Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

A envolvente guerra amorosa de Kaguya-sama wa KokurasetaiAnálise de AnimesAnálise Kaguya-samadestaqueresenharesenha crítica

A envolvente guerra amorosa de Kaguya-sama wa Kokurasetai


Kaguya-sama wa Kokurasetai foi uma obra que sempre tinha chamado a atenção já faz um certo tempo, visto que tanto dentro dos meus círculos de amigos, quanto na própria otakusfera em um geral, ela parecia ter uma reputação bastante sólida. Conseguindo bastante prestígio e sendo reconhecida como uma das melhores comédias românticas em publicação atualmente. Mas mesmo com isso, eu não apenas não tentei ler o mangá, mas como também não pesquisei mais a fundo a razão de todo esse clamor e apelo da obra. Logo, quando anunciaram uma adaptação em anime (que acabou sendo lançada no ano passado e com uma recém segunda temporada exibida esse ano), eu fui assistir praticamente as cegas, sem saber ao certo o que esperar. E quando terminei de assistir a primeira temporada, eu não apenas entendi o motivo dela ter sido tão aclamada, mas como ela conseguiu superar qualquer expectativa que eu poderia ter a respeito dela. Reforçando isso ainda mais na sua segunda temporada, visto que ele possui elementos bem inesperados que fazem com que ela seja bem mais do que uma mera comédia romântica tradicional.

Por mais que a primeira vista, a proposta não seja nova, visto que a premissa de duas pessoas que se amam, mas que possuem diversas dificuldades e problemas para se declarar e assumir o seu amor já tenha sido abordada diversas vezes, a forma que Kaguya trabalha e transpõe isso é um tanto distinta e bem criativa. É simplesmente muito bom a forma como eles transformaram acontecimentos banais e diversos clichês presentes no gênero e resolveram transformar isso em Mind Games extremamente dramatizados. Que mesmo sendo um dos padrões principais de piadas, nunca soa chato ou enjoativo por ele não apenas ter um grande leque de aspectos ou situações para se trabalhar, mas por eles serem surpreendentemente elaborados e bastante espertos, por mais peculiar que eles sejam. Houveram certos comentários a respeito do narrador, questionando a sua utilidade na obra. Mas honestamente, ele não me incomodou, visto que uma das grandes intenções de Kaguya é justamente dramatizar esses acontecimentos bem bobos e casuais ao máximo, e fazer os Mind Games se tornarem anda mais exagerados e cômicos. Ao ponto dele se tornar praticamente não só uma sátira ao gênero da comédia romântica, mas até mesmo uma paródia aos Battle Shounens, visto que eles também se utilizavam dessa técnica para ampliar a dramatização, como Dragon Ball, por exemplo (não apenas no narrador, mas em outros aspectos como os efeitos de movimento, uso de onomatopeias e outros recursos). E isso não se restringe apenas aos Mind Games, já que durante toda a obra, o autor se esforça para ampliar ainda mais as possibilidades e testar diversos outros estilos diferentes de piadas. Desde bordões, passando por piadas metalinguísticas, ou aproveitando as interações dentre os personagens, ou até mesmo piadas mais sujas, como acontece em um determinado episódio da S2. Mas tudo isso não apenas é introduzido na narrativa com muita precisão e fluidez, mas como em certos momentos, eles mesclam esses estilos, conseguindo deixar a trama ainda mais versátil e diversificada.

O Cast também é outro grande destaque a parte. É bem curioso pensar que se fosse em outra ocasião, tanto o Shirogane e quanto a Kaguya seriam personagens que ganhariam meu desprezo imediato, vide que ambos tem essa arrogância e esse desdém que eu particularmente odeio. Mas aqui, isso funciona justamente por ser usado como piada, visto que é por causa disso que os dois sempre se auto sabotam, fazendo com que essa atitude soe apenas como algo muito idiota e bobo mesmo. Algo que permite a possibilidade para ir até mais além, dando brecha para servir como um estudo de personagem. Visto que isso poderia servir como uma crítica ou deboche justamente a esses tipos de pessoas abastadas que tomam esse mesmo tipo de atitude e que se acham muito superiores as outras, mas que no fim, não passa de uma mascara para esconder as suas próprias fraquezas. Tanto que por mais que o Shirogane ostente o cargo de presidente do conselho estudantil com muito louvor, no fim, ele é nada mais que refém desse status, visto que na mente dele, sem isso, ele não teria mais valor para as outras pessoas, o que não apenas impede ele se declarar para Kaguya, mas como faz com que ele se force ao máximo para vender essa imagem de alguém perfeito e implacável, apenas para sustentar esse orgulho. A Kaguya é ainda mais além, visto que por mais que ela tenha um imenso senso de superioridade, ela não só é incapaz de fazer ações ou compreender assuntos bastante simples ou comuns, o que dá um contraste muito interessante sobre a imagem que ela tenta passar e sobre quem ela realmente é. 

Mas como a obra faz questão de mostrar o quanto que a sua educação e a filosofia da sua família acabaram a afetando não só na sua forma de agir, mas também mostrando o quão vazia e solitária a rotina dela é, e o quão prejudicial isso se torna para ela. O que faz dela uma personagem bem mais complexa do que se aparenta a princípio. A Chika também consegue ser uma bela personagem, servindo de contraponto para o Shirogane e a Kaguya, conseguindo servir como uma boa quebra de expectativa na trama. Tanto pela sua personalidade ingênua, quanto atrapalhando os Mind games de forma involuntária com suas atitudes diretas e imprevisíveis, que consegue variar e subverter ainda mais o leque de piadas. Assim como a introdução da Iino na S2, com a sua personalidade muito mais rígida, e um tanto inflexível. Ou a Hayasaka, que consegue criar um contraste muito peculiar interagindo com a Kaguya, o que resulta em cenas simplesmente hilárias. E o Ishigami, que não só consegue ser um dos personagens mais carismáticos da obra, mas como ele também consegue ter um dos desenvolvimentos mais notáveis e memoráveis da obra até aqui.
E obviamente, não poderia deixar de citar a produção e o incrível trabalho de direção do Shinichi Omata. Chega a ser assustador de como o Omata não apenas conseguiu fazer uma imensa transição de estilo se comparado ao seu trabalho anterior em Rakugo, visto que se nessa obra, a sua direção era extremamente delicada, poética, introspectiva e contemplativa. Aqui em Kaguya ela se torna bem mais exagerada, colorida, chamativa, abstrata e psicodélica. Mas ainda sim, não abrindo mão da imensa quantidade de detalhes na sua composição. Sendo tão viva, enérgica, impactante, imersiva, criativa, certeira, e autoral que acaba se tornando algo indissociável da obra, ao ponto de não conseguir imaginar a adaptação sem ela. Não apenas nos momentos envolvendo piadas, como a grande quantidade de referências encaixadas de forma muito precisa e esperta. Ou na imensa expressividade nas reações de cada personagens. Ou em cenas ágeis e dinâmicas como o plano sequência envolvendo a piada da Hayasaka no episódio de estreia da S2. Ou do uso absurdamente inteligente de filtros, como da piada recorrente do "Kawaii Koto". Em que aqui, ele não só faz com que o bordão e a cena se torne sempre distinta de alguma forma, mesmo sendo a mesma piada. 

Mas como ele também aproveita para retratar o estado mental do Shirogane e a paranoia dele em relação a Kaguya de uma forma totalmente visual e associativa (visto que toda vez em que a piada se repete, a imagem vai se tornando cada vez mais disforme e estranha, sem nenhum diálogo expositivo sequer. Assim como o enquadramento do corredor, que reforça o sentimento de inferioridade sentido por ele, sem que ele nem precise falar o seu bordão). Mas também no que diz respeito ao próprio tom da narrativa como um todo. Visto que também há momentos reflexivos, como o episódio 3 da S2, em que consegue fazer um equilíbrio muito preciso entre uma atmosfera cômica e melancólica, em que mesmo as piadas não consegue anular a tristeza de quando o grupo fecha a sala do conselho, fazendo com que esse clima ainda consiga ser muito convincente e palpável. Assim como no episódio 6 da S2, em que na eleição, ele consegue transitar entre um clima mais sóbrio (especialmente no inicio do discurso da Iino e o seu flashback), e um clima mais leve e otimista quando o Shirogane se intromete, e nas cenas seguintes após isso. 

Ou cenas mais emotivas ou tocantes, como nos episódios em que mostram toda a tristeza e a frustração da Kaguya causada pela sua solidão. E até mesmo momentos como o episódio que explora o passado do Ishigami, que possui um tom denso, pesado e sombrio. Não só pelo conflito que é mostrado, que é algo tão revoltante, que chega a ser nojento e repulsivo. Mas também pela própria direção do Omata, que amplifica tudo isso e retrata o inferno mental do Ishigami de uma forma tão angustiante, sufocante, e um tanto claustrofóbica, que realmente se torna um episódio até um tanto desconfortável de assistir, de tão tenso que ele é. Algo que honestamente nunca pensaria em ver em uma obra de comédia romântica. Especialmente com esse nível de execução. Além de outros momentos em que o Omata recorre a cenas ou Takes com um aspecto bem mais sóbrio e introspectivo. Fora toda a questão de design e animação, que faz jus a tudo isso, e permite que as cenas se tornem ainda mais belas. Realmente, um trabalho bem acima da média.

E no fim, é muito satisfatório ver o quanto que essa adaptação é resultado de um trabalho fantástico com via de mão dupla. Tanto do Aka Akasaka, que se esforça em não ficar acomodado e querer expandir sua obra, e tornar ela cada vez mais vasta. Seja em relação as piadas, quanto aos dramas e conflitos. Quanto do Shinichi Omata, que se esforçou em não apenas transferir todo o conteúdo de uma maneira que funcionasse para a mídia audiovisual, mas de uma forma que agregasse ainda mais a obra. Tanto que realmente não teve uma cena durante toda a adaptação em que pude falar que foi mal feita, ou que foi feita de forma preguiçosa, já que toda a adaptação transborda muito esmero em qualquer âmbito em que você enxergue. Tanto que ela não só conseguiu ser a melhor comédia romântica que eu já vi, e uma das 5 melhores comédias em um âmbito geral. Mas como a segunda temporada é com certeza, um dos melhores animes que assisti esse ano. Impressionante.
***

Bottom Ad [Post Page]