Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Fire ForcePrimeiras ImpressõesPrimeiras Impressões Fire Force

Fire Force | Primeiras Impressões Julho 2019

Entre as minhas propriedades mais esperadas para esta temporada, está Fire Force, um programa cuja primeira pv me surpreendeu com sua variada gama de efeitos de fogo evocativos, layouts criativos e fortes contrastes de cores. Combine tudo isso com a impressionante equipe de animação do show, e você acaba com um anime que, em termos visuais, seria a coisa mais impressionante do verão.  Chamar a animação de gancho principal de Fire Force não se sente excessivamente reducionista. A série sempre teve o seguinte intuito (se voltando a ação), como você esperaria do novo show de Atsushi Okubo, mas a razão pela qual esta adaptação está virando cabeças imediatamente e estremecendo tudo é a animação explosiva.

Você pode não ter ouvido falar do diretor de Fire Force, Yuki Yase, antes, mas há uma chance justa de que esse anime finalmente o coloque no centro das atenções. Antes dessa produção, ele era um excelente diretor de confiança no estúdio SHAFT. Mas você não precisa realmente de mim para dizer isso, certo? Basta olhar para o episodio. O tempo fez com que a escola Shinbo sinta-se a mesma desde o início - alternando olhares persistentes para o cenário com cortes rápidos nos eventos relevantes que introduzem o caos e movem a narrativa para frente. Há um sentimento de artificialidade em relação as suas encenações, em particular quando se trata dos cortes transversais de edifícios e similares que você encontra constantemente em títulos da SHAFT; é uma marca registrada. Contudo, a estreia de Fire Force se afasta do sentimento de artificialidade de encenação da SHAFT. Essas cenas pareciam as mais sinceras emocionalmente. Vemos layouts que refletem o isolamento de um recém-chegado ao grupo, Shinra, que passou anos sendo rejeitado. Isto é muito como ele se sentia - confinado, muitas vezes isolado.

Esta estreia como um todo é um entrelaçamento de riquezas visuais do início ao fim. Falando da identidade visual do programa, o cenário também merece uma menção. mangaka Atsushi Okubo mais cedo demonstrou em Soul Eater que ele é um artista com um talento claro para design de plano de fundos, e os impressionantes layouts de Yase elevam seu mundo em uma bela e misteriosa selva de concreto. A ilustração do protagonista Shinra Kusakabe em seu primeiro uso de seus poderes de fogo é uma maravilha de tirar o fôlego, com a fluidez das chamas, senso claro de peso e impulso, e design de som impactante, todos trabalhando em harmonia de cair o queixo. E tudo isso antes mesmo de chegarmos à abertura do show.  
A animação é maravilhosa por si só, mas há claramente mais nessa produção, começando com o tema principal: fogo. A apresentação das chamas recebeu tanta ênfase quanto você esperaria em uma série focada nelas. O mangaka, Okubo, definiu a base com habilidades de fogo distintas representadas por formas muito diferentes, e o anime a levou a um novo nível, concedendo a elas toda a sua própria fluidez, densidade de efeitos, estilos de pintura e aprimorando ainda mais o grau de foto-realismo no processo fotográfico. 

Partes como a introdução de Shinra em sua seção, se sentem elevadas pelo olho de Yase influenciado pelo SHAFT para drama e ênfase no contraste de cores. Os flashbacks dos traumas de infância do Shinra são transmitidos através do trabalho de cor brutalmente minimalista, reduzindo seu mundo ao preto, branco e o vermelho diabólico de seus olhos, junto com aquelas chamas alaranjadas inevitáveis. As cenas atuais de ação de combate a incêndios mantêm a coerência visual apesar de sua animação frenética através do contraste claro de faixas azuis brilhantes contra chamas vermelhas, um efeito que empresta não apenas clareza, mas beleza e até uma clara linha de ação temática. As memórias formativas de Shinra são perfeitamente paralelas contra suas ações atuais, e a caracterização eficiente e simpática do episódio termina em um resultado maravilhosamente subestimado, pois seu desejo de ser um herói é finalmente realizado através do agradecimento lacrimoso da primeira pessoa que ele "salva".

Considerando tudo, está claro que Yase tem uma visão para esse título e que sua equipe está percebendo isso de uma forma impressionante. 
O primeiro episódio do Fire Force é uma declaração impressionante de propósito, e uma maravilha visual que você provavelmente deve checar mesmo se a premissa não o emocionar particularmente. Se o resto do show puder acompanhar essa estréia, provavelmente será necessário saber se a história de Okubo é igual a essa equipe de produção absurda; mas para um primeiro episódio eu chamaria isso do topo. Ser diretor envolve muito mais do que garantir que as coisas tenham um bom visual, por isso teremos que ver se o Yase pode ajustar o material em algo que seja realmente notável. Livre da cultura do estúdio SHAFT e da supervisão de Akiyuki Shinbo, há uma chance real de que Yuki Yase possa usar o que aprendeu de seu tempo lá e transformá-lo em algo genuinamente único. Ele está livre. 
Avaliação:       

Bottom Ad [Post Page]