Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Análise de Animesanálise GivenGivenresenharesenha crítica

Given (2019) | Review

| Episódios: 11 | Estúdio: Lerche | Fonte: Manga | Diretor: Hikaru Yamaguchi | Criadora Original: Natsuki Kizu 
Sinopse 
A "história de uma banda jovem" centra-se em Ritsuka, que toca guitarra mas perdeu o interesse pelo instrumento. Um dia, ele conhece Mafuyu, que está segurando um violão quebrado. Ritsuka começa a ensinar a Mafuyu sobre o violão, mas quando ele ouve a voz de Mafuyu, as coisas de repente começam a mudar para Ritsuka.

Analise
Given é um daqueles programas cuja escrita é boa o suficiente para que eu fique um pouco triste por ser tão mais ou menos animado; essa história poderia realmente tirar proveito de uma atuação mais complexa de personagens. E, no entanto, apesar de limitações técnicas óbvias, eu diria enfaticamente que Given tem o roteiro mais impressionante de qualquer novo anime que eu vi este ano. Ele incorpora o tempo todo diálogos incidentais convincentes e emocionalmente ricos, caracterização simpática e cenas silenciosamente bem filmadas da adolescência ansiosa. A menos que a temporada de outono tenha algum truque inimaginável na manga, acho que Given será o melhor melhor drama de personagem do ano.
Given era a série que eu não sabia que adoraria, mas absolutamente amava. A história analisa o amor, a perda e a descoberta de onde você pertence de vários ângulos diferentes, principalmente os quatro jovens de uma banda - o guitarrista Ritsuka, o novo membro e vocalista Mafuyu e os veteranos Haruki e Akuhiko. Cheios de contradições, conflitos pessoais e cada um com suas próprias fontes convincentes de insegurança e razões para confiar no outro, todos os seus personagens se sentem como pessoas vivas. 

Parte disso se resume ao roteiro bem escrito, mas principalmente do melhores dialogos que eu já vi em qualquer anime neste ano. São algumas das conversas mais emocionalmente agudas, convincentemente observadas e simplesmente devastadoras que vi recentemente. Como o tão esperado acerto de contas de Mafuyu com seus velhos amigos, que conta como uma das sequências mais impressionantes do programa. O peso da culpa de Mafuyu e a amargura que sentia por seus antigos amigos corriam como uma corrente elétrica através de sua tão esperada explosão, quando ele finalmente atacou Hiiragi, finalmente expressando uma parte da tristeza que ele estava sentindo. E, no entanto, como sempre, foi uma explosão silenciosa, uma expressão totalmente crível de respostas conflitantes, mas igualmente simpáticas, a uma tragédia sem sentido e que abalou seu mundo. Como todos os melhores dramas de personagens, a raiva de Mafuyu e seu subsequente perdão, conquistado com tanto esforço, compensaram e enriqueceram nossa compreensão de sua personalidade; como com pessoas reais, aprender algo novo sobre esses personagens sempre implica que ainda há mais a aprender.

Ou ainda a impressionante conversa de Kaji com Ritsuka, onde ele levou seu jovem companheiro de banda a perceber seus sentimentos por Mafuyu da maneira mais gentil possível, que foi um maldito triunfo, e uma das discussões mais francas sobre a aceitação de sua sexualidade que eu já vi em qualquer anime, dês de sempre. Kaji foi incrivelmente favorável em todos os aspectos que ele poderia ser, desde sua abordagem suave do assunto, sua insistência consistente na normalidade dessa situação, até suas tentativas de mitigar os sentimentos de "tem algo errado comigo" de Ritsuka, compartilhando experiências semelhantes de sua própria vida. E essa cena foi apenas um dos destaques de um episódio absolutamente repleto dessas conversas, suaves, mas trovejantes, além de outros destaques, como a descrição brutal de Kaji do primeiro amor. 
Given administra também um notável equilíbrio de tons, onde suas conversas abordam francamente tópicos incrivelmente carregados, mas o fazem com um toque leve que parece muito verdadeiro com a vida. Given não teme abordar diretamente o suicídio, o isolamento social e aceitar a sua sexualidade em um clima social hostil, mas filtra esses tópicos pelas vozes de personagens que estão sofrendo e são incapazes de se expressar, em vez de tristeza ”de uma maneira exagerada

Por falar em dificuldade em se expressar, tanto Ritsuka quanto Mafuyu são ruins em expressar seus sentimentos de uma maneira que parece singularmente fiel à vida, mas, embora Ritsuka seja um tipo de personagem um tanto familiar, eu fiquei impressionado com o quão bem Given é capaz de caracterizar Mafuyu. "Animes solitários" ou personagens com ansiedade social tendem a ser definidos como limitados em termos de conversação, mas em particular muito expressivos. Por outro lado, Mafuyu não tem essa vantagem, ele não é expressivo, ele tem dificuldade em expressar ou mesmo entender seus sentimentos o tempo todo, e tem plena consciência disso. Sua caracterização parece genuinamente única, e momentos como essa conversa à beira-mar (com seu ex-namorado) oferecem mais alguns abundantes exemplos do talento deste programa para um diálogo convincentemente único e rico de personagem. E ainda, enquanto Given geralmente se concentra em personagens que têm problemas de ansiedade social, esses personagens também tendem a ter imponentes monólogos internos - mas curiosamente não Mafuyu.  Em contraste, Mafuyu é um personagem mais parecido com o protagonista de Mob Psycho, sensível e atencioso, mas quieto até em seus próprios pensamentos. É um truque difícil de executar de maneira eficaz, e, no entanto, Given o gerencia e ilustra graciosamente as vozes internas de todos os colegas de banda de Mafuyu ao mesmo tempo. 

E temos nossos dois veteranos, Akihiko e Haruki - Given se beneficia muito de como eles são retratados de maneira convincente, como jovens que estão muito além das inseguranças do ensino médio, mas sempre encantados com a intensidade dos sentimentos adolescentes de Ritsuka. As conversas do grupo sobre bandas favoritas e preferências musicais possuía um naturalismo fácil que como já falei provam ser um dos pontos mais confiáveis ​​de Given, vendendo a substância de seu elenco por meio de interações sem esforço de perspectivas divergentes, mas que simpatizam.
Embora a escrita e os diálogos dos personagens deste programa seja bem acima da media que você geralmente poderia esperar dos dramas de anime, essas sequências também oferecem abundantes demonstrações de quão importante a direção de Given é para o impacto de seu drama. Na conversa de Mafuyu com Hiiragi, planos a meia distância, close-up nos sapatos dos personagens e ângulos enfatizando a claustrofobia de seu santuário realmente martelaram o imediatismo e a vulnerabilidade dolorosa do momento, tudo levando à maravilhosa virada de Mafuyu dando um passo claro à frente e convidando Hiiragi para a apresentação. E quando é revelado a Uenoyama passado de Mafuyu, além do diálogo honesto e refrescante temos o bloqueio intimidador e o uso inteligente da trajetória de um avião como um espelho dos pensamentos estrondosos de Ritsuka.

Os pontos fortes do programa em termos de efeitos de bloqueio de personagens são claros desde o início do primeiro episodio, onde as duas jornadas de seus protagonistas convergem lentamente em uma reunião em uma escada que usa ótimos “pillow shot” acidentais para aumentar a intimidade e a solenidade do momento. A cinematografia e o design de som de Given também fazem um excelente trabalho em tornar claro o fascínio de Uenoyama por Mafuyu, com suas cenas de aulas de violão parecendo um tipo estranhamente encantador de valsa de casal. Given pode voar baixo em questão de design e animação, o que seria minha maior e talvez unica reclamação, mas sua escrita, seus layouts inteligentes e seu design de som pagam isso e elevam consistentemente seu drama de personagem bruto.

Eu continuei confiante toda essa temporada em considerá-lo um dos melhores romances e melhores dramas do ano - e ele me retribuiu entregando justamente isso. Muito trabalho cuidadoso dos animadores, diretores, atores e funcionários em geral fez com que esse programa fosse tão especial. A paciência desse anime me lembra as longas cenas ininterruptas de Aku no Hana de seus personagens lutando sem palavras com a fúria da angústia pubescente. Given é um dos melhores dramas de anime do ano!
Sua abordagem franca em relação à juventude, ao sofrimento e à aceitação de sua identidade sexual me mantiveram viciados do começo ao fim. Sinto-me feliz por ter visto Given e ansioso por compartilhar sua bondade e discernimento com os outros. Eu posso ter dito "um dos melhores", mas sinceramente, não há realmente nenhuma competição por esse título; é apenas o melhor drama de personagem do ano, ponto final. Diálogos incrivelmente convincentes e personagens ricos e vulneráveis, layouts incríveis e curvas dramáticas ousadas e animadoras; Given foi completamente impressionante, e estou emocionado por ter terminado tão bem quanto terminou. Se você está procurando romances gays, dramas de personagens, dramas de bandas ou qualquer programa com ótimos personagens e diálogos e direção inteligente, dê uma chance a Given.
Nota Final: 8,5 (Ótimo)

Bottom Ad [Post Page]