Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

destaqueTop 10 Melhores AnimesTop 10 Melhores Animes Abril 2020

6 Melhores Animes Abril 2020

Essa é a hora de falar dos destaques do que sobrou da temporada de abril.

Para cada anime haverá um mini e resumido review, além da nota à respectiva série. Lembrando que este não é um ranking, mas sim uma forma de listar os 08 melhores da temporada. A classificação é feita pelos que mais serviram como entretenimento (alguns estão em ordem aleatória por empate), já as notas é pela crítica a cada anime.  Ao final, há uma tabela mostrando os TOPS individuais dos redatores - o top disposto nessa postagem é apenas uma junção dos destaques. Clique aqui e entenda melhor sobre o sistema de notas.
Regras:
1. Animes que ainda não acabaram não entram na lista.
2. Animes de outras temporadas que acabaram nesta podem entrar.
3. A lista foi feita em relação aos animes que os redatores assistiram.
4. A listagem principal não se trata de um TOP, mas apenas de uma lista dos destaques da temporada. Os animes estão em ordem alfabética.

Postagens relacionadas





--
BNA: Brand New Animal
Material de Origem: Original
Gêneros: Ação, Fantasia
Direção: Yoh Yoshinari (Little Witch Academia)
Roteiro: Kazuki Nakashima (Gurren Lagann, Promare, Kill la Kill)
Estúdio: Trigger (Little Witch Academia, Kiznaiver, Kill la Kill, SSSS.Gridman)
Episódios: 12
PV1 PV2

SobreA história do anime ocorre no século 21, animais humanoides aparecem após ficassem escondidos na sombra durante muito tempo. Michiru vivia como uma humana normal até que um dia ela vira uma humana-Tanuki, ela foge e consegue refúgio numa área especial da cidade chamada de ”Anima City”. Essa área foi construída há 10 anos para que humanos e animais convivessem, Michiru conhece Shirou, que é um lobo que odeia humanos, e por ele Michiru começa a aprender sobre as preocupações, vida e alegrias de ser um animal. Enquanto os dois tentam descobrir porque ela virou um animal do nada, um certo problema surge.

Mini-Review (Gapso): Apesar de surpreendente que esse anime só tenha 12, pelo background seguramente feito para 24, é uma outra boa experiência característica do estúdio Trigger. Uma história simples e direta, com resolução até simplista e nada sofisticada, que expõe nos primeiros momentos toda a situação, permitindo-nos ficar a par de cada capítulo da fantasia urbana que mistura o sobrenatural dos poderes da protagonista com personagens vilanescas e o equilíbrio entre a comédia slice of life e os momentos mais sérios. A produção carimbada do estúdio e do Yoshinari com seu estilo único empolgam em vários episódios, e no fim o show vale a pena pelo entretenimento agradável de clima sobrenatural urbano que é bem a cara do estúdio tem a oferecer normalmente. É divertido.


Kaguya-sama: Love is War 2

Material de Origem: Mangá
Gêneros: Comédia, Romance, Escolar
Direção: Mamoru Hatakeyama (Rakugo, Grancrest Senki)
Roteiro: Yasuhiro Nakanishi (Autor do mangá Oden, Hayaku Okite yo)
Estúdio: A1-Pictures (Grancrest Senki, Fate Apocrypha, SAO, Shigatsu wa Kimi no Uso)
Episódios: 13
PV1 PV2

Sobre: Segunda temporada. Shinomiya Kaguya e Miyuki Shirogane são membros prestigiosos do Conselho Estudantil da Academia Shuchiin, afirmando suas posições de "os gênios" entre os gênios. Todo o tempo que eles passam juntos ocasionou que eles desenvolvessem sentimentos mútuos, mas o orgulho deles não vai permitir eles se confessarem e se tornarem submissos no relacionamento! Amor é guerra e a batalha deles para fazer o outro se confessar começa agora.

Mini-Review (Gapso): Assistir a segunda temporada de Kaguya-sama é como testemunhar uma sinfonia muito bem elaborada e equilibrada entre a comédia subjetiva, o surrealismo visual e os avanços nos desenvolvimento interpessoais dos personagens. Quase não existe momento que não utiliza-se um técnica imaginativa envolvendo a composição, edição, design de som ou palco. Kaguya-sama não inventou todos os truques que emprega, mas é um dos únicos a usar todos artifícios tão bem. É um festival visual, desde as transições hipnotizantes, as trocas de estilo de arte, até os vastos espaços transmitidos pela encenação. O diretor tem uma visão genuinamente genuína - e a redundância aqui se faz necessária - do comportamento humano, ele expressa em close-ups nítidos, introspectivos e às vezes surpreendentemente sinceros. A técnica de assinatura de Omata são seus close-ups oportunos, mas sua maior contribuição para esse material é o storyboard. Independentemente da linha da cena que ele adapta, ele sempre a transforma em ouro. Cada shot flui para o próximo conectado com sua estética única. De um olho a uma xícara de café, a uma paisagem noturna da cidade. Não vamos esquecer então das inúmeras referências a outros famosos títulos a partir do seu próprio storyboard adaptado.

A emoção de ver os jogos mentais de Kaguya e Miyuki nunca deixa de me animar pessoalmente falado. Para este segundo ato da obra, o conflito secreto entre Kaguya e Shirgane se intensifica ao ponto da histeria. Juntamente com performances muito boas dos intérpretes de voz, a trilha sonora excêntrica e a precisão assassina do diretor, você obtém uma imagem funcionando com capacidade máxima. No entanto, de alguma forma, se destaca a cada episódio. As verdadeiras batalhas que enfrentam são vencidas lutando sujo. Em última análise, os dois lutadores ficam tão envolvidos em suas mentes egocêntricas que, estupidamente, o destroem. Ambos têm planos de jogo bem definidos, mas nunca seguem o caminho que você antecipa. Kaguya é assustadoramente estoica e exuberantemente auto-absorvido. Aoi Koga mata novamente como Kaguya. Seu alcance é fenomenal, ela vende seu papel como nenhum outro. Apesar de seu absurdo inerente, ela é crível. Como podemos ver durante o arco eleitoral, ela esmaga quem fica em seu caminho. É uma baita adição. 

A vida de Kaguya é consumida em ambição hiperbólica para conquistar Shirogane. Miyuki é, tão implacável como sempre, um super-esforçado que tenta superar sua educação modesta. Gradualmente, ambos começam a aceitar seus sentimentos de amor um pelo outro, mas nenhum deles pode agir de acordo. Nenhum dos personagens é dispensador de piadas. Eles foram desenvolvidos para pessoas reais com personalidades individuais, com um avanço notório em seu trabalho em comparação ao primeiro ato, as formações e sentidos de humor foram trabalhadas. Por esse motivo, quando Ishigami consegue seu espaço, não parece que os escritores estão usando um personagem da trama B para contar seus trocadilhos mais recentes. Ele está comentando habilmente a dura verdade em voz baixa - uma piada que ninguém além dele contaria. A personalidade deliciosamente inexpressiva de Ishigami o diferencia distintamente. Todos os outros personagens secundários são tão únicos que podem levar um show inteiro por conta própria. Os personagens coadjuvantes são tão vívidos e vitais para o show quanto os protagonistas. 

Durante o arco eleitoral, Miko Iino se junta à briga ganhando popularidade inesperada com o público devido a suas lutas relacionáveis ​​com ansiedade e sua vontade de superá-la. Seus momentos no palco chegaram perto de casa. A execução de seu arco lhe rendeu um lugar permanente na lista do elenco. Hayasaka, mais uma vez, é a voz da razão. Ela ganhou mais tempo de tela nesta temporada e ela devorou ​​cada segundo. Ela chama Kaguya internamente e brinca com ela. É sempre claro o que ela está pensando, essa garota é louca. Suas idiossincrasias são tão bizarras em comparação com as outras, que seu tipo de humor é imprevisível. Além do narrador que cria uma conexão meta textual com o público, dando reações instantâneas à ação e analisando rapidamente os resultados da batalha. Você esperaria que ele fosse um elo confiável com a realidade para respirar um pouco de ar fresco, mas sua percepção de amor é adequadamente insana. Não é a toa que muita gente se incomoda com esse artifício. Enfim. Emparelhe esta escrita diferenciada de personagens com uma direção impressionante e você terá uma ótima série.


Kakushigoto
Material de Origem: Mangá
Gêneros: Comédia, Slice of Life
Direção: Yuuta Murano (Bokura no Nanokakan, Isekai Maou no Shoukan)
Roteiro: Takashi Aoshima (Yuri Yuri, Re-Kan, Aho Girl)
Estúdio: Ajia-Do (Honzuki no Gekokujou, Isekai Maou no Shoukan)
Episódios: 11
PV1 PV2 PV3 PV4

Sobre"Vamos abrir a cortina no tempo, para a história de um criador de mangás solitário". Esta história é sobre Gotou Kakushi, um artista que desenha um mangá um tanto vulgar, e tenta escondê-lo pelo bem de sua filha, Hime. Um conto de pai e filha sobre amor e riso.

Mini-Review (Gapso): Kakushigoto é mais uma comédia descentralizada desse autor que sabe bem fazer críticas a literalmente tudo enquanto satiriza a indústria e eleva os esteriótipos em cada alfinetada sutil e muitas vezes desfaçada. O show é uma narrativa de trocadilhos piadas japonesas que apontam para todas direções enquanto vemos Hime mais nova contrastar com a de 18 anos ao final dos episódios ao nos faz acreditar que seu pai está em uma péssima condição. Os capítulos de Kakushigoto funcionam como contos episódicos com carimbadas da direção que impulsionam todos os extravasamentos de Kakushi, enquanto a direção faz seu papel razoavelmente bem para soar como uma versão de baixo orçamento do estilo de direção que conhecemos bem em outro estúdio que já lidou com a animação de uma outra dark comedy deste mesmo autor.

A decisão de apressar o final é razoavelmente compreensiva, mas não me agradou realmente, pois eu optaria por ficar mais e mais episódios vendo a rotina atrapalhada do pai que tenta esconder sua profissão da filha, de todas as cutucadas na feridas e do elenco auxiliar que ajuda o roteiro a ser executado e da comédia peculiar. O show de Kakushigoto é bom, embora certamente tivesse potencial para ser muito melhor e com mais aproveitamento.

Nami yo Kiitekure
Material de Origem: Mangá
Gêneros: Romance, Comédia, Drama
Direção: Tatsuma Minamikawa (Fairy Tail Dragon Cry, diretor de episódio de Gintama, Sakurako-san, Aldnoah.Zero)
Roteiro: Shouji Yonemura (Pokémon, Hunter x Hunter Phantom Rouge, Lupin III Episode 0)
Estúdio: Sunrise (Gundam, Double Decker)
Episódios: 12
PV1 PV2

SobreEm uma noite, bebendo para acabar sendo enganada e abandonada por seu último namorado, Koda Minare acaba fazendo um enorme discurso bêbada para Matou, diretor de uma estação de rádio.  No dia seguinte, ela fica chocada ao ouvir sua própria voz sendo transmitida no rádio!  Ela corre para o estúdio, deixando o emprego em um restaurante de sopas e pães em risco.  No entanto, seu discurso bêbada e a transmissão ao vivo improvisada de controle de danos do dia seguinte acabam lhe valendo um convite para tentar trabalhar na estação de rádio!

Mini-Review (Gapso): A série de Minare Koda se traduz em uma história de comédia-drama com janelas para romance e narrativas pouco ortodoxas. Eu digo que não é ortodoxo porque esse programa combina uma variedade de gêneros, o que o torna muito especial. Um dos grandes fascínios da série, que pode envolver o aborrecimento de quem não compreende sua proposta, está na arte da narração ao rádio pela protagonista. A arte de falar no rádio não é algo em que a maioria de nós esteja interessada, ou pelo menos em um nível dominante. Claro, existem podcasts que oferecem conteúdo consistente e programas de rádio que alcançam fama em algumas ocasiões. No entanto, nunca alcançou uma popularidade esmagadora que se tornou uma sensação internacional.  Não é gestual e teatral como as histórias contadas em Rakugo, e nem deveria ser, trata-se de eloquência interna da protagonista num desabafo profundo para os desconhecidos que a ouvem, seja em contar o que deu errado em situações malucas da sua vida ou somente tagarelar uma historieta doida enquanto se imagina lutando com um urso. E isso não sairia tão genuíno e empolgante, como foi em sua execução, se não tivessem escolhido uma intérprete de voz tão boa para o papel da protagonista.

A personagem é uma amadora em seu trabalho, sem muita experiência. Para piorar as coisas, ela ainda está lidando com uma separação ruim e não é algo fácil de terminar. Agora que ela está em uma profissão de território desconhecido, os riscos aumentam dez vezes quando sua voz é transmitida para o mundo ouvir. O que é realmente intrigante é como ela conseguiu transformar suas circunstâncias em uma bênção disfarçada ou, pelo menos, uma chance de mudar sua vida. E como personagem principal, Minare carrega a história com uma personalidade apaixonada combinada com um grau de teimosia. Ela quer provar a si mesma e ser uma pessoa melhor, embora haja muitos obstáculos em seu caminho. De certa forma, vejo esse anime como sua própria jornada pessoal de redenção.

Como um anime com personagens mais maduros, é bastante refrescante ver a diversidade do elenco. O que mais me vende é o quão expressivo é o Minare ao interagir com esses personagens. A quantidade de emoções que ela entrega é surpreendente, às vezes um pouco demais, mas sempre chama atenção. Na melhor das hipóteses, o personagem de Minare nos permite ver as lutas de uma jovem mulher lutando em um mundo que está contra ela. Assistir a variedade de gêneros misturados neste anime funciona com sucesso. Seguimos a jornada de vida de Minare, pois ela arruma um objetivo, uma meta que os telespectadores desejam ver quanto ela pode alcançar. Se você se lembrar disso, juntamente com a quantidade de humor envolvido e a personalidade forte da protagonista, então Nami yo Kittekure será um verdadeiro deleite.

Pokémon Twilight Wings
Material de Origem: Original
Gêneros: Aventura, Fantasia
Direção: Shingo YAMASHITA (Diretor de episódio de Yozakura Quartet Hana no Uta, Naruto Shippuden, Twin Star Exorcists)
Roteiro: Sou Kinoshita
Estúdio: Studio Colorido (Penguin Highway, Taifuu no Noruda)
Episódios: 8
PV1 PV2

SobreContos episódicos sobre personagens da região de Galar no mundo Pokémon.

Mini-Review (Nick): Shingo Yamashita é talvez um dos animadores mais talentosos e únicos do anime recente, um completo gênio. E ele estar encarregado de um spin-off de Pokémon era uma ideia inerentemente insana. E os resultados foram os esperados de um programa dirigido e composto por ele - uma incrível produção atmosfera cheia de animação intricada de personagemTwilight Wings realmente não faz grandes declarações filosóficas nem nada, mas faz um excelente trabalho em transmitir a experiência sensorial e sentida de uma jornada em Galar, da sensação de viver em um mundo cercado por Pokemon. É impressionante o quão bem a iluminação, a paleta de cores ricas e os sombreamentos fluidos da serie passam a sensação de viajar através de uma forte nevasca de areia até de afundar ao fundo do mar. 

Forças centradas na atmosfera como essas deram a Pokémon Twilight Wings um sentimento alternativo de solenidade e ameaça, este mundo parecer sedutor e talvez um pouco perigoso. Embora seus personagens sejam simpáticos e as narrativas de suas vinhetas convincentes, são as belas composições de Pokémon Twilight Wings e o senso de lugar perpétuo que fazem deste um trabalho notável. Essa abordagem é ainda reforçada, melhor dizer, encabeçada, pela atuação abundante do curta e pelo trabalho preciso de expressão; é tudo sobre os movimentos dos personagens - e não apenas sobre os movimentos dos personagens em geral, mas especificamente sobre o tipo de atuação de personagem realista e com nuances. Eu consigo ver Mizusaki de Eizouken se apaixonando por isso. Lindo, atencioso e com uma sensação tangível, Pokémon Twilight Wings é toda a demonstração do poder da animação em transportar as pessoas à um outro lugar. 

Princess Connect! Re:Dive
Material de Origem: Game
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia
Direção: Takaomi Kanasaki (Kono Suba, Kore wa Zombie Desu ka?)
Roteiro: Takaomi Kanasaki (Kono Suba, Kore wa Zombie Desu ka?)
Estúdio: CygamesPictures
Episódios: 12
PV1

SobreNo continente de Astraea, um homem cai do céu, não possuindo lembranças além de seu nome, Yuuki. Um elfo chamado Kokkoro o encontra, apresentando-se como seu guia no mundo que eles estão prestes a atravessar. Com a orientação de Kokkoro, Yuuki é capaz de aprender como esse mundo funciona, desde lutar contra monstros até lidar com moedas. Para ganhar dinheiro com sua jornada, Yuuki e Kokkoro decidem ir a uma associação de guilda próxima para aceitar uma missão simples. Em sua expedição, eles encontram Pecorine, uma garota um tanto gulosa, mas encantadora, habilidosa em batalha. No dia seguinte, eles também conhecem Karyl, uma gata especializada em magia. Depois de algum tempo, um vínculo de amizade e camaradagem se forma entre eles, e os quatro decidem criar uma guilda própria. Enquanto continuam suas aventuras, eles exploram o mundo, conhecem novas pessoas e talvez descubram os mistérios por trás das memórias perdidas de Yuuki.

Mini-Review (Nick): Eu não esperava muito ao entrar em Princess Connect, já que é mais uma propriedade originalmente baseada em um mobage. E no fim aqui está, é a minha escolha ao meu "anime preferido da temporada". Mas é, sim, Princess Connect é de fato outro show baseado em um RPG de mobage. narrativa é tão comum quanto soa - abordando um protagonista amnésico em uma narrativa que procura responder à mesma pergunta "e se você morasse em seu mmo favorito". No entanto, acontece que o meu grande mantra sobre arte sempre é "o enredo é apenas detalhes, a execução é tudo". Nesse sentido, Princess Connect tem uma arma secreta que a deixa acima de todos os seus irmãos já adaptados: Takaomi Kanasaki, o diretor de Konosuba, que empresta seu profundo entendimento de comédia e sensibilidades visuais gerais, às bobagens nonsense de Princess Connect. Gags como o protagonista consistentemente sendo arrastado por lobos é uma ideia inerentemente engraçada a principio, mas muito aprimorada pelo excelente entendimento de Kanasaki sobre ritmo, comédia visual e repetição de quadros. Para falar a verdade, eu prefiro o tom mais orientado para o slice of life de Princess Connect à comédia mais dura de Konosuba. 

Princess Connect preenche os seus momentos de narrativas de tonalidade mais familiárias tanto com muitas piadas divertidas quanto vistas visualmente atraentes e trocas encantadoras entre o seus personagens principaisA serie é regularmente capaz de convocar tanto o apelo de comédias pastiches quanto histórias slice of life, cortesia de um elenco generoso. Há muita palhaçada caricatural, mas seus grandes momentos na verdade são centradas em seus personagens carinhosos simplesmente compartilhando uma refeição juntos. O programa oferece, em uma nota relacionável, uma serie de provas de como uma animação expressiva e grande cinematografia eleva histórias a níveis pessoais. Enérgico, divertido e visualmente impressionante do começo ao fim, Princess Connect é facilmente uma das melhores comédias do ano. É um completo projeto de paixão.  

Tabela com os TOPs individuais dos redatores
***

Bottom Ad [Post Page]