Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Bungo Stray DogsMatériaTakuya Igarashi

O humor visual de Bungo Stray Dogs (Parte 2/2)

Olá novamente, e bem-vindos a mais um artigo quinzenal! Na semana passada eu falei sobre o estilo de comedia do diretor Takuya Igarashi, no material de Bungo Stray Dogs. Mas, além do humor divertido do show, a direção de Igarashi também ajuda a enfatizar as emoções e o desenvolvimento de personagens. O estilo central de Igarashi é similar em espírito ao do influente diretor Kunihiko Ikuhara, uma vez que Igarashi foi um dos mais proeminente pupilos do diretor trabalhando junto em Bishoujo Senshi Sailor Moon e Revolutionary Girl Utena - dois dos mais influentes trabalhos de shoujo dos anos 90. Como tal, não é de se surpreender que Igarashi transmita elementos teatrais e símbolos shoujo distintos em seus shows (embora ele seja menos metafórico do que Ikuhara, mas, novamente, quem não é?). Então, hoje veremos os traços mais robustos de humores/sensações visuais de Stray Dogs e a capacidade de seu diretor de lidar com esse material emocionalmente motivado!
Agora, a linha mais notável que torna Bungo Stray Dogs interessante é que ele é um título de ação com um elenco predominantemente masculino e, portanto, requer uma abordagem diferente para o desenvolvimento de personagem do que o de um título shoujo. O expressionismo shoujo de Igarashi ainda está presente em Bungo Stray Dogs, no entanto, é mais nuançado e condizente com os problemas pessoais que o elenco experimenta. Por exemplo, uma grande parte do personagem de Atsushi gira em torno dele trabalhando em seus problemas de confiança depois que ele foi expulso de seu orfanato. 

Durante todo o show, Atsushi experimenta um flashback recorrente, que consiste em ele se ajoelhar na frente de um vitral, enquanto um comitê imponente o bane do orfanato. No episodio 31, da terceira temporada, tivemos embalado mais um expressivo flashback. Essas cenas parecem sempre muito traumáticas por causa das cores, um verde ou roxa sufocante, da iluminação evocativa dispersa e do fato dos rostos dos membros do comitê estarem todos envoltos em escuridão. Igarashi é um aficionado por manipular a iluminação e as sombras. Em muitos aspectos, parece um set direto de uma peça de teatro. No entanto, como essas cenas se encaixam na narrativa de Bungo Stray Dogs como um flashback, Igarashi foi capaz de tomar liberdades teatrais e construí-las como um reflexo da realidade emocional de Atsushi. É a escola Ikuhara em toda a sua extensão. 
A direção de Igarashi mostra seu paladar por layouts simétricos com detalhes exuberantes, sempre usando diretores de arte talentosos para aperfeiçoar seus complexos layouts; eles são bons em incorporar CG e animação e storyboarding de forma a obter muito com pouco, presenteando o espectador com artes de fundo hipnotizantes.

O que faz Igarashi grande e o que há de mais atraente em Bungou Stray Dogs não é a direção ou a animação. É a arte. Os esquemas de cores vivas, os layouts simétricos e a densidade de detalhes nos fundos, são imediatamente atraentes. Não apenas os planos externos do espetáculo se divertem em escala, mas suas cenas interiores são obcecadas por por escalas em níveis teatrais, até mesmo pequenas celas, criando uma sensação de lugares que são ativamente hipnotizantes e evocativos (como a vitrine do post). É um show totalmente recheado de planos que contrastam figuras minúsculas na moldura central com fundos vastos e imponentes; técnica que é extremamente eficaz em transmitir ameaça ou isolamento. Mesmo que nada mais no show atraia você, é difícil resistir à maravilhosa arte dele. 
Ainda, algumas das sequências de luta em Bungo Stray Dogs tem mais do talento Ikuhara nelas. Durante o confronto climático entre Atsushi e Akutagawa no episódio 10, o vapor que está sendo liberado de um cano quebrado gradualmente aumenta de intensidade para refletir a tensão entre os dois enquanto eles se encaram. A intenção por trás dessa cena é muito semelhante a como os elementos da natureza são usadas no shoujo como um meio de externalizar as emoções das heroínas. Nesse caso, a analogia entre o vapor sendo liberado de um cano e os personagens liberando vapor antes de sua luta é bem clara, mas também inteligente. 

Da mesma forma, há uma série de momentos-chave durante a luta, onde Atsushi é atingido por uma enxurrada de ataques de mudança de forma de Akutagawa. Em vez de retratar o sangue, Igarashi opta por nos apresentar a silhueta de Atsushi levando o ataque sobre um fundo vermelho escuro. Mais uma vez, essa técnica é muito central para os trabalhos de shoujo de Ikuhara e seu uso frequente durante as lutas dos Bungo Stray Dogs se encaixa perfeitamente. A decisão de expressar sangramento durante uma briga usando uma poderosa cor vermelha ao invés de mostrar a perda de sangue diretamente ajuda a enfatizar a dor do personagem e a distanciar de simplesmente ser um espetáculo gory. 
No fim, Bungo Stray Dogs é um produto muito interessante quando você considera todas as influências estilísticas que o Igarashi traz. Não é todo dia que você vê uma obra de lutas sobrenaturais de sangue quente caracterizando o expressionismo shoujo. Mas Igarashi fez isso!

Bottom Ad [Post Page]