Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Astra Lost in SpacePrimeiras ImpressõesPrimeiras Impressões Astra Lost in Space

Kanata no Astra | Primeiras Impressões Julho 2019

Leo: Se Astra tá perdida no espaço, alguém ta perdido no roteiro. Kanata no Astra (ou Astra Lost in Space) começou arisco, numa brincadeira indecente de chamar o espectador de ignóbil (ou burro). Implantou uns conflitos justos, mas se rearranjou por meio de soluções tão óbvias quanto a quentura do fogo. 

A primeira amostra do show é animadora. Uma menina numa situação adversa da qual desconhecemos as circunstâncias. O visual é bacana, a direção viaja nessa onda de espaço sideral, substância da estética do anime. Há um excelente uso de computação gráfica, que se repetiu no decorrer do episódio. E aí saltamos para o passado, de onde vêm as explicações. Fica claro que o objetivo do episódio é conhecer a equipe principal, o grupo 5B do Caird High School, deste mundo futurista. O que não ajuda é a formação Cream Cracker da equipe: farinha, água e sal, básico até demais. Se salva a guriazinha de dez anos e seu camarada Beego, um doce melado de sinceridade. 

Vale um "parabains" para o Kanata (ou Umutimate Daibamomo-san). Antes de zonzear-se no espaço sideral e tomar as escolhas anteriormente mencionadas, o diretor Masaomi Andou botou os pés no chão, no lugar certo. O protagonista tem uma busca a princípio cômica pela liderança, mas vai os poucos revelando a fonte do desejo e pouco a pouco, através de ações (show, don´t tell!), convencendo os demais personagens da legitimidade de sua almejada posição. No fim, há uma aceitação coerente de Kanata como frontman da 5B. Na verdade, a união do grupo, em geral, foi bem escrita. 

Teria sido muito melhor, entretanto, se Kanata no Astra tivesse explorado a verdadeira natureza de seus conflitos: o psicológico dos personagens diante das adversidades. Se alguém está perdido no espaço e existe um cabo que possibilita alguém ir da nave até ela, o conflito não pode ser "meu deus como vamos chegar lá" mas sim "quem é que tem coragem de chegar lá". E isso seria suficiente para colocar Kanata não só como o tripulante de maior capacidade de liderança como o mais corajoso, sem transformar a solução em algo estúpido (que transforma também o conflito em algo estúpido). 

Ainda assim, a direção merece mais méritos. Trilha sonora bem encaixada (as músicas em si são muito boas, por sinal) e direção de comédia funcional. Na hora do drama e da tensão, não deixou a desejar também; o problema se localizou no campo das resoluções, portanto. Digamos que o Masaomi Andou... dando uns tropeços. 

Avaliação:      ★ (+)
Nick: Eu já estava com este programa em mente por um motivo - seu diretor, Masaomi Andou, tem se destacado nos últimos anos, com produções como White Album 2 e Kuzu no Honkai demonstrando um forte olhar para o drama pessoal evocativo. Todos os seus shows tendem a ter um imponente senso de conseqüência para eles, e geralmente estão repletos de divisórias de tela em tela, já que cortes menores de reações de personagens são colocados sobre um fundo persistente. É um truque eficaz para adaptar painéis de mangas, e um que ele coloca em grande uso aqui. 

Enquanto há algo contemporâneo na execução da história de Shinohara Kenta, os ossos dele são clássicos de animes de ficção científica. Um bando de crianças em uma viagem escolar ao espaço (é 2063), são misteriosamente transportadas 5.012 anos-luz através da galáxia por um orbe misterioso que aparece diante deles no planeta McPa. McPa é supostamente um planeta "parque nacional", onde elas podem sobreviver com segurança por cinco dias por conta própria antes de serem pegas pelos adultos, mas acaba sendo tudo menos isso.

Nove crianças encalhadas no espaço, longe de casa, atormentadas por hormônios e tédio, tentando sobreviver e não enlouquecerem ao mesmo tempo. Ele não fica muito mais clássico do que em termos de anime, para aqueles de nós com idade suficiente para lembrar. E, de fato, a sensação geral da peça é solidamente retro. Mas os detalhes o carimbam inconfundivelmente como uma série contemporânea - os nichos que os personagens habitam (e sim, eles são geralmente bonitos à primeira vista) são completamente modernos, e suas brincadeiras soam mais fortes do que em 99. Não de um jeito ruim, embora - apenas uma maneira que não vem tão conscientemente "antiquada".
Andou realmente sabe espremer consequência em suas obras. Desde seus momentos de abertura, Astra transmite claramente uma sensação de majestade e conseqüência, como se estivesse consciente de que está transmitindo uma aventura épica. A lenta revelação da heroína Áries girando sozinha no espaço, os cartões de título ornamentados, o enquadramento da caixa de correio - Astra costuma criticar as cercas em termos de sua apresentação dramática, mas na verdade, vende essa sensação de consequência, ao mesmo tempo em que tempera consistentemente com batidas atrevidas e extravagantes, como os vislumbres de Star Wars e a afetação estereotipicamente heróica do protagonista Kanata. Tonelada, Astra convoca uma mistura de consequências de ficção científica e quase pompa e maravilha de Flash Gordon na majestade do espaço.

Astra é de longe o show mais bonito da temporada até agora; sua arte de personagem é limpa e consistente, faz uso inteligente de efeitos de iluminação digital e apresenta excelente design mecânico. A maior fraqueza visual é a falta de layouts fortes - a encenação não parece consistentemente inspirada, e às vezes parece que o show pode estar muito ligado aos painéis de mangá que está sendo adaptado.

Em termos de historia, Astra parece entender o poder dramático de seu conceito central, e permite que tanto a tensão quanto a nossa compreensão do elenco se desenvolvam lentamente sobre o caminho para o desastre. Eu acho que a decisão de lançar Kanata no Astra com um episódio duplo foi boa. Muitas vezes desconfio de estreias de duração dupla, já que podem às vezes simplesmente exacerbar as questões de um primeiro ato pesado de exposição, mas Astra usa seu comprimento duplo para criar um forte senso de suspense e compreensão clara da dinâmica de personagens, antes que seu segundo tempo compense toda essa tensão através de uma série tensa de peças dramáticas.
O segundo personagem titular da historia é Kanata Hoshijima. Ele tem um passado trágico que atua como sua principal motivação, tanto no espaço como na sua vida em geral. A maneira como o grande cenário dramático deste episódio teceu paralelos visuais e temáticos com a história traumática de Kanata foi inteligente e habilmente executada, um excelente retorno à sua caracterização anterior. E o plano final de nossos heróis parece ser feito sob medida para inspirar aventuras ainda mais emocionantes, enquanto promove os pensamentos da série sobre a necessidade do contato humano e o que realmente significa ser corajoso. No geral, o primeiro episódio de Astra é excitante e inteligentemente executado, cheio de escolhas estéticas inteligentes, personagens envolventes e ganchos narrativos firmes.

Esta temporada de anime tem a aparência de um deserto, mas Kanata no Astra não é uma poça - eu diria que é um lago de bom tamanho. Sua presença já é um alivio.
Avaliação:      ★ (+)

Bottom Ad [Post Page]