Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

IndústriaNotícias

Spider-Man:Into the Spider-Verse - Animadores japoneses falam como foi trabalhar na produção do filme

Spider-Man: Into the Spider-Verse (Homem-Aranha no Aranhaverso) foi um dos grandes filmes animados de 2018 no ocidente e sua produção  contou com a presença de 4 animadores japoneses, que participaram recentemente de uma entrevista à CG World.

Os animadores falaram sobre as diferenças culturais entre as produções de animação americanas e japonesas, a inspirações anime de Spider-Verse, o que eles acreditam que os animadores japoneses podem aprender com o Spider-Verse e muito mais.

Yuko Ikeda disse que trabalhar no Spider-Verse expandiu a sua visão como animador. Desenhar o pai de Miles foi um desafio para ela porque ele é um homem negro, e Ikeda não podia usar as suas próprias expressões como referência. Então ela teve que estudar vários filmes e videoclipes para entender como pessoas de diferentes culturas e origens étnicas se movem.
Para criar animações que as pessoas de todo o mundo possam facilmente entender e apreciar, você precisa estudar não apenas a técnica, mas também o contexto cultural para que você possa criar expressões e movimentos convincentes.
Takuro Togo, que trabalhou em várias produções anime, incluindo Sidonia no Kishi e Show By Rock!!, afirmou que pensava que na América iria trabalhar de maneira diferente, mas que acabou por animar de uma forma muito semelhante como faz no Japão. No entanto, uma diferença notável é que os principais animadores do Japão desenham os layouts, mas esse não é o caso no exterior. Togo disse que gostaria de ter mais liberdade criativa com a direção das cenas que recebeu.
Outra grande diferença que o Togo apontou é que cada corte individual levou muito mais tempo para ser criado em comparação com as produções japonesas. Geralmente é possível criar dois ou três cortes por dia no Japão, mas no caso de Spider-Verse, mesmo uma pequena sequência levava uma semana, enquanto cortes longos de ação demoraram até um mês. No entanto, como cada corte no filme tem tantos detalhes, uma semana não parece muito tempo. Um corte inferior a um segundo levou três semanas devido ao número de retakes.

Ikeda concordou ao afirmar que, como os animadores tinham que aplicar os efeitos da linha de tinta eles mesmos, isso interrompia o cronograma com mais frequência do que seria o caso de uma animação normal.

Wakasugi apontou outra diferença entre as produções japonesas e o Spider-Verse: não havia fichas de referência de personagens ou outros materiais para as poses e modelos. O único princípio obrigatório era “fazer o que parece legal”. Então, Wakasugi aprendeu o máximo assistindo outros animadores no trabalho.
A atmosfera do escritório também era muito descontraída. Togo disse que os animadores realizavam concursos de decoração de mesa, onde todos decoravam as suas mesas com coisas reminiscentes do Homem-Aranha e colocavam arte de fãs nas paredes. Uma pessoa começou, e todos os outros foram atrás.

Para terminar a entrevista, Wakasugi disse:
Spider-Verse tinha nove japoneses de produção. Eu sinto que é muito raro ter tantos japoneses em uma produção estrangeira como esta. Então, eu quero que isso seja um incentivo para os criadores japoneses.
Fonte: ANN

Bottom Ad [Post Page]