Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

Análise Semanalanálise semanal Eizouken ni wa Te wo Dasu na!resenharesenha crítica

Eizouken ni wa Te wo Dasu na! #05 - #08 | Análise Semanal

Episódio 05
O quarto episódio de Eizouken parecia um ponto final claro para o “primeiro ato” desta produção -  e após aquela reunião com o conselho estudantil, Asakusa se depara com o que parece ser a pegada de um robô gigante. Este episodio abre com o tremendo storyboard do diretor Mamoru Kanbe, que trabalhou anteriormente dirigindo coisas como Sound of the Sky. Essa sequencia de abertura e as posteriores das personagens nos túneis, usam a sombra realmente bem. Esse diretor tem uma filosofia muito distinta sobre composição visual, e esses segmentos de abertura, onde um ou dois objetos são destacados contra uma escuridão avassaladora, são um forte exemplo disso. Asakusa investigando a pegada encontra um robô gigante, apenas para descobrir que Kanamori e Mizusaki estão envolvidos. O final de "despertar para a realidade" por Asuka é uma grande piada de anticlímax, à medida que os ruídos se acumulam e o foguete é disparado por uma impressionante foto em perspectiva, a colisão com Asakusa é enquadrada de lado, e anunciada por um ruído inexpressivo de "boink" enquanto a música corta. 

Em resumo (afinal, ainda tenho mais 3 episódios para cobrir), honestamente, fiquei um pouco preocupado com o fato de um episódio sobre robôs gigantes afastar Eizouken do meu próprio interesse em anime, mas esse episódio era tão perspicaz e universalmente aplicável quanto qualquer um de seus antecessores. Realmente, esse episodio resultou em outra exploração essencial do processo criativo, com o programa explorando os detalhes mais delicados de buscar inspiração para novos projetos, de lidar com clientes difíceis, e encontrar um terreno comum em colaborações criativas.
Episódio 06
Gosto como Asakusa não é boa em ação de storyboard. E é onde entra as especialidades de Mizusaki - você pode criar uma cena de ação incrivelmente atraente, concentrando-se principalmente na mudança do peso de um corpo e no impacto do corpo em movimento. Em outras palavras - as cenas de ação são um lugar onde o foco de Mizusaki em pequenos detalhes de movimento que transmitem verdades físicas maiores pode realmente brilhar; embora tendamos a priorizar o contexto narrativo maior que a realidade de fato, geralmente somos mais comovidos pelo peso cinético dos corpos em movimento, em vez do contexto em que esses corpos são colocados. Movimentos da sequencia > Narrativa da sequencia   

Sequência brilhante - enquanto Asakusa tortura efetivamente o engenheiro de som, demonstrando como eles estão atualmente usando o mesmo efeito sonoro de caminhada para todos os seus sons de caminhada. É uma piada engraçada e um cenário visual único e, simultaneamente, deixa claro para qualquer público a importância do design de som apropriado.

Gosto de como Asakusa se sente muito desconfortável explicando cuidadosamente seus conceitos grosseiros para o clube de arte. As perguntas que o clube fazem para ela vão além de sua própria concepção da narrativa - mas, diferentemente do presidente do clube de robôs, ela realmente sabe que a culpa está do seu lado e, portanto, fica constrangida. Absolutamente amo como este episódio explorou as paixões e inseguranças desequilibradas de Asakusa com precisão e grande simpatia, ilustrando um retrato convincente de uma jovem artista que ainda não está totalmente confiante em suas habilidades e consumida por dúvidas sobre sua inspiração e produção. Droga, Eizouken faz tudo isso parecer fácil. 
Episódio 07
Como o episodio anterior demonstrou, Asakusa é um personagem interessante em termos de design de animação, porque, dependendo das preferências de um determinado animador, você pode estilizá-la como uma adolescente extraordinariamente realista ou como um gremlin completamente caricatural. Mas nesse episodio estamos focados em Mizusaki - que, por outro lado, sempre parece "atraente em anime", o que você pode considerar uma limitação de design. Mas ela talvez seja a plataforma perfeita desse programa para as suas próprias crenças pela animação sutil dos personagens. Asakusa parece exigir através seus designs animadores que entendem seus sentimentos por movimentos humanos fluidos

Recebemos grandes doses de sua florescente paixão pela animação mundana quando entramos na infância de Mizusaki. Sua crescente consciência da complexidade das ações físicas é perfeitamente clara através de uma serie de vinhetas energéticas. Como quando enquanto aprende a postura no que parece uma aula de balé, ela se vê fascinada pelos distintos movimentos mecânicos implicados simplesmente em levantar-se de uma posição sentada. Este episodio é realmente cheio de animações incrivelmente intrincada como a de Mizusaki e sua avó jogando chá na grama. As aventuras individuais de Mizusaki expressam regularmente exatamente o que ela acha encantadora sobre animação - a maneira como o estudo cuidadoso do verdadeiro movimento humano pode ser transmitido em forma animada, criando algo que pode parecer ainda mais vivo do que a própria vida; esse episódio é apenas um banquete nesse sentido, quer dizer, é um episodio com Mizusaki no palco principal é obvio que seria. 

No final do episodio ainda seguimos um argumento extremamente bem articulado para a beleza e o poder da animação. Mizusaki e Asakusa explicam por que as pessoas gostam tanto de animação, enquanto descrevem coletivamente o que faz um foguete decolar parecer legal, cada um deles exaltando suas próprias especialidades ao longo do caminho. A beleza da fluidez de movimento, expressada pela mão humana. A animação pode ser apenas a expressão perfeita da maravilha da vida, com seus pequenos detalhes que transmitem verdades maiores que a própria vida. Deus, eu nunca vi um show tão profundamente assim nos detalhes minuciosos de uma forma de arte. Eizouken realmente é real?
Episódio 08
Eizouken é de fato algo especial - ele quer que você sinta o deleite e a satisfação de não apenas ver belas animações, mas também de reconhecer ativamente como as técnicas de animação se somam a um projeto finalizado. E com um segundo episodio de entrega de projeto aqui, isso volta a ficar claro. 

O curta em si do Eizouken é ótimo, com uma chamada de retorno para o chá de Mizusaki com a sua avó; a pessoa que vimos que teve o maior impacto em sua vida e desenvolvimento - seu amor por sua avó alimentou-a diretamente com a descoberta de suas próprias paixões criativas. O momento em que os pais de Mizusaki realmente reconhecem seus cortes em tela é tão bom. Eles podem dizer que era ela, graças ao seu puro talento para articular movimentos (eles são ótimos sakuga-fãs). 

Como Mizusaki aprende com o encontro tenso com seus pais - um artista não cria apenas porque a criação é divertida, isso faz parte de quem ele é. E Mizusaki percebe que isso é uma verdade para ela. Foi tocante e doce a maneira como esse programa lidou com o desenvolvimento da personagem de Mizusaki, é genuinamente brilhante. Assim como Asakusa foi inspirado por feitos fantásticos de design de fundo, Mizusaki foi inspirado pelos movimentos fundamentais do corpo humano e como nossa compreensão de movimento pode realmente nos ajudar a superar nossas limitações percebidas. Este anime é tão rico em insights e personagem, e ao mesmo tempo tão leve - faz parecer fácil, mas sua arte incorpora o maior potencial de animação. Além de continuar articulando claramente a crescente amizade entre nossas três heroínas. Eizouken definitivamente não está apenas ilustrando os fundamentos gerais de narrativas - está colocando-os em um contexto humano específico. 
***

Bottom Ad [Post Page]