivos em anos, e uma prova comovente do que esse gênero pode fazer. Obrigado por tudo, Run with the Wind.
Nota Final: 9 (Excelente)

Bottom Ad [Post Page]